Dramas femininos estão na pauta de Uma Mulher Fantástica

Longa vai fundo na questão do preconceito de gênero

Publicado em 7 de setembro de 2017 às 06:03

- Atualizado há 10 meses

Dirigido pelo chileno Sebastián Lelio (Glória/2013) e aclamado pela crítica, o drama Uma Mulher Fantástica vai fundo na questão do preconceito de gênero. Começa com um drama terrível: o namorado, 20 anos mais velho, infarta depois de uma noite de amor. A amante o leva  para emergência, onde ele morre e a família do defunto começa uma intensa campanha de difamação contra ela. Se fosse só por isso, Uma Mulher Fantástica já seria interessante. Até aí, a trama aborda duas dimensões violentas do preconceito contra a  mulher. Marina, cantora da noite, que deseja conquistar espaço no universo lírico, é uma mulher transgênero.

E por isso sofre uma carga muito mais pesada de agressões. Ao longo da história premiada com o Urso de Prata de Melhor Roteiro no Festival de Berlim, Marina é atacada, violentada e até sofre uma tentativa de assassinato. Para ela, que está acostumada com a violência e intolerância, o pior talvez seja não ter direito de enterrar seu morto. Aclamado no Cine Ceará deste ano, Uma Mulher Fantástica é protagonizado por Daniela Vega, ela própria atriz transgênero e cantora lírica. A ideia dos realizadores não é focar exatamente na violência contra os transgêneros, mas numa série de impasses que as minorias.

 “Não queríamos contar o drama de ser transgênero”, disse Maria Soledad, montadora do filme, no dia seguinte a sua estreia, em Fortaleza. “Queríamos contar a história de um ser humano. Por isso optamos por tirar Marina do universo da violência”, completou. Após a morte, a família de Orlando (Francisco Reyes) pede de volta o carro e o apartamento onde o casal morava. Ela não consegue ficar nem mesmo com a cachorra, Diabla. Soledad acredita que o longa trouxe à tona no conservador Chile o debate sobre transgêneros, país que engatinha agora rumo à aprovação da lei que permite o aborto em alguns casos.

Horários de exibição:

 Saladearte Cinema do Museu (leg)  16h50  Espaço Itaú Glauber Rocha 4 (leg)  13h30 | 18h | 20h10  Saladearte Cinema da Ufba (leg)  20h50  Saladearte Cine Paseo 2 (leg)  18h20