Unidos ao Haiti

artigo
31.08.2021, 05:54:00
Atualizado: 31.08.2021, 06:02:24

Unidos ao Haiti

O terremoto de magnitude 7,2, ocorrido dia 14 de agosto no Haiti, causou grande número de vítimas, com mais de dois mil mortos, inúmeras pessoas feridas, desaparecidas e famílias desabrigadas. O triste cenário da pandemia foi agravado muito com os rastros de destruição do terremoto. Contudo, o ritmo frenético de notícias a respeito de sucessivas tragédias no mundo globalizado pode levar ao seu rápido esquecimento, passada a comoção inicial, ou à indiferença. Ao desaparecer da mídia uma catástrofe vai desaparecendo dos olhos e do coração das pessoas, como se tivesse deixado de existir. 

A tragédia brutal que se abateu sobre o Haiti deveria comover, fazer pensar e agir de modo solidário, pois suas consequências continuam a causar sofrimento e morte. Nós formamos uma grande família que habita uma casa comum, como tem nos recordado o Papa Francisco, em diversas ocasiões. Não podemos ficar indiferentes diante da dor, do luto e da incerteza. Unidos ao Haiti, nos sentimos atingidos pelo terremoto. A nossa família é ferida de dor e de morte. Contudo, é preciso ir além da comoção, através de iniciativas pessoais e comunitárias para expressar a solidariedade.

 O quadro de dor e desolação já se encontrava presente antes, tendo sido agravado muito pelo terremoto e pela tempestade ocorrida poucos dias depois. Não se pode reduzir a explicação do atual quadro social haitiano aos fenômenos naturais ocorridos, pois isso não ajudaria a entender a presente situação e a traçar iniciativas justas e eficazes para a sua superação. As consequências de um fenômeno natural que se abate sobre a população, ainda que de proporções descomunais, como no Haiti, estão relacionadas à realidade social em que se vive. Por uma tragédia natural, pode-se não ter culpa. Por situações de miséria, corrupção e violência, é preciso assumir a responsabilidade. Elas estão espalhadas no mundo, agravando-se em casos de catástrofes naturais, das quais os pobres são sempre as maiores vítimas. A catástrofe natural revela a gravidade da crise social.

O momento deve ser de reflexão e de chamado à responsabilidade no socorro imediato às vítimas e perante o gigantesco desafio da reconstrução. O Haiti precisa ser reconstruído com a ajuda da Comunidade Internacional, desafiada à globalização da solidariedade. Mas são necessários também corações solidários e mãos estendidas, de modo espontâneo, pessoal e comunitário. Dentre os gestos de solidariedade em curso, empreendidos por diversas instituições, está a Campanha SOS Haiti lançada pela Cáritas Brasileira e CNBB. No socorro às vítimas e à reconstrução do país caribenho, a fé desempenha papel fundamental, iluminando e animando o caminhar dos haitianos e daqueles estão unidos a eles. A comunidade eclesial, mais uma vez, é chamada a testemunhar a fé em Cristo e o amor ao próximo através da solidariedade e da partilha. 

Dom Sergio da Rocha é  cardeal arcebispo de Salvador

***

Em tempos de coronavírus e desinformação, o CORREIO continua produzindo diariamente informação responsável e apurada pela nossa redação que escreve, edita e entrega notícias nas quais você pode confiar. Assim como o de tantos outros profissionais ligados a atividades essenciais, nosso trabalho tem sido maior do que nunca. Colabore para que nossa equipe de jornalistas seja mantida para entregar a você e todos os baianos conteúdo profissional. Assine o jornal.


Relacionadas