Mãe Stella será homenageada na Academia de Letras da Bahia

salvador
02.05.2019, 09:37:00
Atualizado: 02.05.2019, 12:41:08
(Foto: Arquivo CORREIO )

Mãe Stella será homenageada na Academia de Letras da Bahia

Homenagem hoje ocorre no dia em que comemoraria 94 anos se estivesse viva

Em momentos como o que vivemos, o jornalismo sério ganha ainda mais relevância. Precisamos um do outro para atravessar essa tempestade. Se puder, apoie nosso trabalho e assine o Jornal Correio por apenas R$ 5,94/mês.

Se estivese viva, nesta quinta-feira (2), Mãe Stella de Oxóssi completaria 94 anos. Nesse mesmo dia, às 18h, a ialorixá receberá uma homenagem na sede da Academia de Letras da Bahia, bairro de Nazaré, em Salvador. Na sessão especial, que será declarada a vacância da cadeira, a oradora será a também acadêmica Yeda Pessoa de Castro.

Desde 2013 na academia, Mãe Stella ocupou a cadeira 33, cujo patrono é o poeta Castro Alves (1847-1871) e teve como último ocupante o historiador Ubiratan Castro (1949- 2013), de quem era amiga. 

"Mãe Stella assumiu sua cadeira na academia numa quinta-feira [dia dedicado a Oxóssi, seu orixá] em que comemorava seu aniversário de ordenação do candomblé. Hoje, também numa quinta-feira, e no dia em que ela faria aniversário será homenageada. Não é coincidência. É coisa de orixá", diz o presidente da Sociedade Cruz Santa do Afonjá, responsável pela manutenção do terreiro Ilê Axé Opô Afonjá, Ribamar Daniel. Mãe Stella morreu em dezembro do ano passado.

De enfermeira a zeladora do axé
Mãe Stella de Oxóssi, Odé Kayodé, foi a quinta ialorixá a comandar o Terreiro Ilê Axé Opô Afonjá fundado em 1910 por Eugênia Anna dos Santos, Mãe Aninha. Ela nasceu Maria Stella de Azevedo Santos, em 2 de maio de 1925.

Enfermeira de formação e também escritora, publicou seu primeiro livro em 1988. Chamado E daí Aconteceu o Encanto, o livro foi escrito em parceria com Cléo Martins e traz histórias sobre as origens do Opô Afonjá e das primeiras ialorixás que comandaram a casa. 

Mãe Stella também é autora dos volumes Meu tempo é agora (1993); Òsósi - O caçador de alegrias (2006) que traz ìtans (narrativas míticas) de Oxóssi, seu orixá regente; Òwe-Provérbios (2007), uma coletânea de ditos em Iorubá e brasileiros acompanhados das interpretações da escritora; o infantil  Epé laiyé - terra viva (2009), que narra a história de uma árvore que ganha pernas; e Opinião (2012), reunião de crônicas selecionadas entre as que a ialorixá publicou na imprensa baiana.

***

Em tempos de coronavírus e desinformação, o CORREIO continua produzindo diariamente informação responsável e apurada pela nossa redação que escreve, edita e entrega notícias nas quais você pode confiar. Assim como o de tantos outros profissionais ligados a atividades essenciais, nosso trabalho tem sido maior do que nunca. Colabore para que nossa equipe de jornalistas seja mantida para entregar a você e todos os baianos conteúdo profissional. Assine o jornal.


Relacionadas