FEMINICÍDIO

Fisiculturista vira réu após morte de esposa espancada

Caso aconteceu em Aparecida de Goiânia, em Goiás

  • Foto do(a) author(a) Da Redação
  • Da Redação

Publicado em 30 de maio de 2024 às 14:26

Igor Porto e Marcela Luíse
Igor Porto e Marcela Luíse Crédito: Redes sociais

O fisiculturista Igor Porto se tornou réu nesta quinta-feira (30) por assassinar a esposa, Marcela Luíse, em Aparecida de Goiânia, na Região Metropolitana. Ela teve múltiplas fraturas pelo corpo e, após 10 dias internada, morreu por traumatismo craniano.

Segundo o G1, o advogado de Igor afirmou que não foi surpresa a Justiça ter acatado a denúncia, mas acredita na instrução criminal. A defesa ainda contou que vai mostrar que os fatos não ocorreram como foram narrados pela acusação.

A decisão foi acatada pela Justiça e apresentada pelo Ministério Público de Goiás (MP-GO). Na alegação, Igor teria cometido o crime por meio cruel, impossibilitando a defesa da vítima. Ainda na denúncia do MP, o fisiculturista agrediu a companheira por ela ser do sexo feminino, caracterizando feminicídio.

A defesa do suspeito terá 10 dias para oferecer documentos e justificações. Enquanto isso, Igor segue preso desde o último dia 17 de maio. No hospital, após o ocorrido, o fisiculturista alegou que a esposa tinha sofrido uma queda, no entanto, a delegada do caso, Bruna Coelho, alegou que as lesões apresentadas eram incompatíveis com a versão apresentada por Igor.

"As lesões são totalmente incompatíveis com uma queda da própria altura. O médico legista chegou a dizer que [as lesões] são compatíveis até mesmo com queda de grandes alturas ou até mesmo acidentes automobilísticos por conta da extensão", disse a delegada.