Operação Polêmica: polícia prende 15º suspeito de facção baiana com R$ 10 mil

salvador
10.08.2018, 14:26:00
Atualizado: 10.08.2018, 14:51:53
Presos durante a apresentação no Draco (Foto: Evandro Veiga/ CORREIO)

Operação Polêmica: polícia prende 15º suspeito de facção baiana com R$ 10 mil

Foram expedidos 22 mandados de prisão na Bahia e no Rio

A Polícia Civil informou o nome de mais um preso na megaoperação Polêmica, uma ação conjunta das polícias Civil e Militar, deflagrada no início da manhã desta quinta-feira (9), na Bahia e no Rio de Janeiro. Jacson dos Santos Costa, 31 anos, foi preso junto com outros homens, mas não teve o nome divulgado ontem porque estava sendo ouvido quando aconteceu a apresentação dos outros suspeitos.

Material encontrado na casa em Lauro de Freitas (Foto: Divulgação SSP)

Jacson estava no Parque Bela Vista, em Brotas, quando foi surpreendido pelos policiais que foram cumprir um mandado de prisão preventiva contra ele. O homem estava com mais de R$ 10 mil quando foi preso e é suspeito de envolvimento com o tráfico de drogas.

Ao todo, de 22 mandados de prisão expedidos pela Justiça, a polícia prendeu 14 pessoas e apreendeu um adolescente. Um suspeito resistiu e morreu durante a operação. Além disso, seis armas foram apreendidas.

Leia mais: Traficante dono de mansões e carros de luxo seria elo entre BDM e Rio de Janeiro

Pistola encontrada pelos investigadores (Foto: Divulgação SSP)

Um dos presos, Filipe Souza Queiroz, 28, contou para os policiais onde ficava a casa usada para armazenar drogas e armas da quadrilha. Ele levou equipes do Departamento de Repressão e Combate ao Crime Organizado (Draco) até um imóvel, na praia de Ipitanga, em Lauro de Freitas.

No local os investigadores encontraram uma pistola calibre 380, carregador, munições, sacos com comprimidos de ecstasy, porções de haxixe, balança, entre outros materiais. Diligências continuam sendo realizadas em Salvador e Região Metropolitana.

Dinheiro apreendido com a quadrilha (Foto: Evandro Veiga/ CORREIO)

Operação
Batizada de Polêmica, a operação é resultado de uma investigação que durou um ano e meio, segundo a Secretaria de Segurança Pública (SSP), e foi realizada pelo Draco e pela Superintendência de Inteligência da pasta.

O grupo criminoso era liderado por Alex de Jesus da Hora, conhecido como Argentino, 27, morto em confronto com a PM no último dia 22 na cidade de Serra Dourada, Oeste baiano, onde ele e outros criminosos explodiram agências bancárias. A suspeita da polícia é de que a quadrilha é responsável por crimes como tráfico de drogas, homicídios e assaltos a bancos.

Armas e munições também foram encontradas com os presos (Foto: Evandro Veiga/ CORREIO)

Mais de 200 policiais civis e militares cumpriram mandados de prisão e busca em Salvador, Cruz das Almas e Rio de Janeiro.

Com mandados de prisão foram detidos Átila Santos Cortes, 35, Breno Tiago Santos de Jesus, 25, William Couto Neves, 24, Estanislau do Vale Costa, 32, Jorge Luís Dias Muniz, 26, Rodrigo Santos Lima, 27, Bruno Estean Almeida de Oliveira, 32, e Ana Mary Euzébio de Argolo, 46.

Em flagrante foram presos Caio Oliveira Santos, 23, Filipe Souza Queiroz, 28, Israel de Jesus Santos Filho, 26, e Igor da Silva Azevedo, 22.

Foram expedidos 22 mandados de prisão (Foto: Evandro Veiga/ CORREIO)

Durante a operação, um adolescente também foi apreendido em flagrante com o quarteto. Com o grupo, a polícia apreendeu R$ 3,2 mil em espécie, uma pistola calibre 40, uma pistola calibre 380, três revólveres calibres 44 e 34, munições, além de seis veículos modelos BMW, Sportage, Tucson, Fox, Gol e Honda City além de uma motocicleta.

Já William Argolo Campo, o Sky, 20, foi morto em confronto, segundo a SSP. Havia um mandado de prisão contra ele.

Quadrilha atuava em Salvador e no interior da Bahia (Foto: Evandro Veiga/ CORREIO)

Ainda de acordo com a SSP, a última atividade desta quadrilha foi registrada em Serra Dourada, em julho deste ano, quando os bandidos explodiram duas agências bancárias e fugiram logo em seguida.

Menos de uma semana depois do crime, os integrantes do bando foram mortos em um confronto com a polícia, na zona rural do mesmo município. Além de Argentino, foram mortos o paraibano Samuel de Oliveira Aguiar, 30, o baiano Genilson Gomes de Jesus dos Anjos, 34, o paulista Washington Batista do Nascimento, 33, e outro assaltante não identificado.