Ministro da Educação e Rui Costa discutem com secretários programa de educação para o Nordeste

Representantes das secretarias de educação do Nordeste pedem especificidades em Programa de Alfabetização na Idade Certa

Publicado em 27 de outubro de 2015 às 21:50

- Atualizado há 10 meses

Secretários de educação dos 9 estados do nordeste se reuniram na tarde desta terça-feira (27) na sede da governadoria, no Centro Administrativo da Bahia (CAB), com o governador Rui Costa e o ministro da Educação, Aloízio Mercadante, para apresentar os resultados do encontro dos representantes que aconteceu na manhã de hoje, na sede da Secretaria de Educação do Estado, e discutiu especificidades na implantação do Pacto pela Educação na Idade Certa da região Nordeste.Durante o encontro, os secretários solicitaram que o Ministério da Educação atendesse às necessidades específicas da região na implantação do Pacto, como a diversidade cultural, densidade demográfica, além de outras características. Segundo Mercadante, a região possui 30% de estudantes não alfabetizados na idade certa, número maior que a média nacional, que atualmente é de 25%. “Com as especificidades, será criado um único material didático, voltado apenas para a região e que será integralmente gerido pelas secretarias de cada estado com o suporte do ministério”, disse o ministro. O objetivo da implantação das especificidades no Pacto é reduzir a taxa de crianças não alfabetizadas na idade certa na região. Segundo o governador Rui Costa, a alfabetização dos alunos até os 8 anos de idade contribuirá para o bom desempenho dos alunos nas séries posteriores. “Os estados têm a obrigação de oferecer o ensino médio, mas, de pouco adianta ter um ensino médio feito com muita dedicação e esforço, se os alunos eventualmente chegam com baixa formação no português e na matemática. (...)Por isso é importante corrigir nas séries iniciais para que ele conclua o 8º ano de estudo com domínio pleno da leitura, do português, da matemática”, disse. De acordo com o secretário de Educação do estado da Bahia, Osvaldo Barreto, a produção de materiais específicos para a região nordeste ajudará na redução da taxa. “Vamos trabalhar no sentido de construir um projeto junto com o MEC focado no Nordeste. A ideia é que o MEC respeite essas especificidades. O próprio ministério se propôs a financiar a reprodução dos materiais didáticos produzidos pelos estados”, disse o secretário. Ainda durante a reunião, o governador falou sobre a criação de dois novos projetos que irão fornecer bolsa-auxílio a estudantes de baixa renda das universidades estaduais e programa de estágio para estudantes do ensino médio. “Vamos enviar para a assembleia dois programas: um que visa estimular a permanência no ensino médio, que o programas do primeiro emprego e do estágio. Serão 9 mil vagas, sendo 4.500 em 2016 e outras 4.500 em 2017. O segundo é uma bolsa de estudos para alunos de baixa renda que estão nas quatro universidades do estado. Dos 40 mil alunos da educação superior estadual, 9 mil são elegíveis do Cadúnico, são de famílias de baixa renda”, disse o governador.