Bahia x Santos: confronto que já decidiu três títulos brasileiros

e.c. bahia
31.10.2020, 05:39:00
Time do Bahia em jogo das faixas pouco após o título da Taça Brasil de 1959 (Reprodução)

Bahia x Santos: confronto que já decidiu três títulos brasileiros

Além da primeira estrela tricolor, o Peixe foi rival em mais duas finais espetaculares; times se enfrentam domingo pelo Brasileirão

Em momentos como o que vivemos, o jornalismo sério ganha ainda mais relevância. Precisamos um do outro para atravessar essa tempestade. Se puder, apoie nosso trabalho e assine o Jornal Correio por apenas R$ 5,94/mês.

Bahia x Santos é, para os tricolores, sinônimo da final da Taça Brasil de 1959, que rendeu o primeiro título nacional ao clube baiano. A história do confronto, no entanto, não parou naquela estrela. Nos anos seguintes, Esquadrão e Peixe - que se enfrentam domingo pela Série A - protagonizaram mais duas decisões do torneio equivalente ao Campeonato Brasileiro da época.

Os reencontros na disputa do troféu em 1961 e 1963 confirmam a tese de que o título do Bahia de 59 não foi um fato casual de um time que fez uma boa campanha em uma temporada e parou por aí. O tricolor tinha, realmente, uma das melhores equipes de futebol no Brasil da época.

Do lado santista, esses episódios fazem parte de uma obra ainda maior, da consagração do que os olhos do mundo inteiro enxergariam naquela década: o Santos de Pelé - que era também o de Zito, Mauro, Dorval, Mengálvio, Coutinho, Pepe e do lendário técnico Lula – representava o que havia de melhor ao se falar de futebol.

Para se ter ideia, a primeira conquista sobre o Bahia abre uma fileira de cinco títulos em sequência da Taça Brasil que durou até 1965. No período, o Santos ganhou também duas Libertadores e dois Mundiais de Clubes. Campeonato Paulista, então, nem se fala. De 1960 a 69, só o Palmeiras, em 63 e 66, conseguiu interromper os títulos daquele time “santástico”.

E diante de todo esse gigantismo do adversário, lá estava o Esquadrão frequentemente. Dois anos após erguer a taça inédita, o Bahia chegou à final da Taça Brasil de 1961 com uma boa base da equipe campeã. Jogadores como Nadinho, Henrique, Vicente, Alencar, Marito e Mário permaneciam no time.

Pelo caminho, o tricolor eliminou o hoje extinto Santa Cruz de Sergipe, CSA, Fortaleza e Náutico. No primeiro jogo da decisão, empate de 1x1 na Fonte Nova – gols de Coutinho e Mário – que a Gazeta Esportiva noticiou como “a maior assistência reunida em um campo de futebol nessa cidade”, referindo-se ao público de 41.893 pagantes numa época em que o antigo estádio possuía apenas o anel inferior.

A disputa ficou em aberto para a Vila Belmiro, mas no jogo de volta Pelé estava em dia de Pelé: fez um gol aos 25 minutos, outro aos 30, o terceiro aos 31 e Coutinho ainda aumentou aos 33. Nocauteado, o Bahia voltou para o segundo tempo, tomou mais um de Coutinho e, já nos acréscimos, fez o de honra com Florisvaldo, de pênalti. Placar final: 5x1 e o Santos abria a fase mais gloriosa de sua história. Era a conquista do Brasil.

O vídeo com lances desse jogo está disponível no YouTube. A dupla Pelé-Coutinho é de impressionar: https://bit.ly/3jGLCJU

Pelé e Coutinho formaram uma das melhores duplas da história do futebol
(Foto: Santos FC/Divulgação)

Na final da Taça Brasil de 1963, o roteiro foi invertido. Primeiro jogo fora, realizado no Pacaembu, e o segundo na Fonte Nova. Na prática, acabou sendo pior para o Bahia, que havia sido pentacampeão baiano na temporada anterior (1958-62). O Santos, por sua vez, celebrara o bicampeonato mundial dois meses antes, diante do Milan, e mostrou que, naquele momento, realmente já estava em outro patamar.

O jogo de ida em São Paulo terminou 6x0, com dois gols de Pelé, dois de Pepe, um de Coutinho e um de Mengálvio. Na volta, em Salvador, mais dois do Rei na vitória por 2x0. Essas duas partidas aconteceram em janeiro de 1964.

O Bahia, apesar do vice-campeonato, classificou para a Taça Libertadores de 64. Era apenas uma vaga por país, mas o Santos, na condição de atual campeão continental, já estava garantido. Foi a segunda participação tricolor na Libertadores, após a inaugural de 1960. A terceira, e por enquanto última, foi em 1989.

Fichas técnicas:

  • Taça Brasil 1959 - Final

10/12/1959 | Santos 2x3 Bahia
30/12/1959 | Bahia 0x2 Santos
29/03/1960 | Bahia 3x1 Santos

Escalação do último jogo
Bahia:
Nadinho; Beto, Henrique, Vicente e Nenzinho; Flávio e Mário; Marito, Alencar, Léo e Biriba. Técnico: Carlos Volante
Santos: Lalá; Getúlio, Mauro, Formiga e Zé Carlos; Zito e Márcio Cacareco; Dorval, Pagão (Tite), Coutinho e Pepe. Técnico: Lula
Estádio: Maracanã
Gols: Coutinho; Vicente, Léo e Alencar


  • Taça Brasil 1961 - Final

22/12/1961 | Bahia 1x1 Santos
27/12/1961 | Santos 5x1 Bahia

Escalação do último jogo
Santos:
Laércio (Silas); Lima, Mauro (Olavo), Calvet e Dalmo; Zito e Tite; Dorval, Coutinho, Pelé e Pepe. Técnico: Lula.
Bahia: Nadinho; Hélio, Henrique, Vicente e Florisvaldo; Pinguéla (Antônio) e Alencar, Nilsinho, Didico, Mário e Marito. Técnico: Armando Simões.
Estádio: Vila Belmiro
Gols: Pelé (3), Coutinho (2); Florisvaldo


  • Taça Brasil 1963 - Final

25/01/1964 | Santos 6x0 Bahia
28/01/1964 | Bahia 0x2 Santos

Escalação do último jogo
Bahia:
Nadinho; Henrique, Russo (Ivan), Hélio e Roberto; Nilsinho e Miro; Vevê, Hamilton, Mário e Biriba. Técnico: Luiz Negreiros.
Santos: Gylmar; Ismael (Joel Camargo), Mauro, Haroldo e Geraldino; Lima e Mengálvio; Dorval, Coutinho, Pelé e Pepe. Técnico: Lula.
Estádio: Fonte Nova
Gols: Pelé (2)

***

Em tempos de coronavírus e desinformação, o CORREIO continua produzindo diariamente informação responsável e apurada pela nossa redação que escreve, edita e entrega notícias nas quais você pode confiar. Assim como o de tantos outros profissionais ligados a atividades essenciais, nosso trabalho tem sido maior do que nunca. Colabore para que nossa equipe de jornalistas seja mantida para entregar a você e todos os baianos conteúdo profissional. Assine o jornal.


Relacionadas