Muzenza convida Chico César e Saulo para a Concha Negra

Projeto segue até fevereiro apresentando diversos blocos afro

Publicado em 25 de setembro de 2017 às 09:44

- Atualizado há 10 meses

. Crédito: Foto: Erivan Morais

Depois de estrear com os Filhos de Gandhy, o projeto Concha Negra será comandado, em sua segunda edição, pelo bloco afro Muzenza. O evento acontece no dia 8 de outubro (domingo), às 18h, na Concha Acústica do Teatro Castro Alves e terá como convidados os cantores Chico César e Saulo, além de abertura com desfile de moda de N Black e AfroBapho.

Até o mês de fevereiro, o projeto Concha Negra se compromete a fomentar a diversidade cultural da Bahia, dando visibilidade e acesso à música afro-baiana. Depois de Muzenza, completam a lista: Ilê Aiyê (19 de novembro), Cortejo Afro (17 de dezembro), Olodum (7 de janeiro) e Malê Debalê (4 de fevereiro). Além das apresentações principais, cada espetáculo terá a participação de pelo menos um convidado especial e também uma abertura. Cantor paraibano Chico César se apresenta ao lado do Muzenza na segunda edição do Concha Negra; Saulo também está confirmado (Foto: Marcos Hermes/ Divulgação) Vale salientar que o Concha Negra tem a direção musical de Letieres Leite, consultoria artística de Elísio Lopes Jr., e é realizado sempre aos domingos. Os ingressos custam R$ 30 (inteira) e R$ 15 (meia) e já estão à venda no site do Ingresso Rápido, na bilheteria do TCA ou nos SACs do Shopping Barra e do Shopping Bela Vista..

Sobre o Muzenza O Muzenza Grêmio Recreativo e Cultural surgiu no bairro da Liberdade, em 5 de maio de 1981, como um tributo a Bob Marley. A inspiração vem deste legado cultural afro-jamaicano e suas mensagens libertárias que invadiram o Brasil nos anos 1980, aproximando os afro-baianos desta realidade similar. Muzenza é um termo de origem bantu-kikongo, significa Yaô do Nagôs, nome dado aos iniciados no candomblé de linha de Angola. Os primeiros momentos do bloco revelaram um afro cantado, que busca emergir um mundo acessível e visível às comunidades carentes de Salvador e em defesa do povo negro. Traz uma mensagem libertária que, no carnaval, explode o reggae nas ruas com sua banda percussiva que varia em ritmos que fundem elementos do suingue afro-baiano ao reggae jamaicano, criando o samba-reggae. Na categoria de bloco afro, demonstra sua força enquanto entidade que preserva sua origem.

Conhecido nacional e internacionalmente pela sua arte, também teve algumas de suas músicas gravadas por renomados artistas como Daniela Mercury (Swing da Cor), Margareth Menezes (Povo Vem Ver), Carlinhos Brown (Rumpillé), Gilberto Gil e Gal Costa (Brilho e Beleza). Ultrapassando as fronteiras do carnaval e de movimentações culturais, o Muzenza desenvolve trabalhos socioeducativos em parceria com diversas instâncias, oferecendo oficinas de formação e profissionalização para jovens.

Serviço O QUÊ: Concha Negra – Muzenza com participação especial de Chico César e SauloQUANDO: 8 de outubro (domingo), 18hONDE: Concha Acústica do Teatro Castro AlvesQUANTO: R$ 30 (inteira) e R$ 15 (meia); à venda na bilheteria do TCA, no site Ingresso Rápido e nos SACs dos shoppings Barra e Bela Vista