Simone lança álbum e volta a se apresentar, após 20 anos, no TCA

entretenimento
08.10.2009, 09:30:33

Simone lança álbum e volta a se apresentar, após 20 anos, no TCA

Cantora revela boa fase e conta que pela 1ª vez teve a coragem de gravar composição sua

Em momentos como o que vivemos, o jornalismo sério ganha ainda mais relevância. Precisamos um do outro para atravessar essa tempestade. Se puder, apoie nosso trabalho e assine o Jornal Correio por apenas R$ 5,94/mês.

Simone Bittencourt de Oliveira se prepara para completar 60 anos no dia 25 de dezembro, mas não parece estar preocupada com isso. Bonita, pele boa, corpo em cima, esbanja autoestima na conversa com a reportagem do CORREIO e está lançando seu primeiro álbum de canções inéditas em cinco anos: Na veia (Biscoito Fino), que ela produziu com Rodolfo Stroeter. “Me sinto uma sexygenária (risos). Eu me amo. Tenho orgulho do meu trabalho, da minha trajetória. Acertei muito mais do que errei e sou honesta, coisa que os políticos brasileiros, de modo geral, não sabem mais o que é. Eles são uns escrotos com o povo, querem que o povo se dane”, diz com ênfase.


Simone lança CD de inéditas e volta ao TCA após 20 anos

Simone caprichou na seleção do novo disco e recebeu inéditas de Adriana Calcanhotto & Dé Palmeira (Cartas noites), Erasmo Carlos (Migalhas), Marina Lima & Dé Palmeira (Bem pra você) e Martinho da Vila & Zé Catimba (Na minha veia), entre outros. “As canções foram chegando naturalmente, parecia que elas se conheciam, que queriam estar reunidas”, afirma.

O repertório tem também Paulinho da Viola & Elton Medeiros (Ame) e regravações de Agepê (Deixa eu te amar) e Gonzaguinha (Geraldinos e arquibaldos). E ainda uma coisa rara: uma música feita por Simone: Vale a pena tentar, parceria com Hermínio Bello de Carvalho. “Minhas composições eu não mostro para ninguém (risos). No caso desta, de 1976, fiz a melodia e um esboço da letra, que era uma resposta a Proposta (de Roberto). Depois entreguei ao Hermínio para ele resolver alguns trechos da letra e só agora tive coragem para gravar”, conta.

Garota de Brotas
Radicada no Rio de Janeiro desde a década de 70, Simone não perdeu o jeito baiano de ser, algo que ela carrega até na pronúncia aberta das vogais das letras que interpreta. “Nasci na Rua Castro Neves, 51-B, em Brotas. Subindo a Ladeira dos Galés, você entra à esquerda (risos). Eu estudava no Colégio Ipiranga, de lá subia para a Praça Castro Alves e, às vezes, ia para o Politeama e para Itapagipe com minha tia. Depois me mudei para a Ribeira, onde eu atravessava a rua e mergulhava no mar. Uma delícia. Ah!, e também morei no Farol da Barra”.

Em 1966, a vida da adolescente Simone sofreu uma reviravolta geográfica: ela saiu direto do Farol da Barra paramorar em São Caetano do Sul, no interior de São Paulo. “Meu pai mudou e foi abrir uma firma da Caterpillar na cidade. Foi um choque a mudança”, lembra a cantora.

Basquetebol
Em São Paulo, Simone deu vazão total ao seu gosto pelos esportes: “Em Salvador, eu já era rainha dos esportes (risos). Frequentava a Associação Atlética da Bahia, a Fonte Nova... Em São Paulo, acabei sendo convocada duas vezes para a Seleção Brasileira de Basquete. Aprendi muita coisa para usar na vida, o esporte trabalha sua relação com o grupo e lhe ensina a ter disciplina”.


Simone, aos 22 anos, na Seleção Brasileira de Basquetebol

Uma torção no pé fez o basquete brasileiro perder uma atleta e a MPB ganhar uma estrela. A partir de contatos feitos pela sua amiga e professora de violão Elodir Barontini, Simone foi convidada a fazer um teste na gravadora Odeon.

O primeiro e homônimo disco, gravado em outubro de 1972, foi lançado no dia 20 de março de 1973. No mesmo ano, apadrinhada por Hermínio Bello de Carvalho, Simone já cantava na tradicional casa de espetáculos Olympia de Paris, na França. Quatro anos depois, conseguia o reconhecimento do público e da crítica brasileira com o show Face a face, dirigido por Antonio Bivar.

Rainha de Guarajuba
Nesta quinta-feira (8), Simone apresenta no Teatro Castro Alves, às 21h, o seu novo espetáculo: Em boa companhia. Dirigida por José Possi Neto, ela interpreta canções do novo álbum e sucessos antigos como Tô que tô (Kleiton & Kledir), Face a face (Sueli Costa/ Cacaso) e Certas coisas (Lulu Santos).

Curiosamente, há 20 anos que a artista não faz show no palco maior do principal teatro de sua cidade. “O show que fiz com Zélia Duncan (Amigo é casa), em 2008, na Concha Acústica era para ter sido no TCA, mas acabou não acontecendo. Realmente não sei por que passei tanto tempo sem cantar no TCA”.

Será que, em plena turnê, Simone encontrará um tempinho para ir a Guarajuba? “De vez em quando, na moita, eu me mando para aí. Menino, eu sou a rainha de Guarabuja (risos). Além disso, tenho irmãs e parentes aí. Já sou tia-bisavó”.

Serviço
Show
Em boa companhia 
Artista Simone 
Direção José Possi Neto 
Quando Hoje (8), 21h 
Onde Teatro Castro Alves 
Preço filas A/Z (R$140/ R$70), X/Z9 (R$ 120/ R$ 60) e Z10/Z11 (R$20/ R$10)

(Notícia publicada na edição impressa do dia 08/10/2009 do CORREIO)

***

Em tempos de coronavírus e desinformação, o CORREIO continua produzindo diariamente informação responsável e apurada pela nossa redação que escreve, edita e entrega notícias nas quais você pode confiar. Assim como o de tantos outros profissionais ligados a atividades essenciais, nosso trabalho tem sido maior do que nunca. Colabore para que nossa equipe de jornalistas seja mantida para entregar a você e todos os baianos conteúdo profissional. Assine o jornal.


Relacionadas