Temer leva embaixadores a rodízio de carne bovina importada

brasil
20.03.2017, 06:58:00
Atualizado: 20.03.2017, 07:14:46

Temer leva embaixadores a rodízio de carne bovina importada

Planalto tenta minimizar impacto da operação Carne Fraca da PF, que aponta irregularidades na venda de carnes
Foto: Rreprodução/Twitter

Em um gesto político para tentar minimizar os efeitos negativos da Operação Carne Fraca, o presidente Michel Temer jantou neste domingo (19), em uma churrascaria de Brasília acompanhado de ministros, embaixadores e representantes de 27 países. 

Logo após Temer anunciar que iria à churrascaria, no fim da tarde, a Coluna do Estadão telefonou duas vezes para o restaurante Steak Bull, quando foi informada pelo gerente Rodrigo Carvalho, em conversa gravada, que o estabelecimento só servia carne bovina importada. Nas duas ligações, ele garantiu que o restaurante "só trabalha com corte europeu, australiano e uruguaio". E disse: "Pode vir tranquilo, que a gente mostra a câmara fria e o açougue". Para complementar, o gerente emendou: "A gente não trabalha com carne brasileira". Rodrigo explicou que algumas marcas perderam a qualidade.

Durante o jantar, a reportagem conversou com outros dois funcionários, que informaram que as carnes bovinas servidas na churrascaria eram importadas da Argentina, Uruguai e Austrália. Também declararam que somente as carnes suínas e de frango servidas no local eram nacionais. Frequentadores do restaurante também disseram ao Estado que foram informados que a casa só trabalha com carne importada.

Entretanto, após a publicação da matéria no portal do Estado, o Palácio do Planalto distribuiu nota em que diz que "todas carnes servidas, neste domingo, ao presidente Michel Temer e aos embaixadores convidados para jantar na churrascaria Steak Bull foram de origem brasileira".

Voltou atrás
Após a nota do Planalto, o gerente da churrascaria, Paulo Godoi, ligou para a reportagem para dizer que o restaurante também trabalha com carne bovina brasileira das marcas Minerva, Marfrig e JBS, investigada pela Operação Carne Fraca. Segundo ele, somente a picanha servida é australiana. Apesar disso, afirmou que, excepcionalmente, a picanha servida a Temer, neste domingo, era nacional, da marca Minerva. O gerente não soube explicar o porquê de vários funcionários terem dito à reportagem mais cedo que todas as carnes bovinas eram importadas.

Temer e a comitiva participaram de um rodízio. O Palácio do Planalto reservou uma mesa para 80 pessoas. O preço do rodízio por pessoa foi de R$ 119. O valor incluía carnes, um bufê de saladas, acompanhamentos e sushi. A bebida foi cobrada à parte. Temer comeu carne bovina e frango, queijo coalho assado, acompanhado de caipirinha brasileira. Na mesa, também foi servido vinho tinto nacional da vinícola Casa Valduga, de Bento Gonçalves (RS). O Planalto informou que pagou parte da conta, mas não informou o valor total.

Temer estava no centro da mesa, ladeado pelos embaixadores da China e de Angola no Brasil. Entre os ministros estavam Moreira Franco (Secretaria-Geral da Presidência), Blairo Maggi (Agricultura), Marcos Pereira (Indústria, Comércio Exterior). O ministro das Relações Exteriores, Aloysio Nunes, não estava presente. O presidente passou cerca de uma hora no local. No final, tirou foto com os garçons que o serviram.


***

Em tempos de coronavírus e desinformação, o CORREIO continua produzindo diariamente informação responsável e apurada pela nossa redação que escreve, edita e entrega notícias nas quais você pode confiar. Assim como o de tantos outros profissionais ligados a atividades essenciais, nosso trabalho tem sido maior do que nunca. Colabore para que nossa equipe de jornalistas seja mantida para entregar a você e todos os baianos conteúdo profissional. Assine o jornal.


Relacionadas