Black Alien fala sobre novo disco: 'Estou sendo eu mesmo'

entretenimento
20.09.2019, 05:50:00

Black Alien fala sobre novo disco: 'Estou sendo eu mesmo'

Lançado em abril, Abaixo de Zero: Hello Hell é apresentado no Pelourinho neste sábado (21)

Black Alien está de volta a Salvador, dessa vez com o seu mais recente álbum, Abaixo de Zero: Hello Hell. Lançado em abril, o disco tem como ponto central a vitória diária do rapper carioca na luta contra as drogas e o álcool (ele está limpo desde 2014) e a recuperação da boa forma mental e física.

Em 2015, ele lançou a continuação de Babylon By Gus, cujo primeiro volume (O Ano do Macaco) havia sido lançado em 2004. Para batizar os trabalhos, Black Alien se inspirou em Babylon By Bus, segundo álbum ao vivo de Bob Marley & The Wailers, assim como em seu nome de batismo, Gustavo de Almeida Ribeiro - Gus.

Para voltar à boa forma lírica vista no álbum lançado há 15 anos, e que já é um dos mais icônicos do rap nacional, ele teve que ir além: começar tudo abaixo do zero, para comemorar as coisas mais simples. Por isso, o nome Abaixo de Zero: Hello Hell para batizar o novo disco, que ele apresenta neste sábado (21), na Praça das Artes, no Pelourinho. "Abaixo de Zero é o título de um livro que gosto muito, autor Brett Easton Ellis. Virou filme, e gerou uma ótima trilha sonora", explica.

(Foto: Reprodução)

Pôr o trabalho na rua foi um enorme desafio, que precisou de muitas coisas além da disciplina. "Disposição e organização. Planejamento. Coragem, boa vontade. Esforço contínuo. Respeito ao que eu acredito em termos de música e letra", complementa, sobre os nove meses entre a ideia e a gravação. A primeira composição nasceu em abril do ano passado; Carta pra Amy é uma das nove composições inéditas do disco. "Assim que gravei a guia, senti o poder", lembra o rapper, que se juntou ao produtor Papatinho na empreitada. "Nós sempre conversamos sobre música, mas a partir desse ponto isso se intensificou", destaca. A primeira vez que os dois tinham trabalhado juntos foi em 2012. Antes de Abaixo de Zero, os dois já tinham três parcerias.

Além de Black Alien, se apresentam na ocasião  Kainná Tawá e Makonnen Tafari, que fazem shows completos, e a banda Afrocidade. Também haverá discotecagem.  As apresentações começam a partir das 19h. Os ingressos custam R$ 50 (meia) e estão à venda no Sympla. 

Você lança no sábado, em Salvador, o Abaixo de Zero: Hello Hell, um disco que tem sido bem recebido pelo público e pela crítica. É um trabalho em que você fala de como luta diariamente com a dependência química, mas em que também fala de tantas outras lutas consigo próprio. Queria que comentasse o processo de compor e produzir o disco. Li uma entrevista em que você dizia que todo o trabalho foi um grande desafio...
O processo de escrever  o disco foi uma questão de disciplina. Disposição e organização. Planejamento. Coragem, boa vontade. Esforço contínuo. Respeito ao que eu acredito em termos de música e letra. 4 meses de organização, 1 de pré produção e mais 4 de composição e gravação. E a vida não para pra isso. Filhos, saúde, contas, negócios, tudo segue bombando. Foi mesmo um desafio.

A primeira composição foi em abril, mas só depois você sentou a vera pra compor mais coisas? Foi a chegada do Papatinho que deu esse impulso? Fala um pouco sobre a parceria de vocês!
A letra de Carta pra Amy foi escrita em abril do ano passado. Assim que gravei a guia, senti o poder. Visualizei o disco e fui correr atrás. Parcerias, apoios...Ao mesmo tempo já liguei para Papatinho, que topou na hora. Nós sempre conversamos sobre música, mas a partir desse ponto isso se intensificou. Assim que a parte interna de papelada se concretizou de fato, fui pro Rio escrever e gravar, já com alguns rascunhos, linhas, guias e ideias anotadas na pré-produção em SP. Trabalhei com Papatinho a primeira vez em 2012. No dia, nos demos bem na hora. Nem era o melhor dos ambientes, energia ruim, pesada, uma situação estranha com gente esquisita, mas eis que no meio disso tudo, nossa identificação foi imediata. A partir daí sempre estivemos em contato. Antes de Abaixo de Zero, já tínhamos três parcerias.

Falando nisso, o nome do álbum chegou em que momento? E muito bom! Fala um pouco sobre ele também.
Não lembro em que momento exatamente...”Abaixo de Zero” é o título de um livro que gosto muito, autor Brett Easton Ellis. Virou filme, e gerou uma ótima trilha sonora.

Queria saber também como é que você tem recebido esses elogios, da crítica e do público. Você é do  artistas que costuma ler o que dizem sobre o seu trabalho, que interage muito com os fãs pelas redes sociais? Como é a hora desse "retorno" para você?
Críticas ja estragaram meu dia. Mas isso tem tempo. Agora, nem tomo conhecimento, mesmo tendo conhecimento. Só uma questão de estado de espírito, e ciência do amor no que eu faço. Não posso controlar o que os outros pensam ou dizem. Só o que eu digo e penso, e isso já é trabalho suficiente, e o único que importa. Elogios eu agradeço, mas  sempre com a consciência de que não posso ficar flutuando em sua névoa. Sobre os fãs, interajo apenas com os que sabem chegar. Não tenho tempo nem paciência pra ignorante ou gente mal educada.

O disco é uma continuidade do que você veio construído nos seus trabalhos solos anteriores, rap conduzido com doses de soul, R&B, jazz, extra funk. Além disso, você sempre se olha de forma autocrítica, sem ditar regras ou impor moralismos. É assim que você quer seguir?
É mais uma questão de ser do que de querer. Eu apenas estou sendo eu mesmo, e real comigo mesmo também. 

Acho que tem um tempo que você não se apresenta por aqui - pela minha lembrança (e pesquisa) a última vez foi no Arena Sound System, na Arena Fonte Nova, em janeiro de 2018. Confirma? Qual a expectativa pra esse momento?
Sim, confirma. Estou tranquilo, e estou pronto. Sempre dou o meu melhor, e sábado não será diferente. Estou muito feliz de retornar à Salvador.


Show Black Alien – Abaixo de zero: Hello Hell Tour
Data: 21 de setembro (sábado)
Ingressos: R$ 50 (meia)
Local: Praça Das Artes
Abertura dos Portões: 18h
Classificação: 18 anos (de 14 a 17 somente acompanhado de um responsável legal)
Vendas: Site do Sympla e na loja @Freemodebr -  Rua João Gomes 87, Free Shop - Rio Vermelho; loja @Koadrado420 - Av. Dom João VI, 181 Galeria Marajá LJ10 - Brotas; e @NaveTattooStudio, Shopping Liberdade, LJ21 - Liberdade


Relacionadas
Correio.play
https://www.correio24horas.com.br/noticia/nid/estudante-acusado-de-racismo-tentou-usar-cota-para-entrar-na-ufrb/
Ele teve o pedido negado, mas tentou recurso para conseguir vaga
Ler Mais
https://www.correio24horas.com.br/noticia/nid/estudante-e-hostilizado-em-residencia-vamos-ver-com-quantos-paus-se-mata-um-racista/
Caso ocorreu na residência universitária onde morava o estudante que se recusou a receber prova de professora negra
Ler Mais
https://www.correio24horas.com.br/noticia/nid/papo-de-segunda-ganha-mais-uma-temporada-de-verao-gravada-em-salvador/
Porchat, Emicida, Francisco Bosco e João Vicente também gravaram episódios em Recife
Ler Mais
https://www.correio24horas.com.br/noticia/nid/dancarino-de-clipe-de-anitta-e-morto-no-rio-estarrecida/
Segundo moradores, ele foi assassinado por vingança após uma briga
Ler Mais
https://www.correio24horas.com.br/noticia/nid/aluno-da-ufrb-e-acusado-de-racismo-por-recusar-prova-de-docente-negra/
https://www.correio24horas.com.br/noticia/nid/morre-marie-fredriksson-vocalista-da-roxette/
Ela foi diagnosticada em 2002 com um tumor no cérebro
Ler Mais
https://www.correio24horas.com.br/noticia/nid/filme-sobre-geovane-morto-por-policiais-chega-ao-festival-do-rio/
Dirigido por Bernard Attal, documentário se baseia em caso revelado pelo CORREIO
Ler Mais
https://www.correio24horas.com.br/noticia/nid/harmonia-recebe-ludmilla-e-ferrugem-em-gravacao-de-dvd-no-wetn-wild/
Gravação acontece na estreia d'A Melhor Segunda Feira do Mundo, no dia 6 de janeiro
Ler Mais