Para lembrar os primeiros momentos da Timbalada

entretenimento
02.10.2021, 06:00:00
Formação original da Timbalada (Acervo da Timbalada)

Para lembrar os primeiros momentos da Timbalada

Tudo começou no Candeal Pequeno sem asfalto, mas com muita animação

Desde o momento em que Carlinhos Brown anunciou a volta do vocalista Denny Denan à Timbalada, os comentários entre os timbaleiros nas redes sociais não cessaram. Muitas especulações a respeito de outra possível volta, a exemplo de Patrícia Gomes, integrante da primeira formação, que fez muito sucesso com Xexéu e Ninha.

Só para arrematar: também na primeira formação faziam parte Augusto Conceição, Alexandre Guedes e os saudosos Fia Luna e Pintado do Bongô, além de um grupo de percussionistas da melhor qualidade. 

A coletiva de apresentação de Denny, que fará a linha de frente ao lado de Buja (único remanescente da última formação que tinha Paula Sanffer e Rafa Chagas), também serviu para marcar o primeiro ensaio da Timba, dia 5 de dezembro, no Candyal Guetho Sqaure.

Claro que foi uma comoção. Os comentários entre os presentes eram de saudosismo. E com razão. Todo mundo sempre tem uma história para contar. Da música que marcou um Verão, à paquera, um amor que ficou para trás. Ninguém passou impune pela Timbalada desde seu primeiro estouro nacional com “Beija Flor”.

Quando surgiu nos anos 1990, a Timbalada “que sempre trouxe um axé pra você” atraiu multidões em apresentações históricas, transformando o então bairro do Candeal Pequeno numa espécie de point obrigatório aos domingos.

Era necessário ter que reservar ingresso com antecedência, tamanha a procura. Tanto de baianos quanto de turistas, que ficavam embevecidos com o rufar dos tambores, e principalmente com a possibilidade de pintar o corpo.

Só para lembrar, no início o Candeal era barro puro. Não tinha asfalto e nem passava carro como passa hoje. Mas mesmo assim a chamada classe média não deixava de “colocar o pé na lama” atrás de um som percussivo que mexia e ainda mexe com todos. Na verdade, os ensaios da Timbalada se transformavam numa festa de largo daquelas que o soteropolitano tanto gosta.

O Cacique Carlinhos Brown quando tudo começou (Acervo da Timbalada)

Se lá dentro o som agitava a plateia, do lado de fora quem não conseguia entrar fazia a festa com a mesma animação. A começar pelos vendedores ambulantes, oferecendo desde o inevitável churrasquinho de gato, o acarajé e o abará no tabuleiro da baiana e as bebidas: da tradicional cerveja aos drinques mais exóticos. E assim foi durante anos.

Mesmo com as mudanças na Timbalada, com as saídas de Xexéu, Ninha, Patrícia, a chegada de Amanda Santiago, Juju Gomes, Akira Takakura, Millane Hora, os ensaios prosseguiram no Guetho até migrarem para o Museu du Ritmo, na Cidade Baixa.

Em paralelo às festas, também no Candeal, a partir de 1994, Carlinhos Brown iniciou seu trabalho educativo através da fundação da Associação Pracatum. A Pracatum Escola de Música e Tecnologias já formou muitos músicos. A instituição desenvolve suas ações sustentadas tendo como pilares a Educação, Cultura e Desenvolvimento Comunitário.

Além disso, oferece cursos profissionalizantes para jovens e adultos. Até hoje exerce um papel fundamental no desenvolvimento da comunidade.

Todo esse agito com a volta de Denny Denan e, consequentemente, dos ensaios, tem tudo a ver com as comemorações dos 30 anos da Timbalada, quando uma série de eventos está sendo programada, desde a gravação de um DVD com a possível participação de todos os cantores que por lá passaram, além de convidados especiais.

***

Em tempos de coronavírus e desinformação, o CORREIO continua produzindo diariamente informação responsável e apurada pela nossa redação que escreve, edita e entrega notícias nas quais você pode confiar. Assim como o de tantos outros profissionais ligados a atividades essenciais, nosso trabalho tem sido maior do que nunca. Colabore para que nossa equipe de jornalistas seja mantida para entregar a você e todos os baianos conteúdo profissional. Assine o jornal.


Relacionadas