Sérgio Amorim estreia exposição “Um Novo Olhar”, no Shopping Barra

entretenimento
03.11.2020, 15:14:00

Sérgio Amorim estreia exposição “Um Novo Olhar”, no Shopping Barra

Exposição é gratuita

Em momentos como o que vivemos, o jornalismo sério ganha ainda mais relevância. Precisamos um do outro para atravessar essa tempestade. Se puder, apoie nosso trabalho e assine o Jornal Correio por apenas R$ 5,94/mês.

20 obras produzidas com pinturas de alto contraste, contraposição de cores e técnicas de pintura a óleo com espátula. Frutos de uma aposta no abstracionismo feita pelo artista plástico e pintor Sérgio Amorim. Esses são os elementos da exposição 'Um Novo Olhar', realizada no Shopping Barra.

A exposição inaugura o que Amorim classifica como o quarto ciclo de seu processo criativo, apostando nesse abstracionismo, que nada mais é do que um delo artístico moderno, com apelo às formas abstratas e ao subjetivismo — , relembrando clássicos como o “№5, 1948", do norte-americano Jackson Pollock e a “Composição VIII”, do russo e percursor da arte abstrata, Wassily Kandinsky.

Revelando obras autorais e inéditas - em 20 telas produzidas com pinturas de alto contraste, contraposição de cores e técnicas de pintura a óleo com espátula -, como Saveiro Solitário; Regata; Canoeiros do Velho Chico; Elevador Antigo; Vista da Lapinha; Oferenda a Iemanjá Dia; Órfãos de São Joaquim e Procissão Irmandade Rosário dos Pretos, Sérgio Amorim apresenta um olhar sensível e diferenciado sobre a história de Salvador (BA) e suas origens afro-brasileiras, com passagens pelo Mercado Modelo, Baía de Todos-os-Santos, Ladeira do Pelourinho e o Recôncavo Baiano.

Somando experiências e reinvenções ao longo dos anos, o artista afirma que sua história é baseada em ciclos, começando pelo lápis e papel (1º ciclo), pincel (2º) e o “espatulado” (3º), sendo a técnica impressionista uma marca registrada do baiano de Itaberaba.

(Foto: Divulgação)
(Foto: Divulgação)
(Foto: Divulgação)

O despertar do 4º ciclo do “Processo Criativo” se iniciou, segundo o artista, devido ao isolamento social na Bahia, consequência da pandemia do novo coronavírus (COVID-19). Ilustrando a realidade com novos contornos, Sérgio quebra os paradigmas do tradicionalismo com a tradução do cotidiano através de experiências e sentimentos pintados sobre a tela. 

Com mais de 22 anos de trajetória artística, Sérgio completa duas décadas da sua primeira exposição individual em São Paulo (Ribeirão Preto), na Galeria Golde. O artista é conhecido pela Medalha de Prata (2002) no salão da juventude no Sesc de Ribeirão Preto; Troféu de Ouro (2003) pela obra “O Tropeiro” — Festival Nacional do Folclore em Olímpio; Menção Honrosa do Salão de Belas Artes em Limeira (2013) e o primeiro lugar no Salão Comemorativo aos 150 anos da Revolução de Riachuelo (Bahia Marina), em 2015. 

Atualmente, o artista plástico pinta e ministra cursos no ateliê “Sérgio Amorim Artes” — Colina C, Patamares. Além da exposição Um Novo Olhar, o pintor é responsável pela mostra “Águas de Salvador e da Baía de Todos-os-Santos”, aberta ao público desde janeiro no Palacete das Artes.
 

***

Em tempos de coronavírus e desinformação, o CORREIO continua produzindo diariamente informação responsável e apurada pela nossa redação que escreve, edita e entrega notícias nas quais você pode confiar. Assim como o de tantos outros profissionais ligados a atividades essenciais, nosso trabalho tem sido maior do que nunca. Colabore para que nossa equipe de jornalistas seja mantida para entregar a você e todos os baianos conteúdo profissional. Assine o jornal.


Relacionadas