Vizinhos dizem que suspeita de matar adolescente era uma pessoa calma

Ingrid Lima dos Santos, 15, foi esfaqueada no peito na porta de casa em Jardim Cajazeiras

Publicado em 21 de fevereiro de 2016 às 16:35

- Atualizado há 10 meses

A morte da adolescente Ingrid Lima dos Santos, 15 anos, deixou os moradores da Rua João Ramos de Jesus assustados e surpresos com o comportamento da suspeita de cometer o crime, a merendeira Aline Alves. “Ela era uma pessoa calma, tranquila, não esperava isso dela”, disse um morador, que preferiu o anonimato.

Segundo vizinhos, Aline era amiga da família. “Nasceu e cresceu todo mundo junto aqui. Aline estava bebendo, se não tivesse bebendo, ela não faria isso. Eu conheço ela, tenho certeza de que não faria isso”, disse um outro vizinho.

Testemunhas contaram que estava acontecendo uma festa na rua e algumas pessoas estavam bebendo, inclusive Aline. “Ela passou o dia amolando a faca e depois já desceu com ela na cintura. Certamente ela já sabia o que queria fazer. Ninguém ia pegar uma faca a toa”, disse um morador.

A dívida pelas capas de celular foi o estopim do crime, mas a mãe da vítima, Cristina Santos, e Aline já tinham brigas anteriores, de acordo com um conhecido da família. “A mãe dela (Ingrid) sempre foi de ficar provocando as pessoas e também provocou Aline. Ficou um tempão dando piada pra ela, dizendo que o marido dela era receptador”, contou o morador.

Em entrevista ao CORREIO, Cristina disse que não brigava com Aline, mas não tinha intimidade com merendeira. “Eu só não tinha aquela amizade toda, sabe? Quem era amiga era a minha irmã. Muito amiga dela. Ela já tinha saído com minha filha uma vez sem avisar e eu não gostei disso”, afirmou Cristina. A cuidadora contou ainda que já ficou com um tempo sem falar com Aline, mas não quis revelar o motivo. “Foi uma coisa boba. Nunca tinha acontecido nenhuma agressão, nada”, completou.

Após o crime, Aline fugiu e até o momento não foi encontrada. O caso será investigado pelo Departamento de Homicídios e Proteção à Pessoa (DHPP).