Série documental 'Favela Gay – Periferias LGBTQI+' estreia no Canal Brasil

entretenimento
25.03.2020, 06:40:00
Atualizado: 25.03.2020, 22:52:46
Isa e Rafa, entrevistados do primeiro episódio da série (Foto: Divulgação)

Série documental 'Favela Gay – Periferias LGBTQI+' estreia no Canal Brasil

Depois de filme focado no Rio de Janeiro, Rodrigo Felha visita cinco estados em novo trabalho

Em momentos como o que vivemos, o jornalismo sério ganha ainda mais relevância. Precisamos um do outro para atravessar essa tempestade. Se puder, apoie nosso trabalho e assine o Jornal Correio por apenas R$ 5,94/mês.

O cineasta carioca Rodrigo Felha sempre foi um curioso. Por conta da curiosidade, começou a mexer com as câmeras do filme Falcão - Meninos do Tráfico (2006), quando trabalhava como o "carregador de bolsa" da equipe - só depois descobriu que, na verdade, sua função era de assistente de câmera. Da assistência, foi estudar e praticar sozinho, passando rapidamente a assumir o equipamento. "Tenho a maior honra e orgulho de dizer que meu primeiro projeto foi o Falcão, que impactou o Brasil daquela maneira", conta.

Morador da Cidade de Deus, no Rio de Janeiro, Felha destaca que seu olhar sempre esteve voltado para as favelas. Além de Falcão, esteve à frente dos documentários 5x Favela - Agora Por Nós Mesmos (2010), 5x Pacificação (2012) e Favela Gay (2014), vencedor do Júri Popular do Festival do Rio naquele ano.

Rodrigo Felha, diretor de Favela Gay - Periferias LGBTQI+ (Foto: Divulgação)

Em seu mais novo trabalho, a série documental Favela Gay - Periferias LGBTQI+, ele sai do Rio de Janeiro em busca de histórias em comunidades pobres de outros cinco estados: Brasília, São Paulo, Belém, Rio Grande do Sul e Bahia. A estreia acontece nesta quarta-feira (25), às 19h30, no Canal Brasil - que está com sinal aberto em todas as operadoras por tempo indeterminado durante a quarentena.

Em dez episódios, Felha segue na busca do filme de seis anos atrás, tentando entender como é a rotina da população LGBTQI+ fora dos grandes centros. A série visita várias comunidades e traz os mais diversos depoimentos de homossexuais habitantes desses locais, que fazem relatos reveladores sobre a soma dos preconceitos de classe social e orientação sexual. 

"Dedicamos dois episódios a cada estado, são cinco estados e dez episódios no total. Cada estado é desbravado a partir de dois personagens, que estão conectados entre si. No episódio de Belém, por exemplo, entrevistamos Leona Vingativa, um fenômeno da internet, conhecida em todo o Brasil, e através dela chegamos a Paulo, que é seu melhor amigo e nosso entrevistado também" explica o diretor. 

Todos os entrevistados mencionam ter sofrido perseguição em algum momento da vida; alguns cortaram relação com a família, outros se envolveram com prostituição e drogas e muitos precisaram esconder a homossexualidade por anos. Mesmo com todos os problemas, a série retrata momentos de descontração e leveza e mostra a necessidade de se reinventar a partir da arte e do encontro com o amor.

"Sempre busquei assuntos, olhares inéditos dentro da favela. Comum entre nós, mas para sociedade em geral inédito" - Rodrigo Felha, cineasta

A ideia de falar sobre como era a vida dos LGBTQI+ nas favelas foi "mantida no armário" por muito tempo. Em 2009, eçe chegou a gravar algumas cenas de um "gaymado" (um baleado cujos participantes eram gays) na Cidade de Deus, pensando em usar num documentário, que só foi desengavetar alguns anos depois. "Fiquei surpreso com aquela euforia gigante, com aquele momento superaguardado e transformados. Na hora, tive certeza que queria falar sobre aquilo, sobre aquelas pessoas", lembra. 

O empurrão veio tanto do cineasta Cacá Diegues, que se encantou com o trailer, e de um episódio de violência policial sofrido por Felha em um importante momento da carreira.  "Um dia antes de ir para Cannes pelo 5x Favela, eu fui abordado por um policial da UPP que tentou me constranger sexualmente, pedindo para eu abaixar minhas calças durante uma abordagem. Eu estava indo pra um jantar com amigos, comemorar minha ida a Cannes, e cheguei no encontro abaladíssimo. Recebi muito apoio, a notícia vazou para a imprensa, e achei que estava na hora de tirar aquela ideia de documentário do papel", recorda.

Para ele, o grande trunfo de seus filmes reside tanto na equipe de pesquisa, responsável por encontrar as melhores histórias, quanto pela curiosidade genuína com que se permite conduzir cada entrevista. "As perguntas que as pessoas poderiam achar até insensíveis, eu fiz como um diretor curioso. Isso sem abrir mão do cuidado, da ética, da responsabilidade. Consegui que os entrevistados se soltassem, se sentissem acolhidos a falarem coisas íntimas, muitas vezes muito difíceis. Minha relação com eles não começa nem termina na gravação,  gosto de nutrir isso ao longo do processo", conta.

A baianaThiffany Odara é uma das entrevistadas da série, que estreia nesta quarta no Canal Brasil (Foto: Divulgação)

Todas as gravações duraram um mês e meio, o que significa que a equipe passou mais ou menos uma semana em casa estado. Na Bahia, eles entrevistaram Thiffany Odara, mulher trans, negra, feminista, yalorixá, mãe e pedagoga, e Tamir Silva, um jovem dançarino de k-pop, líder do grupo KIDDO, que vê nele um exemplo.

Os episódios  no estado são os últimos da série que será exibida toda quarta-feira, às 19h30, no Canal Brasil, com reprises às segundas, 12h30, e às terças, 7h30. Os dez episódios de Favela Gay – Periferias LGBTQI+ também estarão disponíveis no Canal Brasil Play sempre após a exibição na TV.

***

Em tempos de coronavírus e desinformação, o CORREIO continua produzindo diariamente informação responsável e apurada pela nossa redação que escreve, edita e entrega notícias nas quais você pode confiar. Assim como o de tantos outros profissionais ligados a atividades essenciais, nosso trabalho tem sido maior do que nunca. Colabore para que nossa equipe de jornalistas seja mantida para entregar a você e todos os baianos conteúdo profissional. Assine o jornal.


Relacionadas