entretenimento

Missa, exposição e pocket show gratuitos marcam um ano sem Letieres Leite

Homenagem ao maestro será nesta quinta (27), na Igreja do Bonfim, com músicos do Instituto Rumpilezz; exposição acontece na Casa dos Romeiros

  • D
  • Da Redação

Publicado em 27 de outubro de 2022 às 08:00

 - Atualizado há um ano

. Crédito: @arjones/divulgação

Um ano sem aquele que da vida fez música: Letieres dos Santos Leite (1959-2021). O maestro ensinou que a música não morre, ela se propaga no tempo, no imaginário, por isso o Instituto Rumpilezz celebra seu querido mestre com a arte. Nesta quinta-feira (27), às 19h, será inaugurada a exposição Letieres: O Maestro que Virou Música, no Espaço Cultural Vila Criativa, no Largo do Bonfim, com instrumentos, objetos, composições e figurinos que aproximam o público da sua história.

Antes, às 17h, será celebrada a missa de um ano da passagem de Letieres na Basílica Santuário do Senhor do Bonfim, presidida pelo Pe. Edson Menezes, reitor da Basílica, e transmitida ao vivo pelo canal do YouTube Senhor do Bonfim. Para encerrar a homenagem, acontecerá um pocket show gratuito com músicos da Leiteres Leite & Orkestra Rumpilezz e do Coletivo Rumpilezzinho, às 19h30. (Entrada por ordem de chegada, mediante lotação dos espaços).

Com curadoria de Anne Rodrigues e Liris Letieres, além de produção de Edmilia Barros, Emílio Mwana e Simone Reis, a exposição ficará em cartaz até 13 de novembro. A visitação gratuita acontece de quarta a domingo, das 10h às 16h, para celebrar o legado e a força do maestro que criou o Universo Percussivo Baiano (método UPB), a Orkestra Rumpilezz, o projeto educacional Rumpilezzinho e o mergulho jazzístico do Letieres Leite e Quinteto.  Letieres Leite | Breve Histórico Criador e regente da Letieres Leite & Orkestra Rumpilezz desde 2006, o instrumentista, compositor e pesquisador tinha a bigband como cartão de visitas para aplicação do seu método, suas teses e pesquisas. Ao longo de mais de 30 anos de estudo, catalogou e sistematizou as bases conceituais para criação do método chamado por ele de Universo Percussivo Baiano (UPB). Comprometido com a música afro-baiana, revelou ao mundo os conhecimentos aprendidos pela música forjada nas ruas de Salvador e deu lugar de prestígio educacional e artístico a este saber.

Fundou, nos anos 2000, a AMBAH (Academia de Música da Bahia), em Salvador, e atuou como produtor e diretor musical de diversos projetos da música popular brasileira e mundial. Maria Bethânia, Lenine, Gilberto Gil, Toninho Horta, Paulinho Moura, Lulu Santos, Ivete Sangalo e Olodum foram alguns nomes nacionais, além do saxofonista norte-americano Joshua Redman, o trompetista Steven Berstein e o arranjador Arturo O’ Farril & AfroLatin Jazz Orchestra - algumas referências de artistas que fizeram parceria com o compositor.

SERVIÇO - Homenagem a Letieres Leite | quinta (27): 17h – Missa presidida pelo Pe. Edson Menezes, na Igreja do Bonfim / 19h – Abertura da exposição Letieres: O Maestro que Virou Música/ 19h30 – Pocket show com músicos da Leiteres Leite & Orkestra Rumpilezz e do Coletivo Rumpilezzinho | Exposição