Vale do Dendê e Google aceleram startups locais; veja como

empregos
13.03.2021, 06:00:00
A Vale do Dendê seleciona empresas para o Black Founders Fund, voltado para afroempreendedores (shutterstock/reprodução)

Vale do Dendê e Google aceleram startups locais; veja como

Programa pretende incentivar o destaque de iniciativas nordestinas, idealizadas por afroempreendedores, no cenário nacional

Startups nordestinas podem se inscrever, até o próximo dia 17, no programa de aceleração promovido pela Vale do Dendê em parceria com a Google for Startups Brasil. São 12 vagas voltadas para afroempreendedores nordestinos, com foco em startups baianas, mas empresas de todos os estados do Nordeste podem se inscrever. 

No processo seletivo serão avaliados critérios como diversidade do time, impacto social, viabilidade do negócio e inovação da proposta enviada. As inscrições podem ser realizadas por meio do site da Vale do Dendê. O programa – que se inicia no dia 5 de abril e possui duração de 12 semanas - tem como objetivo estimular o desenvolvimento do ecossistema de inovação da Bahia e outros estados da região. 

Durante o período, as startups participam de sessões de mentorias, oficinas e lives com especialistas em tecnologia e outros empreendedores. De acordo com o cofundador da Vale do Dendê, Paulo Rogério Nunes, podem se inscrever startups dos mais diversos perfis, sejam fintechs, healthtechs, mediatechs, de comércio eletrônico. “Todas as empresas que tem uma base de tecnologia podem se inscrever nesse programa”, garante.

Paulo Rogério Nunes salienta que todas as empresas que tem uma base de tecnologia e são fundadas por afroempreendedores podem se inscrever no programa (Foto: Divulgação)

Nunes salienta que o programa trabalhará com três grandes linhas. “Uma é a parte de consultoria, em que colocaremos especialistas em tecnologia para identificar os problemas das startups e como melhorá-los”, explica, ressaltando que haverá também  facilitações, que são palestras, workshops, e encontros com profissionais de alto nível do mercado do Brasil e do exterior para que os participantes possam ter conhecimento técnico nas áreas de finança, marketing, produto, vendas. 

“Por último, vamos ter sessões de mentoria com empreendedores que já passaram por essa jornada de começar uma startup e conseguiram avançar, captaram investimentos e se conectaram a grandes corporações”, completa.

Startups baianas

Para o representante da Vale do Dendê há um crescimento no universo de startups da Bahia, especialmente nos últimos anos, com uma grande profusão de novas empresas entrando no mercado. “Temos alguns cases consolidados, como é o caso da Sanar, uma empresa de healthtech que é praticamente a líder do mercado hoje, além do Jusbrasil no mercado jurídico. Aqui também tem espaços públicos crescentes dessa área de inovação, além das nossas faculdades. A Bahia hoje é líder no Nordeste em números de startups”, esclarece.

Paulo Rogério, no entanto, salienta que esse meio encontra desafio significativos como a falta de visibilidade, acesso ao crédito e conexão. “Esse programa tem como objetivo conectar esses empreendedores e fazer com que eles possam potencialmente acessar investimentos seja dentro do ecossistema do Google, e com outros investidores e instituições que estão olhando para esse segmento com muita ênfase”, reforça.

O diretor do Google for Startups América Latina André Barrence pontua que, ao longo dos últimos anos, teve a oportunidade de trabalhar com algumas startups da Bahia nos programas de aceleração e crescimento, como por exemplo a Sanar e a TrazFavela, que participou do  programa Startup Zone no ano passado e, posteriormente, recebeu um investimento do Black Founders Fund. 

André Barrence destaca a criatividade e talento baianos como um dos grandes diferenciais para o Estado se posicionar como um ecossistema de inovação (Foto: Divulgação)

“Vejo a Bahia como um ecossistema com criatividade e talento para solucionar diversos problemas por meio do uso da tecnologia, mas os empreendedores baianos ainda precisam de visibilidade e apoio para o Estado se posicionar como um ecossistema de inovação relevante para o Nordeste e para o país”, afirma.

Perfil nordestino

André Barrence diz que o ecossistema de startups no Nordeste está em crescimento, com destaques para Recife, bem posicionado no cenário nacional, além outras cidades em processo de maturação, como Salvador e Maceió, buscando se posicionarem como comunidades fortes para seus empreendedores.

“Esse cenário, alinhado com a força criativa dos empreendedores da região, pode permitir que várias empresas expandam para além das fronteiras do seu estado”, acredita Barrence, citando a Trakto, de Alagoas, que participou do programa de Residência, e possui uma plataforma de produção de materiais de marketing digital. “A empresa se tornou não só uma referência para o setor na região, mas atua em todo o mercado nacional e há também a AOCA, uma produtora de games independentes, cujo principal lançamento, o jogo Arida, se passa no sertão e recebeu elogios inclusive no exterior”, destaca.

Paulo Rogério diz que, em termos gerais, o Nordeste também tem um crescimento muito grande. “Temos pólos consolidados e crescentes no Recife, com o Porto Digital, e no Ceará. Mas em outros estados também temos bons exemplos de startups, como a Handtalk, em Maceió. A gente entende que a nova onda de startups vai vir do Nordeste”, finaliza. 

***

Em tempos de coronavírus e desinformação, o CORREIO continua produzindo diariamente informação responsável e apurada pela nossa redação que escreve, edita e entrega notícias nas quais você pode confiar. Assim como o de tantos outros profissionais ligados a atividades essenciais, nosso trabalho tem sido maior do que nunca. Colabore para que nossa equipe de jornalistas seja mantida para entregar a você e todos os baianos conteúdo profissional. Assine o jornal.


Relacionadas