Hospital Veterinário da UFBA fará plantão para tirar dúvidas sobre coronavírus

Iniciativa, via telefone, surgiu por causa do aumento de abandono de animais

Publicado em 11 de maio de 2020 às 17:24

- Atualizado há 10 meses

. Crédito: Foto: Divulgação

O Hospital de Medicina Veterinária da UFBA (Hospmev) terá, a partir desta segunda-feira (11), um plantão telefônico para tirar dúvidas sobre a relação dos animais de estimação com a covid-19. Apesar de ainda não existirem evidências de que bichos possam transmitir a doença, cães e gatos estão sendo abandonados pelas ruas de Salvador.

A ideia da iniciativa, então, é ajudar a levar informações sobre os pets e o coronavírus para as pessoas. Criada através dos programas de Residência em Medicina Veterinária da Escola de Medicina Veterinária e Zootecnia (Emevz) da UFBA, a Central de Atendimento funcionará de segunda a sexta-feira, das 8h às 16h, pelo telefone (71) 3283 -6736.

Com a participação de médicos veterinários residentes do Hospmev e seus preceptores, mestres e doutores, a  ação é coordenada pelo professor Rodrigo Bittencourt. Segundo ele, o abandono dos bichos não faz mal somente para eles, como pode acarretar em doenças para as pessoas também.

"Existe a questão do bem estar do animal.  Animais abandonados sofrem muito. E este ato é considerado maus tratos, considerado crime expresso no art 32 da Lei 9605/95. Depois, animais errantes se reproduzindo e se multiplicando na rua se tornam mais susceptíveis para contrair doenças infecciosas, muitas delas zoonoses, que podem ser transmitidas ao homem - como por exemplo, a leptospirose, leishmaniose, raiva e a esporotricose", explicou o professor, em nota.

A UFBA ainda divulgou um tira-dúvidas sobre os animais de estimação e o coronavírus, respondido por Rodrigo Bittencourt. Confira:

Os animais podem atuar como superfície contaminada? Imagine-se que uma pessoa com covid-19 espirra sobre uma mesa, outra pessoa toca a mesa e leva as mãos ao rosto. O mesmo acontece com os animais. Por isto a recomendação é que doentes devem manter distância dos seus animais. Há relatos de que gatos deram positivo para o covid-19 e que tigres adoeceram após contato com tratador com covid-19. Trabalhos científicos ainda estudam se os felinos e ferrets podem desenvolver a doença. Mas quero enfatizar: que não há nenhuma evidência técnico-científica de que os pets possam transmitir covid-19 ao homem.

Para onde levar esses animais abandonados nas ruas? Quem tem feito o resgate destes animais são ONGs e os voluntários do corpo de Bombeiros da Brigada K9. Estes animais são mantidos por ONGs. Há relato de que boa parte é de animais sadios que as pessoas abandonam por medo e degradação da situação econômica da família. As pessoas devem denunciar se alguém abandona o animal, porque é crime. E se identificarem um animal perdido, errante, tentar acionar alguma ONG de proteção animal ou a Brigada dos Bombeiros.

Qual são as dúvidas mais frequentes de quem procura o plantão da Central de Atendimento? As dúvidas mais constantes são as relacionadas à higiene dos PETs, especialmente após o passeio. Temos reforçado que o passeio pode ser feito, se necessário. Neste caso reduzir o tempo na rua, evitar que os animais rolem na grama e, especialmente, fazer a limpeza das patas ao retornar, usando produtos próprios para higiene animal ou um sabão neutro. Não usar álcool gel, pois pode causar irritação e lesões na pele. Outra pergunta recorrente é se realmente cães e gatos não podem transmitir a covid-19. Também enfatizamos a inexistência de evidência científica para isto.

Já existe uma vacina para o coronavírus animal? Existem vários coronavírus. O SARS- COV- 2 da covid-19 é mais um, que há pouco foi identificado. Os dos cães e gatos são outros, que nada tem a ver com este. Para o dos cães existe a vacina, de diferentes laboratórios, que é administrada nas clínicas veterinárias. Para o coronavírus dos felinos, no Brasil ainda não se vacina. As vacinas imunizam contra dez a doze doenças, muitas graves que levam a morte do animal, além da vacina isolada, que imuniza contra a raiva. Os animais abandonados e resgatados, as ONGs tentam fazer a vacinação de todos. Mas precisam de apoio financeiro. Custa caro. Então, quem puder, ajude alguma ONG de proteção animal, pois o custo de manutenção é elevadíssimo. Uma outra sugestão é ter um amigo fiel ao lado. Eles nos fazem muito bem. Isto sim é uma certeza. Basta procurar uma das ONGs em Salvador e fazer uma adoção responsável.

Uma recomendação final, professor? A recomendação geral é que cuidem com amor e carinho dos seus bichinhos. Eles não transmitem a covid-19. Não há motivo para pânico. Pelo contrário, as evidências científicas mostram que os PETs nos ajudam em momentos de estresse, são amigos fieis e só nos fazem bem. E se o tutor do animal ficar doente, com sinais gripais, testando positivo ou não para a covid-19, evite o contato físico com o animal. E no caso dos passeios, higienize as patinhas e o focinho, caso seja necessário.