Uefa pede à Fifa mudança na regra de mão na bola, diz agência

esportes
05.11.2020, 18:55:00
Atualizado: 05.11.2020, 18:55:42
Presidente da Uefa, Ceferin enviou carta à Fifa pedindo mudança na regra de mão na bola (Foto: Shutterstock/Reprodução)

Uefa pede à Fifa mudança na regra de mão na bola, diz agência

Segundo a The Associated Press, organização europeia pede que árbitros voltem a ter autonomia

Em momentos como o que vivemos, o jornalismo sério ganha ainda mais relevância. Precisamos um do outro para atravessar essa tempestade. Se puder, apoie nosso trabalho e assine o Jornal Correio por apenas R$ 5,94/mês.

A Uefa enviou um pedido à Fifa para que a regra de mão na bola seja alterada mais uma vez. Em carta assinada pelo presidente da organização europeia, Aleksander Ceferin, a solicitação é para que os árbitros tenham autonomia nos casos, evitando que os jogadores sejam punidos injustamente.

As informações são da agência The Associated Press, que teve acesso ao documento, enviado para o presidente da Fifa, Gianni Infantino. Nele, Ceferin pede que a entidade considere permitir que os juízes de campo voltem a determinar se um jogador agiu intencionalmente ou não. 

"A tentativa de definir estritamente os casos em que a mão na bola é uma infração resultou em muitas decisões injustas, que foram recebidas com frustração e desconforto pela comunidade do futebol", escreveu Ceferin.

A regra foi alterada em março do ano passado. O apelo do presidente da Uefa lembra pênaltis que foram marcados porque as bolas, mesmo que involuntariamente, atingiram os braços estendidos ou levantados dos atletas. E, ainda na visão do dirigente, faz com que gols legais sejam anulados por toques acidentais. 

A expectativa de Ceferin é que regra possa ser revista e modificada na reunião da International Football Association Board (IFAB), marcada para o início de 2021. O órgão é controlado pela Fifa e pelas quatro associações britânicas da Inglaterra, Escócia, País de Gales e Irlanda do Norte.

"Não há vergonha em admitir que, às vezes, as decisões que são feitas para o bem não atingem seus objetivos e devem ser revistas. Fazer isso certamente não prejudicaria os altos méritos e a credibilidade da IFAB".

***

Em tempos de coronavírus e desinformação, o CORREIO continua produzindo diariamente informação responsável e apurada pela nossa redação que escreve, edita e entrega notícias nas quais você pode confiar. Assim como o de tantos outros profissionais ligados a atividades essenciais, nosso trabalho tem sido maior do que nunca. Colabore para que nossa equipe de jornalistas seja mantida para entregar a você e todos os baianos conteúdo profissional. Assine o jornal.


Relacionadas