POLÊMICA

Pablo Marçal responde a advogado que o processa cobrando R$ 51 milhões: 'ápice do fracassado'

Coach tinha feito desafio a quem encontrasse processos movidos por ele

  • Foto do(a) author(a) Estadão
  • Estadão

Publicado em 3 de maio de 2024 às 09:30

Pablo Marçal
Pablo Marçal Crédito: Reprodução

O empresário, coach e pré-candidato a prefeito de São Paulo pelo PRTB, Pablo Marçal, se manifestou nesta quinta-feira, 2, pela primeira vez, sobre processo movido pelo advogado César Santos Crisóstomo, que cobra R$ 51 milhões por ter encontrado ações movidas pelo coach entre 2022 e 2023. Em uma palestra, o empresário chamou a atitude de "ápice do fracassado".

"O Estadão está me procurando porque eu falei que nunca processei uma pessoa e continuo falando. E o cara (advogado) não me acionou na Justiça pedindo R$ 50 milhões? Pediu, porque ele achou um processo meu (o advogado apresentou 9 ações e um HC). O processo: CNPJ de campanha eleitoral. Não me deixaram entrar no debate e eu fui pedir o direto de ir pelo povo. O que acontece? O cara entrou na Justiça pedindo R$ 50 milhões para mim. Eu falo 'mano', o que um cara desse o que ele faz na vida? É o ápice do fracassado", disse Marçal. "O cara fica cinco anos na faculdade de direito para fazer uma atrocidade dessa."

Na última quarta-feira, 1º, o Estadão revelou que o advogado cearense entrou com ação contra Marçal pedindo R$ 51 milhões por uma promessa feita pelo empresário durante uma entrevista ao programa Pânico, da Jovem Pan, em março deste ano. Marçal disse, ao vivo, que pagaria US$ 1 milhão para a pessoa que encontrasse algum processo movido por ele "contra alguém" por "qualquer coisa".

Ao tratar do caso nesta quinta-feira, Marçal disse, ainda, que o "juiz, hoje, já falou 'onde você vai com essa conversa maluca sua?'". Ao contrário do que disse o empresário, a juíza (e não um juiz) da 2ª Vara Cível de Barueri, na Grande São Paulo, Daniela Nudeliman Guiguet Leal, apenas determinou o envio do caso para Santana do Parnaíba, onde mora Marçal, e pediu que o autor prove que precisa de fato de Justiça gratuita. Além disso, mandou excluir do polo da ação uma empresa de Marçal.

A discussão sobre a Justiça gratuita é relevante pois pode ter consequências em uma eventual condenação do autor a pagar honorários sucumbenciais caso perca a ação. Procurado, o advogado disse que vai se manifestar nos autos e apresentar documentação necessária.

Apesar de o coach atribuir os processos ao CNPJ de sua campanha, ele próprio aparece como representante em pelo menos uma das ações. Além disso, na promessa feita no programa Pânico, Marçal disse que poderiam também procurar pelas pessoas jurídicas relacionadas a ele: "Vamos fazer um desafio valendo US$ 1 milhão. Acha aí meu CPF e vê se eu processei alguém por conta de qualquer coisa. Ache um processo, eu processar... Meu amigo, ache um processo. Ache eu processando uma única pessoa", disse com relação às pessoas físicas. "Tem mais de 50 CNPJs, pode pegar, não existe processo. Rapaz, não tem como, eu que governo essa bodega, não aceito processar, não mexo com gente otária. A gente prospera tanto que não precisa ficar olhando para o lado, para gente otária", completou na ocasião.