Tricampeão! Medina vence Filipe Toledo e fatura mundial de surfe

esportes
14.09.2021, 19:23:00
Atualizado: 14.09.2021, 20:07:05
Gabriel Medina faturou o tricampeonato do Circuito Mundial de Surfe (Pat Nolan/World Surf League)

Tricampeão! Medina vence Filipe Toledo e fatura mundial de surfe

Gabriel ganha duas vezes contra o conterrâneo e se torna o primeiro brasileiro com três títulos da WSL

Gabriel Medina é tricampeão mundial de surfe. O brasileiro venceu duas vezes o conterrâneo Filipe Toledo na decisão da WSL Finals, em Trestles, nos Estados Unidos, nesta terça-feira (14), e faturou seu terceiro título - repetindo os feitos de 2014 e 2018. Com isso, se torna o primeiro atleta do país com três taças da Liga Mundial de Surfe.

O paulista de Maresias também entra para um seleto grupo do esporte. Apenas seis surfistas têm ao menos o tricampeonato, incluindo o americano Tom Curren (vencedor em 1985/86, 1986/87 e 1990), o havaiano Andy Irons (2002, 2003 e 2004) e o australiano Mick Fanning (2007, 2009 e 2013).

Medina fica a um título de igualar Mark Richards, o segundo maior vencedor do Circuito Mundial. O australiano faturou os torneios de 1979, 1980, 1981 e 1982. Já o maior campeão da história é o norte-americano Kelly Slater, com 11 conquistas.

"Conquistei o meu maior objetivo no surfe. Estou chorando agora porque é um mix de emoções. Estou feliz, emocionado. Foi um ano longo, sabe? Os outros caras me incentivaram. Sou feliz de fazer parte de time (brasileiro). Eles me puxam e eu puxo o nível deles", comemorou.

No feminino, Tatiana Weston-Webb, número 2 do ranking e única representante do Brasil na WSL Finals, entrou direto nas semis e derrotou a australiana Sally Fitzgibbons (3ª). Na decisão, a gaúcha venceu primeira bateria na melhor de 3 sobre Carissa Moore, mas acabou sofrendo a virada. Com o resultado, a havaiana tirou a chance da dobradinha verde-amarelo e se sagrou pentacampeã mundial.

A final masculina
Líder do ranking masculino na temporada regular, Medina já entrou classificado para a decisão, e precisou esperar as outras eliminatórias. Até que conheceu seu adversário na decisão: Filipe Toledo, que eliminou o campeão mundial e olímpico Italo Ferreira na semifinal. 

Medina abriu a primeira bateria com uma nota 5, enquanto Toledo respondeu com um 7. Gabriel virou, mas viu o rival conseguir um 8,33 dos juízes. Gabriel então arrancou um 9 e manteve a ponta. Precisando de um 7,98 para virar, Toledo pegou mais uma onda faltando cinco minutos para o fim, mas ganhou um 7,37, pontuação insuficiente para bater Medina: 16,30 a 15,70.

A segunda bateria também começou com Filipinho na frente, conseguindo uma nota 7,83, contra 6,33 de Gabriel. Pouco depois, Medina respondeu com um 8,50.

Faltando 18 minutos para o fim, a etapa foi interrompida por causa de um tubarão que, de acordo com a organização, tinha cerca de 1,80m de comprimento. Durante a pausa, toda a área de competição foi vasculhada, para garantir que o animal já não estava mais no local.

Com o tubarão afastado, Medina encaminhou o título com um backflip, que lhe valeu a nota 9,01. Fim de bateria: 17,53 a 16,36.

"Não é todo dia que você realiza um sonho. Todo sonho parece impossível. Hoje é um dia especial pra mim. Eu tenho isso há muito tempo comigo. Tem que trabalhar duro. Não tem outro caminho. Tem muita paixão. Tem que deixar o surfe falar. Esse dia vai ficar pra sempre na minha vida. Tive que surfar muito pra conquistar", comemorou.

***

Em tempos de coronavírus e desinformação, o CORREIO continua produzindo diariamente informação responsável e apurada pela nossa redação que escreve, edita e entrega notícias nas quais você pode confiar. Assim como o de tantos outros profissionais ligados a atividades essenciais, nosso trabalho tem sido maior do que nunca. Colabore para que nossa equipe de jornalistas seja mantida para entregar a você e todos os baianos conteúdo profissional. Assine o jornal.


Relacionadas