Seleção feminina é recebida com festa na chegada ao Brasil

esportes
25.06.2019, 09:47:00
Atualizado: 25.06.2019, 12:24:27

Seleção feminina é recebida com festa na chegada ao Brasil

"Nunca vi assim, nem quando ganhamos medalha olímpica", disse Cristiane

Em momentos como o que vivemos, o jornalismo sério ganha ainda mais relevância. Precisamos um do outro para atravessar essa tempestade. Se puder, apoie nosso trabalho e assine o Jornal Correio por apenas R$ 5,94/mês.

Parte da delegação da seleção brasileira que disputou a Copa do Mundo feminina na França desembarcou na manhã desta terça-feira (25) no Brasil e foi recebida com festa no Aeroporto Internacional de Cumbica, em Guarulhos, na região metropolitana de São Paulo. As jogadoras e membros da comissão técnica chegaram em dois voos provenientes de Paris e receberam o carinho de um grupo de cerca de 100 torcedoras usando bonés, faixas, cartazes, balões e gritos de incentivo.

A atacante Cristiane, que chegou mancando por causa de uma lesão sofrida na derrota para a França no domingo, se mostrou surpresa com a recepção calorosa. "Nunca vi assim, nem quando ganhamos medalha olímpica", disse a jogadora do São Paulo, referindo-se às pratas conquistadas em Atenas-2004 e Pequim-2008.

Torcedoras prestaram homenagens dando medalhas simbólicas para as atletas. "As meninas devem sonhar a partir de agora que as coisas podem mudar para elas", emendou a camisa 11, que foi artilheira do Brasil no Mundial com quatro gols.

"Não sabia da recepção. Mostra o quanto honramos a camisa da seleção e quanto deixamos em campo, principalmente no jogo contra a França. Representa tudo o que fizemos nos jogos da Copa e essa torcida representa muito", afirmou a atacante Andressa Alves, que atua no Barcelona.

"Não sei como descrever esse momento, só sei agradecer. Que carinho maravilhoso, é de arrepiar", escreveu Andressa Alves em sua conta no Instagram.


O grupo que desembarcou em São Paulo não estava completo porque algumas jogadoras seguiram para os países onde atuam. São os casos de Marta, Camila e Thaísa, que foram direto para os Estados Unidos, e de Bia Zaneratto e Luana, que seguiram para a Coreia do Sul.

Na chegada ao Brasil, o técnico Oswaldo Alvarez, o Vadão, reafirmou que está otimista para a continuidade de seu trabalho à frente da seleção. O coordenador de seleções femininas da CBF, Marco Aurélio Cunha, afirmou na segunda-feira, ainda na França, que o futuro do treinador está agora nas mãos do presidente da entidade, Rogério Caboclo. O próximo compromisso da equipe é a Olimpíada de Tóquio, no ano que vem, no Japão.

No Mundial, a seleção feminina ganhou da Jamaica por 3x0, depois perdeu de virada para a Austrália por 3x2 e garantiu a classificação em terceiro lugar do Grupo C graças à vitória sobre a Itália por 1x0. O destaque da campanha foi o recorde que a craque Marta bateu, virando a maior artilheira das Copas do Mundo com 17 gols, um a mais que o centroavante alemão Miroslav Klose.

***

Em tempos de coronavírus e desinformação, o CORREIO continua produzindo diariamente informação responsável e apurada pela nossa redação que escreve, edita e entrega notícias nas quais você pode confiar. Assim como o de tantos outros profissionais ligados a atividades essenciais, nosso trabalho tem sido maior do que nunca. Colabore para que nossa equipe de jornalistas seja mantida para entregar a você e todos os baianos conteúdo profissional. Assine o jornal.


Relacionadas