Uso correto de máscaras reduz chances de contaminação pelo coronavírus e não torna sangue ácido

coronavírus
24.06.2020, 21:50:00

Uso correto de máscaras reduz chances de contaminação pelo coronavírus e não torna sangue ácido

Especialistas negam a veracidade das afirmações feitas por um médico em vídeo que viralizou nas redes sociais

Em momentos como o que vivemos, o jornalismo sério ganha ainda mais relevância. Precisamos um do outro para atravessar essa tempestade. Se puder, apoie nosso trabalho e assine o Jornal Correio por apenas R$ 5,94/mês.

  • Conteúdo verificado: Vídeo gravado pelo médico João Vaz e compartilhado por diversos perfis no Facebook e no WhatsApp, com a legenda: “Médico diz para que serve a máscara!! Enfim, lucidez, inteligência e seriedade”.

São enganosas as afirmações feitas em vídeo pelo médico João Vaz, no qual ele diz que o uso prolongado da máscara não tem eficácia para combater a propagação do novo coronavírus. Segundo ele, a proteção “só tem uma serventia, não para nós, mas para o vírus”. Ainda de acordo com Vaz, isso ocorreria porque, ao inspirar o ar expirado na máscara, o corpo absorveria partículas de gás carbônico, o que tornaria o sangue mais ácido e “um meio propício ideal para o vírus”.

Segundo especialistas ouvidos pelo Comprova, Vaz está “completamente errado” e o que diz “é contra qualquer racionalidade”. Leonardo Weissmann, infectologista do Instituto de Infectologia Emílio Ribas e consultor da Sociedade Brasileira de Infectologia, afirmou que “o uso correto de máscaras, cobrindo nariz e boca, reduz a transmissão do vírus e não causa qualquer mal ao organismo”. Ele explicou que a máscara não causa, em nenhuma situação, o aumento de gás carbônico no sangue. “Os poros das máscaras, mesmo não sendo visíveis, permitem as trocas gasosas. O indivíduo que está protegido com máscara não vai inalar seu próprio gás carbônico.”

Em documento publicado no dia 5 de junho, a Organização Mundial da Saúde (OMS) lista potenciais malefícios decorrentes do uso prolongado da máscara pelo público em geral, mas não cita nenhuma desvantagem sobre a troca de gases comentada por João Vaz. Dificuldades respiratórias, lesões cutâneas e agravamento da acne estão entre os danos. No texto “Orientações Gerais – Máscaras faciais de uso não profissional”, divulgado em 3 de abril, a Agência Nacional de Vigilância Sanitária (Anvisa), agência ligada ao Ministério da Saúde, reforça que os equipamentos “não fornecem total proteção contra infecções, mas reduzem sua incidência” e recomenda o uso em locais públicos, como supermercado e farmácia.

Em entrevista ao Comprova, o médico afirmou: “É a minha opinião [o que ele diz no vídeo]”.. “Tenho 49 anos de profissão, doutorado na Alemanha, não estou para discutir com ninguém. Cada um que aprenda.” Questionado sobre a existência de estudos que comprovem suas afirmações, ele respondeu que tem “evidência pessoal com os 5.200 pacientes” que havia atendido até a data da conversa (23 de junho). Em maio, João Vaz já havia aparecido em uma verificação do Comprova que considerou suas afirmações enganosas. Dentre outras declarações, ele criticava o isolamento social e o uso de respiradores.

Como verificamos?
O passo inicial foi verificar se João Vaz é mesmo o homem que aparece no vídeo e se ele é, de fato, médico. Para isso, o Comprova fez uma busca no portal do Conselho Federal de Medicina (CFM) com o nome do médico e comparou a fotografia do cadastro com o vídeo. Em seguida, procuramos e encontramos as redes sociais do médico e confirmamos que eram a mesma pessoa.

Depois, o Comprova pesquisou sobre as diretrizes das autoridades de saúde sobre o uso de máscaras – se há qualquer contra-indicação relacionada à troca de gases na utilização prolongada. Encontramos, no site da Organização Mundial da Saúde (OMS), um documento sobre o uso de máscaras por profissionais da saúde e pelo público em geral. No site da Anvisa, também encontramos documentos online sobre o uso da proteção.

O Comprova também entrevistou médicos infectologistas para confirmar a veracidade da relação entre o uso da máscara, a inspiração de gás carbônico e a acidificação do sangue. Conversamos com Raquel Muarrek, infectologista da Rede D’Or, Leonardo Weissmann, consultor da Sociedade Brasileira de Infectologia e infectologista do Instituto de Infectologia Emílio Ribas, e Jamal Suleiman, infectologista também do Emílio Ribas.

Tentamos contato com Claudia Vegans, autora da postagem que mais viralizou no Facebook, mas não conseguimos falar com ela. Por último, conseguimos falar com o médico João Vaz pelo número de celular citado por ele no final do vídeo.

O Comprova fez esta verificação baseado em informações científicas e dados oficiais sobre o novo coronavírus e a covid-19 disponíveis no dia 24 de junho de 2020.

Verificação
O que dizem as autoridades?

O Comprova buscou no site da OMS o documento em que o órgão aborda o uso prolongado de máscara por profissionais da área da saúde e pelo público em geral. O texto, publicado no dia 5 de junho, cita as desvantagens da utilização, mas em nenhum momento há referência a troca de gases ou acidificação sanguínea. Como mencionamos, entre os danos citados estão dificuldades respiratórias, lesões cutâneas e agravamento da acne. Há 10 desvantagens listadas pela instituição – os últimos pontos são “dificuldade em comunicar com clareza, potencial desconforto e falsa sensação de segurança, o que pode levar a uma menor adesão a outras medidas preventivas essenciais, como o distanciamento físico e a higiene das mãos”.

No site da Anvisa, encontramos algumas publicações referentes a esta proteção. A postagem sobre o uso de máscaras não profissionais data do dia 3 de abril e afirma que elas “atuam como barreiras físicas, diminuindo a exposição e o risco de infecção para a população em geral”.

O que dizem os especialistas?
Jamal Suleiman, infectologista do Instituto de Infectologia Emílio Ribas, contou por telefone ter recebido o vídeo de alguns de seus pacientes, que perguntavam se as afirmações eram verdadeiras. Para o Comprova, ele escreveu que “a justificativa dele não faz o menor sentido. É contra qualquer racionalidade. A máscara concretamente reduz a chance de infecção”. O infectologista fez um levantamento no banco de arquivos científicos PubMed para ver se havia algum texto sobre o assunto, mas “obviamente, não tinha absolutamente nada falando disso”, conforme ele contou.

Também em entrevista por telefone, Raquel Muarrek, infectologista da Rede D’Or, afirmou, logo após assistir ao vídeo de Vaz, que “é fake”. “Esse negócio do gás carbônico não tem nada a ver, porque a respiração entra e sai [através da máscara]”, disse. De acordo com Muarrek, a proteção não retém as moléculas de gás carbônico nem o vírus. “O que ele falou é completamente errado”, completou.

Terceiro entrevistado nesta verificação, Leonardo Weissmann também é infectologista do Emílio Ribas e consultor da Sociedade Brasileira de Infectologia. Após assistir ao vídeo de João Vaz, ele foi enfático ao escrever: “O conteúdo deste vídeo é uma grande bobagem”. Ele explicou que o uso da máscara não torna o sangue ácido em nenhuma situação. De acordo com ele, a acidificação ocorre em pessoas que têm doenças pulmonares, independentemente da proteção.

Quem é o homem que aparece no vídeo?
O homem que aparece na filmagem, e se identifica como João Vaz, é João Carlos Luiz Vaz Marques Leziria. De acordo com o Conselho Federal de Medicina (CFM), ele é médico e sua inscrição junto ao CRM está em situação regular.

Em entrevista ao Comprova, contou ter nascido em Santos, no litoral paulista, ter 75 anos e ser “fã da hidroxicloroquina”.

Em maio, ele apareceu em outro vídeo classificado como enganoso pelo Comprova. Na gravação, ele defendia a cloroquina e criticava o isolamento social.

Vaz também foi candidato a deputado federal pelo PSDB nas eleições de 2014 e 2018, mas não foi eleito em nenhuma delas. Perguntado se vai se candidatar novamente, ele foi categórico ao dizer que não. “Chega, estou velho”, declarou.

Por que investigamos?
O Comprova investiga conteúdos suspeitos que viralizam nas redes sociais. Quando o material aborda assuntos relacionados à covid-19, a verificação se torna ainda mais importante, pois coloca a saúde das pessoas em risco. O vídeo checado pelo Comprova tinha mais de 572 mil visualizações no Facebook e mais de 38 mil compartilhamentos até o dia 24 de junho. A postagem no perfil pessoal no Facebook foi identificada e rotulada como informação falsa no dia 23 de junho, após verificação do site Aos Fatos, que afirmou não haver evidências de que o uso prolongado de máscaras torne o sangue ácido.

Ao dizer que a máscara deve ser usada apenas em situações específicas, como quando estamos próximos de alguém, João Vaz vai contra uma das poucas medidas eficientes já conhecidas contra o novo coronavírus, que matou mais de 52.645 pessoas no Brasil até o dia 24 de junho. Embora não haja menção política no vídeo, as afirmações de João sobre a “ineficiência” do uso prolongado da máscara segue o pensamento do presidente Jair Bolsonaro (sem partido). Com frequência, o chefe do executivo aparece sem a proteção em eventos;no dia 23 de junho, a Justiça determinou que ele passe a usar o equipamento, sob condição de ser multado em R$ 2 mil caso descumpra a decisão.

Conteúdos criticando o uso da máscara viralizam rapidamente e o Comprova já investigou outros casos, como o vídeo que afirmava, falsamente, que a proteção reduzia a imunidade.

Enganoso, para o Comprova, é o conteúdo que confunde, com ou sem a intenção deliberada de causar dano.

*Esta checagem foi postada originalmente pelo Projeto Comprova, uma coalizão formada por 29 veículos de mídia, incluindo o CORREIO, a fim de identificar e enfraquecer as sofisticadas técnicas de manipulação e disseminação de conteúdo enganoso que surgem em sites, aplicativos de mensagens e redes sociais. Esta investigação foi conduzida por jornalistas da Folha, SBT, piauí e Estadão, e validada, através do processo de crosscheck, por três veículos: Gazeta do Sul, BandNews FM e Jornal do Commércio.

***

Em tempos de coronavírus e desinformação, o CORREIO continua produzindo diariamente informação responsável e apurada pela nossa redação que escreve, edita e entrega notícias nas quais você pode confiar. Assim como o de tantos outros profissionais ligados a atividades essenciais, nosso trabalho tem sido maior do que nunca. Colabore para que nossa equipe de jornalistas seja mantida para entregar a você e todos os baianos conteúdo profissional. Assine o jornal.


Relacionadas