Trio Nordestino homenageia mestres do forró em novo álbum

variedades
13.06.2017, 07:00:00

Trio Nordestino homenageia mestres do forró em novo álbum

O trabalho conta com participações especias de Lucy Alves e Zeca Pagodinho


O Trio Nordestino  atualmente por Luiz Mário, Beto Sousa e Jonas Santana, que pertencem à família dos pioneiros (Foto: Divulgação)

 Em 2018, o trio de forró mais antigo do Brasil completará 60 anos. Para marcar as comemorações, o Trio Nordestino lança o álbum Trio Nordestino Canta o Nordeste, que homenageia  mestres como Luiz Gonzaga, Dominguinhos, João do Vale , Marinês,  Jackson do Pandeiro e Gordurinha.

O disco  conta com duas  participações especiais: de Zeca Pagodinho na interpretação de  Súplica Cearense, clássico de Gordurinha e Nelinho imortalizado por Gonzagão; e de  Lucy Alves em  Carcará, de João do Vale e José Cândido, a canção que apresentou Maria Bethânia ao Brasil.  

Lançado pela gravadora Biscoito Fino, o disco, que já está disponível nas principais plataformas digitais e nas lojas, conta com 14 canções, entre elas A Morte do Vaqueiro (Luiz Gonzaga e Nelson Barbalho), Mais Que um Amigo (Dominguinhos) e O Vendedor de Caranguejo (Gordurinha). 

Para o sanfoneiro Beto Sousa, a ideia foi fazer uma viagem pela vasta cultura nordestina com uma nova roupagem, homenageando aqueles nomes que antecederam o grupo na divulgação da cultura regional para o país. “Poucos sabem, mas Gordurinha foi o primeiro padrinho do Trio, possibilitando que o som ganhasse espaço no Sul e Sudeste”, conta, referindo-se ao cantor, compositor e humorista baiano.

O sanfoneiro ressalta  que, além do CD, a perspectiva é o lançamento de um DVD no próximo ano. “Estamos ainda assoberbados com o São João, mas assim que o período passar, vamos nos debruçar sobre esse projeto, pensando, inclusive, na agenda de shows”, pontua o músico que destaca que o forró e o Nordeste  vivem uma explosão de popularidade na Europa, mas que ainda falta muito no quesito valorização dentro do Brasil.

“Recentemente, participamos de festivais em Genebra, Milão e na França, assistindo aos europeus (e não apenas os brasileiros) cantarem nossas músicas e isso é muito emocionante”, pontua o músico, destacando que o repertório do Trio Nordestino atravessa várias gerações. 

Para quem não sabe, o grupo nasceu em Salvador há exatos 59 anos com Lindú (voz e sanfona), Coroné (zabumba) e Cobrinha (triângulo). Em sua terceira formação, o grupo é composto, além de Beto, que é afilhado de Lindú, por  Luiz Mário (filho de Lindú) no triângulo e voz e Jonas Santana na zabumba. “Brincamos aqui dizendo que, para deixar o Trio, só morrendo”, graceja, sobre a longevidade. Para ele, o respeito à cultura e às tradições são o segredo para se manter tanto tempo em atividade. 

Com um currículo que inclui  50 álbuns, o Trio Nordestino segue se apresentando em todo o Brasil durante o ano inteiro e em turnês internacionais, levando o forró autêntico e enaltecendo a cultura regional. “Prestes a completar seis décadas de carreira, o projeto coroa a nossa trajetória e ao mesmo tempo surge como uma renovação para tudo que está por vir”, destaca Coroneto, neto de Coroné, que integrou o grupo durante 11 anos como zabumbeiro e agora atua como empresário. 

Peleja baiana

O Trio Nordestino trabalhava na boate Clock, em Salvador, quando seus músicos conheceram Gordurinha. O músico os levou ao Rio para gravar um disco nas gravadoras Odeon e RCA. Apesar da recomendação, eles não foram aceitos e acabaram na Copacabana Discos, onde gravaram um álbum.

Enquanto buscavam o sucesso, participaram do programa O Trabalhador Se Diverte, da Rádio Mayrink Veiga, comandado por Raimundo Nobre. No local, se deparam com Luiz Gonzaga, mas o Rei do Baião não quis  ajudá-los. Só depois de muita insistência   de Gordurinha, o grupo  conseguiu apresentar a música Carta a Maceió, sucesso absoluto entre o público do auditório. 

A sorte do Trio passava a sorrir e o apresentador solicitou a Ângela Maria, que se apresentaria em seguida, para ceder metade do seu tempo para os três rapazes. Encantada com a apresentação, a cantora atendeu ao pedido e passou a ser madrinha do Trio Nordestino.

 O sucesso os fez gravar inúmeros discos e a sair em turnê com Luiz Gonzaga, que se recordou da negativa na rádio. Superado o ocorrido, passaram a ser parceiros e amigos. A música Procurando Tu, de Antônio Barros, gravada em 1970, foi o maior sucesso do Trio Nordestino, alavancando mais de um milhão de cópias vendidas e alçando-os ao sucesso. 

CD tem participações especiais de Lucy Alves e Zeca Pagodinho e faz homenagem aos mestres do forró


 

https://www.youtube.com/watch?v=VSiMOYrw75o

https://www.youtube.com/watch?v=AIu3sudy9CY

***

Em tempos de desinformação, o CORREIO continua produzindo diariamente informações nas quais você pode confiar. E para isso precisamos de uma equipe de colaboradores e jornalistas apurando os fatos e se dedicando a entregar conteúdo de qualidade e feito na Bahia. Já pensou que você além de se manter informado com conteúdo confiável, ainda pode apoiar o que é produzido pelo jornalismo profissional baiano? E melhor, custa muito pouco. Assine o jornal.


Relacionadas