Samba Vai Kem Ké: festa resgata tradição do samba junino na Federação

entretenimento
03.02.2019, 10:20:00
Atualizado: 03.02.2019, 10:51:20

Samba Vai Kem Ké: festa resgata tradição do samba junino na Federação

Desde agosto, evento leva amantes do gênero ao Espaço Cultural Casa do Maestro

Em momentos como o que vivemos, o jornalismo sério ganha ainda mais relevância. Precisamos um do outro para atravessar essa tempestade. Se puder, apoie nosso trabalho e assine o Jornal Correio por apenas R$ 5,94/mês.

Rua Mestre Pastinha, 365 E, Federação. Conhecida como Baixa do Vai Quem Quer, a localidade passou  a abrigar há seis meses o Samba Vai Kem Ké - escrito assim mesmo, do jeito que o povo fala. 

Desde a estreia, em agosto, o evento tem atraído dezenas de pessoas dispostas a resgatar a tradição do samba junino, manifestação cultural típica da capital baiana e que foi reconhecida como o primeiro bem imaterial de Salvador no ano passado.

O sucesso tem sido tanto que o Samba Vai Kem Ké também tem ido ao encontro daqueles que querem se divertir junto ao grupo. Depois de participarem da lavagem da escultura de Odoyá, na última quinta (31), eles marcam presença no projeto Oliveiras – Temporada de Verão, que acontece neste domingo (3), no Pátio da Igreja do Santo Antônio. Até o Carnaval, o grupo tem mais oito shows confirmados. 

(Foto: Marcelo Delfino)

“O samba é um sonho meu de muitos anos. Ouvia em casa, desde pequenininho, com meu pai, os sambas de caboclo”, lembra o músico Augusto Conceição, 51 anos, nome à frente do projeto. 

Filho caçula do maestro Vivaldo Conceição, conhecido como Luminoso Diamante Negro da Bahia, Augusto foi um dos precursores movimento artístico surgido na década de 70 nos terreiros de candomblé e que se espalhou pelas ruas e festas de largos dos bairros populares. Para ele, a essência do samba junino (ou do samba duro, como também é conhecido) sempre foi a rua.

Muito ligado ao bairro em que cresceu, Augusto decidiu há quatro anos pôr em prática um sonho antigo: transformar a casa em que foi criado, e que pertence à sua família há 40 anos, em um espaço cultural. “Descobri que sofria de insuficiêcia renal e como tinha esse sonho de dar continuidade ao trabalho de meu pai, passei a investir aqui. Todo o dinheiro que ganhava passei a investir na reforma”, conta, ao ressaltar a importante contribuição do músico e produtor cultural, Lomanto Oliveira, que se juntou a ele nessa misssão.

(Foto: Marcelo Delfino)

É lá no Espaço Cultural Casa do Maestro, que o Samba Vai Kem Ké acontece - bem como diversos outros projetos culturais encabeçados por Augusto Conceição, que aos 17 anos passou a acompanhar artistas como Lazzo e Gerônimo e que por 12 anos foi trombonista e cantor da Timbalada. Dos tempos de timbaleiro, veio a amizade com o artista plástico Ray Vianna, responsável pela famosa pintura corporal da banda, e hoje criador da identidade visual do Vai Kem Ké com seus chapéus de palha coloridos.

Além de multi-instrumentista, Augusto Conceição é autor de hits famosos da música baiana, como Pererê, A Galera, Bug Bug Bye Bye e Juliana (a Boa). Tanto assim que o repertório do Vai Kem Ké já conta com músicas próprias, como Chapéu de Palha (disponível gratuitamente nas plataformas digitais) e Varro o Tapete. Não ficam de fora os clássicos do samba de roda baiano, como Quixadeira, Paixão Antiga, Marinheiro Só e Samba da Minha Terra.

(Foto: Reprodução/ Instagram)

Formado por 12 músicos,  incluindo nomes tarimbados da cena local (como o percusionista Tinho Pequeno, ex-Timbalada, e o guitarrista Fábio Alcântara) e alunos de percussão de Lomanto e Augusto, o grupo também deixa o microfone aberto a quem quer participar. “O Vai Kem Ké, como o próprio nome já diz, é democracia”, completa Augusto Conceição, que ainda é o responsável por preparar a feijoada servida na Casa do Maestro quando o Samba Vai Kem Ké acontece lá. Ta a fim de sambar? Já pode chegar!

Serviço: Pátio da Igreja de Santo Antônio (Santo Antônio Além do Carmo). Domingo, às 16h. Com Samba Vai Kem Ké, mestre Tião Carvalho e DJ Pivoman. Ingressos: R$ 20. Vendas: no site Sympla e no local. 

VEJA AGENDA DO SAMBA VAI KEM KÉ

03/02 | 16h
Oliveiras de Verão
Pátio da igreja do Santo Antônio Além do Carmo
R$20


08/02 | 19h
Praça Tereza Batista, Pelourinho
R$20/ 10

09/02 | 19h
Festa Buraco de Rato
Korin Efan, Pelourinho
R$15 sympla, no local R$ 20 até as 22h e R$25 após as 22h.

14/02 | 19h
Velho Espanha, Barris
 

15/02 | 19h
Ensaio Geral do Samba
Praça Quincas Berro D'Água, Pelourinho


16/02 | 19h
Quadra do Alerta Geral
 

17/02 | 14h
Casa do Maestro
R$15

22/02 | 19h
Tereza Batista, Pelourinho
R$ 20 / 10

24/02 | 14h
Casa do maestro
Esquente para o Furdunço 
R$15

***

Em tempos de coronavírus e desinformação, o CORREIO continua produzindo diariamente informação responsável e apurada pela nossa redação que escreve, edita e entrega notícias nas quais você pode confiar. Assim como o de tantos outros profissionais ligados a atividades essenciais, nosso trabalho tem sido maior do que nunca. Colabore para que nossa equipe de jornalistas seja mantida para entregar a você e todos os baianos conteúdo profissional. Assine o jornal.


Relacionadas