'Tenho um apreço diferente pela Bahia', diz Vanessa da Mata

entretenimento
31.05.2019, 06:00:00
(Foto: Rodolfo Magalhães/Divulgação)

'Tenho um apreço diferente pela Bahia', diz Vanessa da Mata

Cantora escolheu o TCA para a estreia nacional da turnê do novo disco, lançado na madrugada de hoje; show acontece neste sábado (1º)

Nem era favorável se apresentar em Salvador, reconhece a cantora mato-grossense Vanessa da Mata, 43 anos, mas a logística não conseguiu atrapalhar sua vontade de fazer a estreia nacional do novo disco no Teatro Castro Alves, neste sábado (1º), às 21h. Os motivos são vários: vai da acústica do espaço, ao “trato que os baianos têm com a gente”, “o clima daí”, passando pela memória afetiva, justifica a artista.

Vem daí a decisão de mostrar aos baianos, antes de todo mundo, o show de estreia do disco Quando Deixamos Nossos Beijos na Esquina, lançado na madrugada de hoje nas plataformas digitais. “O axé da Bahia é muito significativo pra mim, o contato com a magia e a natureza. Tenho uma avó baiana e um parentesco grande por parte de minha mãe, que é de Angical. Tenho um apreço diferente pela Bahia”, explica a cantora.

(Foto: Rodolfo Magalhães/Divulgação)

A aproximação com o estado não para por aí, afinal Vanessa convidou o rapper baiano Baco Exu do Blues para participar do disco que é o sétimo de estúdio e conta com produção da própria cantora, pela primeira vez na carreira. Juntos, eles cantam a percussiva e dançante Tenha Dó de Mim, música que contrasta a suavidade pop da artista com a intensidade sem pudor de Baco.

A letra deixa isso bem claro. Enquanto Vanessa canta frases como “Nessa sua beleza posso me perder/Tenha dó de mim/Por compaixão me dá um beijo”, Baco reafirma sua marca, sem papas na língua: “Entre suas pernas posso me perder/Tenha dó de mim/No meio da festa e dentro de você/Tenha dó de mim/Essa desgraçada sabe o que fazer/Tenha dó de mim/(...) Sua bunda mexendo é um brinde à vida”.

“O que canto é composição minha e o que ele canta é dele. Casou muito bem! Admiro o jeito que ele tem de conciliar molecagem com rap falando de coisa séria. Precisamos levar a vida com sarcasmo, humor, de maneira leve. Baco casou bem com a brasilidade que eu trouxe na música. É uma coisa bem baiana, com samba do Recôncavo, de um rincão brasileiro profundo”, compara a cantora.

Poético
Mesmo com a intensidade lasciva de Baco, o novo álbum de Vanessa é marcado pela suavidade romântica que é característica em sua carreira. Basta ligar o rádio para ouvir uma das poucas músicas liberadas antes do lançamento do disco, Só eu e Você, cuja letra anuncia que “Se for por seu carinho/Se for por seus beijinhos/Diga ao povo que fico/E mudo tudo”.

Fazendo referência ao “Dia do Fico”, quando o regente Dom Pedro desobedeceu a ordem da corte portuguesa e permaneceu no Brasil, a música é uma das que misturam assuntos amorosos e crítica social. A maternidade também aparece no álbum, na letra de O Mundo para Felipe, feita para um de seus filhos.

“Adotei três crianças, que chegaram em casa em um Dia das Mães. Fiz essa música pra um de meus filhos, que chegou já com oito anos e meio. Foi uma adoção tardia e a música fala dessa maturidade dele, que está com 18 anos, e de como me custa ficar longe dele”, revela Vanessa que, pela primeira vez, assina todas as composições.

Diante de letras “mais maduras, poéticas e claras”, em sua opinião, a cantora comemora o resultado do trabalho que é bem autoral. “Mais até que meu primeiro disco, que tinha duas composições que não eram minhas”, compara. Apesar disso, a artista reconhece que existem poucas compositoras mulheres na música brasileira.

“É consequência da postura masculina de uma sociedade em que a mulher não pode falar. Antes, os homens criavam as músicas para as mulheres, mas elas interepretavam aquilo que eles pensavam”, critica. “Comecei logo compondo muito e já ouvi que incentivo uma meninada a compor”, vibra.

Serviço
O quê: Show de estreia da turnê do disco Quando Deixamos Nossos Beijos na Esquina, de Vanessa da Mata
Onde: Teatro Castro Alves (Campo Grande | 4000-1139).
Quando: Sábado (1º), às 21h.
Ingresso: R$ 180 | R$ 90 (A a W), R$ 150 | R$ 75 (X a Z6) e R$ 120 | R$ 60 (Z7 a Z11).
Vendas: TCA, SAC dos shoppings Barra e Bela Vista e site Ingresso Rápido. Clube Correio: 20 % de desconto.

*Colaborou Roberto Midlej

***

Em tempos de coronavírus e desinformação, o CORREIO continua produzindo diariamente informação responsável e apurada pela nossa redação que escreve, edita e entrega notícias nas quais você pode confiar. Assim como o de tantos outros profissionais ligados a atividades essenciais, nosso trabalho tem sido maior do que nunca. Colabore para que nossa equipe de jornalistas seja mantida para entregar a você e todos os baianos conteúdo profissional. Assine o jornal.


Relacionadas