Fisioterapeuta brasileira que morreu em voo para o Japão teve embolia, dizem amigos

Flávia passou mal durante o voo e recebeu atendimento na aeronave

  • Foto do(a) author(a) Da Redação
  • Da Redação

Publicado em 14 de março de 2024 às 13:48

Flávia Rezende
Flávia Rezende Crédito: Reprodução

A fisioterapeuta brasileira Flávia Rezende, que morreu em um avião durante viagem para o Japão, vivia em Vitória e tinha 45 anos. Amigos dizem que a causa da morte, ainda não divulgada oficialmente, foi embolia pulmonar, segundo o Uol. Flávia passou mal durante o voo e recebeu atendimento na aeronave, mas não resistiu. 

A embolia pulmonar costuma ser causada por um coágulo de sangue endurecido, embora outras substâncias também possam formar êmbolos, que se desloca para o pulmão e pode bloquear uma artéria. Os sintomas de embolia pulmonar variam, mas incluem comumente a falta de ar. A depender do tamanho do coágulo, ele pode causar uma parada cardíaca, se tornando fatal. 

Algumas pessoas têm maior tendência a ter trombose, como as que vivem acamadas; obesas; pessoas que fazem reposição hormonal; idosos; quem teve covid-19 e ainda tem D-dímero elevado. Em casos de viagens longas, como a que Flávia estava, fica na mesma posição deixa o sangue lento, aumentando risco de trombose. A recomendação é se hidratar e buscar se mexer.

Ligada à família e religião

Flávia vivia na Ilha do Boi, em Vitória, com os pais. Ela não tinha filhos, nem era casada. A viagem para o Japão era para turismo e a fisioterapeuta seguia com uma prima. 

Viagens era um hobby da fisioterapeuta, que mantinha registro de fotos nos vários locais que visitou nas redes sociais.  Ela também era uma pessoa religiosa e era ministra da Paróquia de São Pedro, em Vitória.  "Flávia era ministra de Eucaristia da Paróquia São Pedro. Participava das celebrações e das missas, distribuía a sagrada comunhão, era atuante na comunidade", disse a igreja, segundo o G1.

Ela entrou na faculdade de Fisioterapia em 2001, numa faculdade privada em Vila Velha. O Conselho Regional de Fisioterapia Ocupacional (Crefito-ES) confirmou que ela estava inscrita no conselho e prestou sua solidariedade à família. 

A coordenadora do curso de Fisioterapia da universidade onde Flávia se formou disse que ela se tratava de uma "excelente pessoa e aluna". "Comprometida com a formação acadêmica e muito participativa. Dedicada, construiu uma carreira profissional exemplar. Lamento muito a perda", afirmou Patricia Caldeira.

O Ministério das Relações Exteriores disse que está à disposição para prestar a assistência consular cabível.