CINEMA

Com Wagner Moura, 'Guerra Civil' impressiona por realismo

Ator baiano está em produção americana que mostra território americano sob ameaça, o que é raro de se ver no cinema

  • Foto do(a) author(a) Roberto Midlej
  • Roberto Midlej

Publicado em 18 de abril de 2024 às 06:00

Wagner Moura estrá no filme dirigido por Alex garland
Wagner Moura estrá no filme dirigido por Alex garland Crédito: divulgação

São raras as vezes em que vimos no cinema o território dos Estados Unidos sob ameaça de uma guerra contemporânea ou invasão estrangeira. A não ser, claro, quando falamos de um filme sobre alienígenas, porque aí, invariavelmente, os ETs pousam em terras americanas, como vimos em Independence Day (1996) e afins.

A paz americana também é abalada nos filmes de super-heróis, quando um vilão fictício quer dominar o mundo e começa querendo conquistar os EUA. Mas nesses dois casos, é óbvio, tudo não passa de fantasia e está muito longe de parecer minimamente verossímil.

Mas Guerra Civil, que estreia nesta quinta-feira (18) nos cinemas, chega para causar impacto, dando um tom bastante realista e verossímil à possibilidade de um conflito armado se desencadear em território americano. Com o baiano Wagner Moura entre os protagonistas, a produção de US$ 50 milhões conta uma história em um ambiente distópico, num futuro próximo, quando uma guerra civil se instaura nos Estados Unidos.

Em entrevista ao CORREIO, via Zoom, Wagner Moura concorda que o filme dirigido por Alex Garland foge da fórmula que costuma ser mostrada nas produções de guerra filmadas em Hollywood: "Foge totalmente! E o filme tem causado uma dissonância cognitiva nas plateias americanas, sobretudo porque nas imagens que os EUA produzem [na ficção e na realidade], estão sempre os países dos outros, como Afeganistão, Iraque e Vietnã".

O ator acrescenta que a possibilidade de uma guerra em território americano, como ocorre no filme, tem mexido com a cabeça da plateia dos EUA:

"Para os americanos, ver essas imagens em Washington [capital dos EUA, que sofre ataques no filme] os deixa perturbados. Perturba a cabeça deles e é isso é uma coisa muito boa: faz pensar no perigo que a gente tá vivendo hoje com essa polarização extrema, tanto lá como aqui"

Wagner Moura
ator

Wagner vive o jornalista Joel, que viaja pelos EUA em meio à guerra acompanhado de uma colega, a fotógrafa Lee (Kirsten Dunst). Juntos, eles registram a dimensão e a situação de um cenário violento que tomou as ruas em uma rápida escalada, envolvendo toda a nação. No entanto, o trabalho de registro se transforma em uma luta pela sobrevivência.

A julgar pelo desempenho nas bilheterias dos EUA neste final de semana, quando estreou, Wagner parece estar certo quando diz que o filme tem mexido com a plateia americana: a produção deve cair no gosto popular, já que foi o longa-metragem que levou mais gente aos cinemas entre sábado e domingo (dias 13 e 14), com uma arrecadação de US$ 25,7 milhões somada nos dois dias. Para se ter ideia, a cifra é superior àquela arrecadada por produções como Os Assassinos da Lua das Flores e Napoleão, ambas do ano passado.

Kirsten Durnst é uma foto jornalista, colega do personagem de Wagner
Kirsten Durnst é uma foto jornalista, colega do personagem de Wagner Crédito: divulgação

E há razões para isso: além de não ser mais um show de "patriotada" de Hollywood, o filme alia muito bem as ótimas cenas de ação e guerra a uma forte carga dramática e política, com uma complexidade que pouco costumamos ver nesse tipo de produção. Além disso, trata a questão da guerra sem maniqueísmos.

Mas Wagner acredita que Guerra Civil é, por incrível que pareça, um filme antiguerra: "Este é um filme claramente antiguerra e antipolarização . É um filme político, claro, mas que não tem uma agenda ideológica. Ele junta Califórnia com Texas para derrubar um governo despótico. E qualquer associação que a gente faça com qualquer personagem real da política - com Trump ou qualquer outro -, não seria justo com a natureza deste filme".

Para o ator baiano, o bom desempenho nas bilheterias tem explicação: "Sinceramente, não foi uma supresa [a arrecadação no fim de semana] porque este filme é o "cálice sagrado", é o que todo mundo quer: fazer um filme que tem algo para dizer, mas, ao mesmo tempo, é um filme que foi feito para ser um blockbuster, com todos os elementos de cinema de ação, muito bem feito, muito realista e a carga política do filme neste ano de eleição nos EUA deve atrair muita gente, sobretudo nos EUA".

Em cartaz: Glauber Rocha; UCI (Barra, Paralela e Shopping da Bahia); Cinemark (Salvador Shopping); Cineflix (Bela Vista); Cinépolis (Salvador Norte e Parque Shopping Bahia); Saladearte (Shopping Paseo)