LITERATURA

Professor de português, Eleodoro lança primeiro livro aos 80 anos

Ele ensinou nos cursinhos de pré-vestibular por mais de 40 anos e agora debuta como escritor em livro que valoriza amizade, afeto e laços familiares

  • Foto do(a) author(a) Roberto Midlej
  • Roberto Midlej

Publicado em 22 de abril de 2024 às 06:00

Fernando Eleodoro com o seu livro
Fernando Eleodoro com o seu livro Crédito: Marina Silva

Quem fez pré-vestibular nos cursinhos mais disputados de Salvador entre os anos 1980 e 2010 tem grandes chances de ter sido aluno desta figura que é Fernando Eleodoro, professor de língua portuguesa que marcou algumas gerações. Basta perguntar a alguém que foi seu aluno, que, muito provavelmente, terá alguma história para contar ou vai se lembrar de algum caso divertido em sala de aula que ele tenha contado.

O jornalista que assina este texto, por exemplo, teve a sorte de ser aluno de Eleodoro por dois anos e se lembra bem de uma lição sobre o uso de crase há 30 anos, quando o professor disse algo mais ou menos assim: “Se você vai a uma festa e o convite não informa qual o traje adequado, melhor não ir de black-tie. É que, se todo mundo for com traje esporte, você vai ficar bem ridículo! Mas, se você for de esporte e todo mundo estiver de black-tie, não vai pegar tão mal”. E o que isso tem a ver com o uso da crase? Na dúvida, não a aplique. É que, se usá-la onde não existe, vai parecer esnobe. Mas, se não usá-la onde deveria ter usado, talvez nem percebam o erro.

Em suas aulas, Eleodoro, que hoje tem 80 anos, sempre tinha uma postura muito crítica às instituições. As críticas eram, por exemplo, às igrejas, aos políticos, ao capitalismo e ao trabalho. Por outro lado, valorizava as relações humanas, a solidariedade, a amizade, os amores… Então, quem foi seu aluno vai, inevitavelmente, lembrar de tudo isso quando estiver lendo Os Colares de Vó Docéu (Sendas Edições/ 340 págs/ R$ 65), primeiro romance publicado por ele.

O Livro

Como bem diz o jornalista Marcos Navarro no prefácio, o livro tem “cheiro de mato” e deve ser “degustado com calma, longe do tumulto digital do que se tornou a vida cotidiana”. Os Colares de Vó Docéu conta a história de duas famílias bem diferentes em suas origens que acabam se encontrando por causa de um casamento entre dois personagens de cada uma das famílias: Fátima e Vitorino.

Fátima é filha dos portugueses Alexandre e Docéu. O casal enriqueceu depois que Alexandre se tornou um grande empresário na Bahia. Por outro lado, Vitorino, filho de Zito e Sabina, é de origem muito simples, mas que, com esforço, conseguiu se formar em direito.

Fátima e Vitorino se conheceram na faculdade e, apesar de origens muito diferentes - em relação à situação econômica e também em relação ao caráter dos dois -, acabaram se apaixonando. Ou, talvez, nem fossem tão apaixonados assim, conforme alguns leitores desconfiarão ao ler o livro.

E, apesar de também serem muito diferentes um do outro, Alexandre e Zito - pais de Fátima e Vitorino - se tornam grandes amigos. Enquanto o primeiro é materialista e preocupado em acumular riqueza, o outro cultiva as relações humanas e as amizades, além de revelar uma grande preocupação social com os mais pobres.

Zito foi inspirado num taxista "de verdade" que tinha esse nome e eventualmente servia a Eleodoro: “Um dia, perguntei se ele tinha casa. Ele disse que tinha uma na Vasco da Gama, com dois quartinhos. E tinha uma outra perto de mim”, lembra-se o professor, que mora num condomínio em Lauro de Freitas.

Esperança

A surpresa veio em seguida, quando Eleodoro soube o fim daquela segunda casa que Zito tinha: “Ele alugava a casa para um homem e um dia, quando foi pegar o dinheiro do aluguel, descobriu que o inquilino tinha doze filhos. Então, me disse: ‘professor, esse homem precisava da casa mais que eu. Então, dei minha casa para ele”. Do episódio, Eleodoro guarda uma lição: 

"Esse cara é que era gente. Ele era humano de verdade e eu quero pessoas assim, como Zito, que são bem melhores que nós."

Fernando Eleodoro
autor de Os Colares de Vó Docéu

O afeto é outra marca dos personagens do livro, com uma única exceção, que é Fátima. “Se a vida não tem afeto, não vale a pena”, sentencia Eleodoro. Mas Fátima, uma mulher amarga que não nutria amor - nem era amada - por ninguém, era ainda mais materialista que o pai e tudo o que desejava era tomar o lugar dele na presidência na empresa. Mas nem isso consegue: para a infelicidade dela, é a própria filha, Amália, que é preparada para ocupar o posto desejado pela mãe. Ao contrário de Fátima, ‘Lalinha’ é uma pessoa afetuosa, querida e bem resolvida profissionalmente.

Os Colares de Vó Docéu é também um manifesto a favor do perdão e da convivência entre as diferenças numa época em que a tal “polarização” tanto afasta amigos e familiares. Um exemplo disso é que Alexandre e Zito, mesmo com personalidades e ambições tão diferentes, se tornam amigos. “As pessoas que têm grandeza são assim. Não é todo capitalista que é filho da p… Acho que a humanidade é boa e tem jeito, com certeza absoluta”, diz o escritor.

E não se choque com o palavrão dito por um senhor de 80 anos e professor de língua portuguesa. Na boca - e no livro - de Eleodoro, nenhum palavrão soa agressivo, porque ele defende que esse vocabulário está na linguagem do povo e não tem nada de pornográfico. E este jornalista assegura isso, por experiência própria, tanto que, quando telefonou para o ex-professor para marcar a conversa sobre o livro, ouviu um “oi, seu vagabundo!”. E tenha certeza: ele diz isso com o afeto que tem de sobra pelas pessoas.

Livro: Os Colares de Vó Docéu/ Autor: Fernando Eleodoro/ Editora: Sendas Edições/ Preço: R$ 65 | 340 págs./ À venda: no site kotter.com.br