Série aborda a relação entre mestres e discípulos da cultura africana em Salvador

entretenimento
07.08.2018, 10:45:00
O primeiro episódio da série abordará a vida do ferreiro Zé Diabo (Divulgação)

Série aborda a relação entre mestres e discípulos da cultura africana em Salvador

Fundação Gregório de Mattos exibirá a série dentro do projeto Cinema na Praça, levando cinema gratuito à comunidade

Registrar e resgatar as referências de matriz africana presente nos saberes e fazeres em Salvador. Com essa proposta, será lançado nesta terça-feira (7), na Sala de Arte Cinema do Museu, a série Saberes Passados. Com quatro episódios de 26 minutos, o projeto tem a direção e roteiro de Ducca Rios, direção de produção de Cândida Luz Liberato e Maria Luiza Gonçalves de Barros como produtora executiva.

De acordo com Cândida Luz, nessa primeira temporada os personagens e seus aprendizes apresentarão os saberes do ferro e dos metais, os saberes das comidas, os da mata e da madeira, na confecção dos instrumentos da capoeira, e os saberes da música. Para tanto, foram convidados a chef Ana Célia, do Zanzibar, Mestre Olavo da capoeira, o músico Mateus Aleluia e o ferreiro Zé Diabo. “Utilizamos o formato entrevista para conhecer as histórias de vida e acompanhamos o cotidiano dessas pessoas, cujo saber foi transmitido por alguém e que, agora, têm outras responsáveis dar continuidade às tradições orais”, esclarece. 

O primeiro episódio é o Discípulos de Ogum e traz como figura central o ferreiro Zé Diabo, que fala sobre seu próprio mestre, de como aprendeu o ofício e como faz para passá-lo adiante. No segundo episódio Ana Célia conta os segredos das comidas no Banquete dos Orixás e como essa generosa filha de Oxóssi vive cercada de aprendizas que a consideram como mãe.
 

O ferreiro Zé Diabo conta a história que envolveu o seu aprendizado na manipulação dos metais e como ensina ao discípulo (Foto: Divulgação)

Em Menino, quem foi seu Mestre? Olavo da Paixão dos Santos, ou Mestre Olavo mostra o universo das cabaças, madeiras, facas, tintas, vime, beribas que são a base espiritual da sua arte. Com efeito, esse ex-aluno de Mestre Valdemar, assim como seu professor tornou-se um dos maiores detentores dos segredos presentes na feitura do berimbau. Em Filho de Oxalá, Mateus Aleluia revela a presença sagrada do candomblé na sua obra musical.

Contemplado pelo edital Arte na TV, da Fundação Gregório de Mattos (FGM), Prefeitura de Salvador, voltado para a produção seriada de obras audiovisuais em parceria com a Agência Nacional do Cinema (Ancine). Nesta terça-feira (7), a TVE exibirá a série em sua programação e, em setembro, a FGM exibirá a série dentro do projeto Cinema na Praça, percorrendo os caminhos dos “saberes” e levando cinema gratuito à comunidade.

***

Em tempos de coronavírus e desinformação, o CORREIO continua produzindo diariamente informação responsável e apurada pela nossa redação que escreve, edita e entrega notícias nas quais você pode confiar. Assim como o de tantos outros profissionais ligados a atividades essenciais, nosso trabalho tem sido maior do que nunca. Colabore para que nossa equipe de jornalistas seja mantida para entregar a você e todos os baianos conteúdo profissional. Assine o jornal.


Relacionadas