Trilhas: na porta da Fábrica Brasil

trilhas
19.03.2016, 14:51:00
Atualizado: 19.03.2016, 14:54:42

Trilhas: na porta da Fábrica Brasil


Em momentos como o que vivemos, o jornalismo sério ganha ainda mais relevância. Precisamos um do outro para atravessar essa tempestade. Se puder, apoie nosso trabalho e assine o Jornal Correio por apenas R$ 5,94/mês.

Depois de ouvir os áudios da República Petista, sou obrigada a escrever pensando em que lugar a Família Da Silva, Lula e Marisa, me mandariam enfiar esse texto, se o lessem. Os áudios mostrados por Moro, didáticos, despem o espírito republicano que o partido se autoconfere, peça por peça, marketing por marketing, e expõe sindicalistas com intenções autoritárias na porta de uma fábrica, o Brasil, ocupada em 2003. Lula fala em mandar peões “dar porrada” nos “coxinhas”.

Marisa Letícia manda os paneleiros “enfiarem as panelas nos cus” em conversa maternal com o filho. Eduardo Paes pede a Lula que se livre de sua “alma de pobre”.  E todos, inclusive Dilma Rousseff, riem muito das piadas machistas de Lula, o “bacana”, o “acima de qualquer investigação”. “Eu sou o único que pode tocar fogo nesse país”, declara, enquanto as ruas se enchem de brasileiros contrariando esse poder ilimitado que ele, talvez, nunca teve, com números que o Brasil nunca viu.

Diante dessa exposição e de outras excrescências praticadas pelo PT no poder, de clientelismo e arrogância, os petistas que ainda existem, para além dos milhares contratados para ser petistas, gritam:

— Golpistas, golpistas. Não vai ter golpe!.
Diante de qualquer ato do Poder Judiciário para conter a barbárie executiva de Lula, Dilma et caterva, esses petistas gritam:
 — Golpistas, golpistas. Não vai ter golpe!.

Não haverá golpe, lógico. Golpe é uma ação distante do Brasil. Golpe é uma velharia do século 20 incabível no 21, velho como o populismo petista, esse que se arrasta, podre, envergonhando os brasileiros validos e tentando comprar os desvalidos.

O Brasil não precisa de força militar para reagir aos desvarios petistas. Precisa de um Poder Judiciário forte e inteligente, com estrelas como Sérgio Moro e outros determinados como ele. Num regime de exceção, os ditadores sempre atacam o Poder Judiciário depois que destituem o Executivo. É só conferir nos golpes militares praticados em 1964 e 1968. O Judiciário é o fiscalizador do cumprimento da Lei que os autoritários não toleram.

Se algum golpe existe contra o Brasil está sendo tramado contra sua economia, alquebrada, por um dos únicos projetos que Lula tem para o cargo demMinistro da Casa Civil. Lula pretende usar nossas últimas reservas para aumentar bolsas-família diante do desemprego galopante, das empresas falidas e dos milhares de pequenos negócios quebrados.

É tudo que o velho coronel desbocado consegue propor ao país que ele e seu partido desmontaram com mentiras, aparelhamento, corrupção e incompetência. Esse é o golpe que ameaça o Brasil, hoje, depois de treze anos e três meses de gestão petista que aumentaram a corrupção existente e atrasaram o país com o desprezo ao mérito em benefício do clientelismo.

O PT é um fracasso administrativo. Mais nada. É essa a única ameaça à democracia que existe agora. Se essa democracia estivesse conduzida por uma gestão honesta que combatesse a desigualdade com Educação, teríamos um Brasil invencível. Não temos. O Brasil está essa fábrica de fazer cocô descrita por Lula, produzido pela gestão petista.

***

Em tempos de coronavírus e desinformação, o CORREIO continua produzindo diariamente informação responsável e apurada pela nossa redação que escreve, edita e entrega notícias nas quais você pode confiar. Assim como o de tantos outros profissionais ligados a atividades essenciais, nosso trabalho tem sido maior do que nunca. Colabore para que nossa equipe de jornalistas seja mantida para entregar a você e todos os baianos conteúdo profissional. Assine o jornal.


Relacionadas