Tévez apoia corte de sálarios e diz que quer ajudar as pessoas

esportes
02.04.2020, 17:42:00
Atualizado: 02.04.2020, 18:12:16
Tévez sugeriu que jogadores ajudem as pessoas de La Boca, bairro onde fica a sede do Boca Juniors (Foto: AFP)

Tévez apoia corte de sálarios e diz que quer ajudar as pessoas

Camisa 10 do Boca afirmou que alguns jogadores podem ficar até um ano sem salários

Em momentos como o que vivemos, o jornalismo sério ganha ainda mais relevância. Precisamos um do outro para atravessar essa tempestade. Se puder, apoie nosso trabalho e assine o Jornal Correio por apenas R$ 5,94/mês.

Em meio aos acordos salariais que os clubes de futebol têm feito com os jogadores para reduzir os danos econômicos durante a paralisação do esporte por conta da pandemia do novo coronavírus, o atacante Carlos Tévez, do Boca Juniors, deu uma declaração forte. 

Em entrevista à América TV, o argenitno afirmou que atletas podem abrir mão dos seus vencimentos por até uma temporada. 

"Qualquer jogador pode viver seis meses ou um ano sem cobrar ou com salário mínimo. Não se pode comparar com gente que vive a cada dia que tem que sair às 6 horas da manhã e voltar às 19 horas da noite para comer no outro dia. Temos que ajudar e ir até os necessitados. É fácil falar da minha casa, sem sair dela, sabendo que tenho comida para meus filhos? Isso é o mais preocupante. Eu trato de estar com as pessoas do meu bairro", disse o jogador. 

Atual camisa 10 do Boca, Tévez ainda se colocou à disposição para ajudar o povo argentino. E ele afirmou que ficaria feliz em ser mais útil de forma de prática. 

"Me coloco à disposição do governo e do clube para ajudar. Não gosto de fantasiar sobre muitas coisas, porque quando se ajuda é do coração. Não é para estar em um vídeo. Eu me coloco à disposição do clube, mesmo que isso signifique entregar mercadorias em uma mesa, afirmou Carlitos, sugerindo até entregar comida no bairro La Boca.

"Em vez de ir para o treinamento pela manhã, pode ser obrigado a fazer coisas para as pessoas. Por exemplo, ir às cozinhas de sopa em La Boca. Eu ficaria feliz em ir. Eu sei que a minha família está bem. Estar com estas pessoas vai nos tornar muito mais fortes. É aí que começa o grande exemplo", afirmou o capitão do Boca.

***

Em tempos de coronavírus e desinformação, o CORREIO continua produzindo diariamente informação responsável e apurada pela nossa redação que escreve, edita e entrega notícias nas quais você pode confiar. Assim como o de tantos outros profissionais ligados a atividades essenciais, nosso trabalho tem sido maior do que nunca. Colabore para que nossa equipe de jornalistas seja mantida para entregar a você e todos os baianos conteúdo profissional. Assine o jornal.


Relacionadas