Fotógrafa do Exército dos EUA registra a própria morte em explosão

mundo
03.05.2017, 20:30:00
Atualizado: 03.05.2017, 23:02:09

Fotógrafa do Exército dos EUA registra a própria morte em explosão

A explosão deixou ainda quatro soldados afegãos mortos

Em momentos como o que vivemos, o jornalismo sério ganha ainda mais relevância. Precisamos um do outro para atravessar essa tempestade. Se puder, apoie nosso trabalho e assine o Jornal Correio por apenas R$ 5,94/mês.

(Foto: Divulgação)

A fotógrafa do Exército Hilda Clayton registrou o momento da própria morte, há quase quatro anos, durante um disparo acidental de um morteiro no Afeganistão. A imagem foi divulgada nesta semana pelo Exército dos Estados Unidos.

Hilda, 22 anos, fez a foto em 2 de julho de 2013, durante um exercício de treinamento com bombas de verdade na província afegã de Langhman. Natural de Augusta, na Geórgia, ela fazia parte da 55th Signal Company, sediada em Fort Meade, Maryland. 

(Foto: Divulgação)

A explosão deixou ainda quatro soldados afegãos mortos - um deles era um fotojornalista com quem Hilda estava treinando. 

A fotografia foi divulgada na revista "Military Review", que destaca que a morte de Hilda simboliza como as mulheres do Exército estão cada vez mais expostas a situações de perigo tanto nos treinamentos quanto nos combates, assim como os homens.

(Foto: Divulgação)

***

Em tempos de coronavírus e desinformação, o CORREIO continua produzindo diariamente informação responsável e apurada pela nossa redação que escreve, edita e entrega notícias nas quais você pode confiar. Assim como o de tantos outros profissionais ligados a atividades essenciais, nosso trabalho tem sido maior do que nunca. Colabore para que nossa equipe de jornalistas seja mantida para entregar a você e todos os baianos conteúdo profissional. Assine o jornal.


Relacionadas