'Vou processar. Não pago mulher', diz motorista de conversível de barraco no RJ

em alta
27.09.2020, 12:12:00
Atualizado: 28.09.2020, 10:07:03

'Vou processar. Não pago mulher', diz motorista de conversível de barraco no RJ

Cena, que viralizou, mostra confusão envolvendo mulheres de biquíni

Em momentos como o que vivemos, o jornalismo sério ganha ainda mais relevância. Precisamos um do outro para atravessar essa tempestade. Se puder, apoie nosso trabalho e assine o Jornal Correio por apenas R$ 5,94/mês.

O engenheiro Wilton Vacari, que é um dos envolvidos na confusão de um vídeo que viralizou neste final de semana, também tem intenção de processar a arquiteta Aline Araújo.

Wilton estava dirigindo seu carro conversível em uma rua do Leblon, no Rio de Janeiro, com duas amigas de biquini. Aline então jogou um copo com água nas mulheres - uma delas desceu do carro e bateu na arquiteta. Depois, a arquiteta fez uma sequência de vídeos no Instagram afirmando que as duas eram "moças da vida" e que o motorista estaria "pagando as mulheres".

Wilton ficou revoltado com a situação e com os comentários da arquiteta. “Só pra constar, sou engenheiro da Petrobras concursado, não pago mulher, minhas amigas são mulheres que trabalham, e se sustentam, não banco ninguém porque não preciso disso. Os vídeos estão circulando nos meus grupos de trabalho e isso mancha minha imagem perante a minha empresa. Vou processar a arquiteta e o homem covarde que agrediu Sheila dentro do meu carro. Fui lesado. Até minha avó recebeu esses vídeos". diz ele, em entrevista ao colunista Leo Dias, do Metrópoles.

Leia também:
Barraco no Leblon: 'Bati com força e foi um tapa bem dado', diz mulher de biquín

Assim como Priscilla Dornelles, a segunda mulher do vídeo, que já afirmou que pretende processar a arquiteta, ele nega que estavam ocorrendo cenas obscenas no carro. Segundo ele, foram apenas beijos.

“Sempre ando de carro com a capota aberta com as minhas amigas, pra mim é uma coisa natural, quem é meu amigo ou me acompanha no Insta sabe que eu faço isso toda semana. Vim beijando uma, depois outra, depois elas se beijavam. Coisa mais que normal para sociedade de hoje em dia. Faço isso toda semana grande, jamais iria passar no Leblon, onde sou cria, fazendo cenas obscenas ou preliminares. Foi o que a menina achou de desculpa pra tentar aliviar um pouco o erro dela”, considera.

***

Em tempos de coronavírus e desinformação, o CORREIO continua produzindo diariamente informação responsável e apurada pela nossa redação que escreve, edita e entrega notícias nas quais você pode confiar. Assim como o de tantos outros profissionais ligados a atividades essenciais, nosso trabalho tem sido maior do que nunca. Colabore para que nossa equipe de jornalistas seja mantida para entregar a você e todos os baianos conteúdo profissional. Assine o jornal.


Relacionadas