Série baiana que revela Salvador sombria já está disponível no Amazon Prime

entretenimento
05.07.2020, 12:11:00
Atualizado: 05.07.2020, 12:11:32
Brunno Pastori em Sonhadores (fotos: Ricardo Prado/divulgação)

Série baiana que revela Salvador sombria já está disponível no Amazon Prime

Produção tem roteiro e direção de Julia Ferreira, baiana que estudou cinema em Londres e Madri

Em momentos como o que vivemos, o jornalismo sério ganha ainda mais relevância. Precisamos um do outro para atravessar essa tempestade. Se puder, apoie nosso trabalho e assine o Jornal Correio por apenas R$ 5,94/mês.

No lugar daquela Salvador dos cartões-postais, ensolarada, carnavalesca e alegre, você verá uma cidade sombria, meio fúnebre, gótica. Em vez do axé, o rock. É assim que a capital baiana aparece em Sonhadores, minissérie produzida pela Obá Cacauê que já está disponível no Amazon Prime Video. A estreia aconteceu neste domingo (5). No dia anterior, sábado (4), foi exibida na íntegra no canal Kirimurê (10.2), emissora local sintonizada na TV digital, às 17h.

A produção é dirigida pela baiana Julia Ferreira, 39 anos, que tinha experiência em curtas-metragens como O Menino e o Louco e Duas Marias. Julia, que é também a roteirista da série, estudou cinema em Londres e Madri e é jornalista de formação, tendo trabalhado no CORREIO como repórter. Para escrever o roteiro de Sonhadores, ela se baseou em sua própria adolescência e nos conflitos típicos dessa fase.

A série conta a história de Rafa (Brunno Pastori), um menino de 14 anos muito ligado ao pai, Miguel (Fernando Alves Pinto), que é expulso de casa por Ângela, sua esposa e mãe de Rafa. Pai e filho têm muito em comum: os dois são fãs de rock, adoram desenhar e têm uma evidente vocação artística. Quando Miguel sai de casa, Rafa fica desorientado, pois perdeu sua maior referência.

Antonio Pitanga e Fernando Alves Pinto em Sonhadores

A situação do adolescente é muito semelhante à que a própria Julia viveu, como ela lembra: "A adolescência é um período muito conturbado e o que ocorre na série aconteceu comigo. Meu pai foi expulso de casa e não tinha para onde ir. E ele sempre foi boêmio, muito parecido com Miguel. Claro que eu exagerei nessa semelhança, mas, quando meu pai foi embora de casa, eu me senti sem chão, porque puxei muito a ele: sempre desenhei, criei histórias, cresic no underground...".

Alter ego
Para viver seu alter ego, Julia convocou Brunno Pastori, um jovem nascido em Santo Antonio de Jesus que não tinha experiência profissional como ator. O rapaz foi descoberto pela produtora executiva da série, Fabiola Aquino, quando participava de uma edição do The Voice Kids. Foi convidado para um teste e seu desempenho impressionou.

"Fiquei impressionada com o nível de naturalidade dele, é um excelente ator. Devo ter visto uns 200 adolescentes e ele nunca tinha feito curso de teatro, nada... não tinha vícios do teatro e sabia ser ele mesmo. E Brunno tem uma realidade parecida com o Rafa: gosta de se vestir de drag, sofreu bullying na escola... as cenas em que Rafa apanha mexeram muito com Brunno", observa Julia.

Brunno, que é estudante do 3º ano do médio, tinha 14 anos na época das gravações, em 2018. Hoje, aos 16, vive no Rio e pretende estudar artes cênicas. Ele confirma que se identifica com seu personagem: "Nós dois somos artistas e nos expressamos de forma muito clara na arte, lutando contra uma sociedade homofóbica e machista. Eu vivo esses desafios e já vivi a homofobia e o preconceito".

Julia, no set de Sonhadores

O pai de Rafa, Miguel, é vivido por Fernando Alves Pinto, ator paulista que estreou em Terra Estrangeira (1995) e estrelou filmes como Para Minha Amada Morta (2016), do baiano Aly Muritiba. Embora não seja um rosto muito conhecido do espectador médio, já que raramente aparece na TV, Fernando é reconhecidamente um dos grandes talentos de sua geração, muito respeitado pela crítica e desejado por muitos diretores. Muito experiente, já esteve em mais de 30 longas.

Negociação
Julia diz que não tinha muita esperança de ter o ator na série, pois a produção de baixo orçamento dificilmente teria condições de arcar com o cachê dele. Mas, de qualquer forma, tentou e mandou o roteiro para o artista. "Ele gostou da proposta e aí partimos para negociar com os agentes dele. Conversamos e acabamos conseguindo", diz a diretora, sem esconder sua satisfação. Ela acrescenta: "É um ator excelente, que tinha a doçura que eu desejava para Miguel, que lembrava meu pai, boêmio como ele. É um personagem meio autodestrutivo, mas doce também, como Fernando".

"Meu personagem é um eterno adolescente, então ele se dá muito bem com o filho. O Miguel é de uma criatividade impressionante, mas não ganha dinheiro. Miguel, como Rafa, tem um apreço pela novidade e pela originalidade, o que liga um ao outro", afimar Fernando, que passou quase dois meses em Salvador para as filmagens.

O ator reconhece que a Salvador da série é diferente daquela que está no imaginário dos turistas: "A cidade aparece de um jeito bem diferente, meio rock'n'roll. A gente, de fora, às vezes esquece que Raul é baiano! Então, essa Salvador retratada diferente logo me encantou. O roteiro me atraiu muito, mas a proposta de passar quase dois meses em Salvador também foi muito sedutora", brinca Fernando. O intérprete de Miguel diz que acreditou no projeto desde o início: "Minhas agências me diziam 'olha, não aceita, não vai acontecer nada, não vai ter dinheiro...'. Mas eu bati pé". No elenco, também estão Aicha Marques, que vive a mãe de Rafa, e Antonio Pitanga, que vive um amigo de Miguel, igualmente boêmio e chegado a uma bebida.

***

Em tempos de coronavírus e desinformação, o CORREIO continua produzindo diariamente informação responsável e apurada pela nossa redação que escreve, edita e entrega notícias nas quais você pode confiar. Assim como o de tantos outros profissionais ligados a atividades essenciais, nosso trabalho tem sido maior do que nunca. Colabore para que nossa equipe de jornalistas seja mantida para entregar a você e todos os baianos conteúdo profissional. Assine o jornal.


Relacionadas