REDESCOBERTA

Otaviano Costa estreia como protagonista em 'Vidente por Acidente'

Após inspiração em palestra, ator protagoniza filme que aborda questões profundas de vocação e propósito

  • Foto do(a) author(a) Estadão
  • Estadão

Publicado em 18 de abril de 2024 às 05:00

Otaviano Costa Estreia como Protagonista em 'Vidente por Acidente'
Otaviano Costa Estreia como Protagonista em 'Vidente por Acidente' Crédito: Divulgação

Otaviano Costa estava encerrando seu ciclo na TV Globo quando participou de uma palestra da antropóloga Mirian Goldenberg. Em certo momento, ela desenhou a letra "U" no meio da tela: os topos da letra, na mesma altura, eram os topos da vida, representando 15 anos e 75 anos. A base da letra é o "limbo" - os 45 anos. É quando a pessoa questiona os caminhos da vida e da profissão. "Que bom seria se Deus tocasse nos nossos ombros e dissesse nossa vocação", disse ela. Foi aí que nasceu a ideia de Vidente por Acidente.

O filme, que chega aos cinemas nesta quinta, 18, é um daqueles projetos da vida de Otaviano: ele não só teve a ideia de toda a história, a partir desse "clique" na palestra de Mirian, como também faz o primeiro protagonista de sua carreira - isso já contando novelas, filmes e seriados. "No começo, eu só queria que realizassem esse projeto, o que já seria sonho o suficiente colocado em prática", diz ele, em entrevista ao Estadão. "Quando fui chamado para ser protagonista do filme, foi muito emocionante. Fui surpreendido".

'Vocação na hora ou seu dinheiro de volta'

Na trama, Otaviano interpreta Ulisses - nome inspirado, claro, na tal letra "U" de Mirian Goldenberg. Ele é um arquiteto infeliz, trabalhando na empresa comandada pela própria mãe (Totia Meirelles), que se depara com uma trambiqueira (Katiuscia Canoro). Depois de ser furtado, ele acorda com um novo poder: descobrir a vocação das pessoas apenas pelo toque.

A partir daí, toda a sua vida vira de cabeça para baixo: ele passa a ter uma relação diferente com as pessoas ao seu redor, como a filha (Jamilly Mariano), e até alguns detratores, como um jornalista (Victor Lamoglia). "Aos 45 anos, na base do 'U', a pessoa faz perguntas sobre si mesmo. Sou feliz com o que eu faço, fiz o que desejava, sou feliz com minha profissão?", explica Otaviano, sobre a ideia. "Entendi que tinha alguma coisa genial naquilo lá".

Otaviano Costa vive seu primeiro protagonista sob a condução leve e divertida do diretor Rodrigo Van Der Put (que acabou de lançar outro filme, Dois é Demais em Orlando). É um novo momento

"Eu nunca tinha sido protagonista em nenhuma dramaturgia. Para mim, foi impactante e desafiador. Para quem já estava sem interpretar há um bom tempo, com uma carreira como apresentador, foi bem diferente. Precisei deixar meu lado de ator em segundo plano", explica o ator, sobre seus caminhos.

"O processo foi o tempo ideal para tirar a capa de apresentador e viver o Ulisses em sua plenitude. Estou apaixonado por ser ator de novo".

Uma nova busca

Além de retomar o desejo de trabalhar como ator, Otaviano também deixa claro como está satisfeito em tratar de um tema que lhe é caro. Ou seja, toda essa questão da vocação, da frustração de fazer o que não quer e reencontrar o que te move no mercado.

Conforme lembra Otaviano, o Brasil conta hoje com mais de 4 milhões de pessoas desalentadas em relação à vida, de acordo com dados do Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE). São pessoas que não acreditam mais no seu talento, não buscam seus sonhos, sem energia para virar a chave da vida - em um mundo sem um Ulisses.

"Isso me tocou profundamente quando vi que havia uma questão muito importante sobre vocação, sobre fazer o que ama, se está no caminho certo", diz Otaviano, emocionado. "É uma questão perene que se tornou mais importante com a pandemia. O filme promove essa fagulha de reflexão, que é fundamental para o ser humano alcançar a felicidade fazendo o que ama. Quando as pessoas fazem algo que não amam, essa bola pode ficar incontrolável e gerar outras situações que não a satisfaz totalmente, virando um burnout sem controle".

Agora, pensando em seus próprios caminhos, Otaviano não pensa duas vezes: o que ele mais quer é continuar com suas criações no cinema - e, quem sabe, outro protagonismo.

"Quando o Ulisses nasceu, já tinha o argumento de outros três longas que agora estão andando novamente - um de humor, dois de outros gêneros", diz ele. "Estou muito apaixonado pelo trabalho de ator e de criador. Adoro ter ideias e aí junto com roteiristas incríveis, desenvolvemos argumentos. É o que eu quero fazer a partir de agora".