Seleção brasileira decide título do Torneio de Chongqing

esportes
09.11.2019, 15:26:00
Atualizado: 09.11.2019, 15:26:34
Pia Sundhage dá orientações às jogadoras da seleção brasileira em treinamento na China (Foto: Daniela Porcelli/CBF)

Seleção brasileira decide título do Torneio de Chongqing

Técnica da seleção, Pia Sundhage vai reencontrar a seleção chinesa pela qual trabalhou durante 12 anos

Em momentos como o que vivemos, o jornalismo sério ganha ainda mais relevância. Precisamos um do outro para atravessar essa tempestade. Se puder, apoie nosso trabalho e assine o Jornal Correio por apenas R$ 5,94/mês.

O duelo entre China e Brasil, no próximo domingo (10), às 8h35, na final do Torneio Internacional de Chongqing, vai marcar o reencontro da técnica Pia Sundhage, atual comandante da seleção brasileira, com o time no qual atuou há doze anos como assistente.

De lá pra cá, Pia esteve no comando de três seleções (Estados Unidos, Suécia e Suécia Sub-17), participou de três finais olímpicas (2008, 2012, 2016) e uma decisão de Copa do Mundo (2011). Seu próximo desafio é comandar o Brasil na disputa dos Jogos Olímpicos de Tóquio-2020.

No comando da seleção brasileira, Pia segue invicta, são cinco jogos com quatro vitórias e um empate. "Todo jogo ensina e eu estou muito feliz por nós termos jogado contra o Canadá (vitória por 4x0). É um estilo de jogo bem diferente do que iremos enfrentar contra a China. Estamos jogando contra equipes de diferentes culturas e treinadores. Isso é o que precisamos antes dos Jogos Olímpicos. Precisamos nos preparar para todos os tipos de cenário. Esse torneio é muito bom para nós."

Para chegar à final, a China venceu a Nova Zelândia por 2x0. "Nós assistimos ao jogo China x Nova Zelândia, e elas são muito técnicas e organizadas. O que é diferente de alguns times anteriores da seleção chinesa é a presença de jogadoras com muita velocidade. Eu estou muito empolgada para esse jogo, será um duelo de dois times muito técnicos", disse Pia.

A treinadora sempre destaca a alegria do grupo brasileiro. Para ela, esse é um importante elemento na essência do time, mas reforça, não é apenas isso. 

"Elas são jogadoras muito animadas. Elas riem muito, estão sempre felizes e, também, estão sempre bem. A gente vê sempre bons gols. Mas não é apenas isso, nós estamos tendo a chance de realizar muitos trabalhos táticos. Eu preciso ter tempo para prepará-las, e elas precisam de tempo para absorver esses esquemas táticos. E isso é fantástico. Temos tempo suficiente para planejarmos o nosso estilo para os Jogos Olímpicos", afirmou a treinadora.

***

Em tempos de coronavírus e desinformação, o CORREIO continua produzindo diariamente informação responsável e apurada pela nossa redação que escreve, edita e entrega notícias nas quais você pode confiar. Assim como o de tantos outros profissionais ligados a atividades essenciais, nosso trabalho tem sido maior do que nunca. Colabore para que nossa equipe de jornalistas seja mantida para entregar a você e todos os baianos conteúdo profissional. Assine o jornal.


Relacionadas