Baía de Todos os Santos é retratada em mostra em Paris

entretenimento
29.10.2019, 19:49:00
Atualizado: 29.10.2019, 19:50:15
Eidi Feldon e Andrea Fuamenghi com o curador Silvio Pinhatti (Divulgação)

Baía de Todos os Santos é retratada em mostra em Paris

Brasileiras Andrea Fiamenghi e Eidi Feldon expõe na galeria francesa Federson em novembro

Em momentos como o que vivemos, o jornalismo sério ganha ainda mais relevância. Precisamos um do outro para atravessar essa tempestade. Se puder, apoie nosso trabalho e assine o Jornal Correio por apenas R$ 5,94/mês.

A Galeria Federson, em Paris, será a casa temporária para as obras de duas artistas brasileiras. A fotógrafa  Andrea Fiamenghi e a artista plástica Eidi Feldon, ambas paulistas, levam seus trabalhos para território francês do dia seis ao dia 13 de novembro. 

Batizado de Inácquas, a exposição da multi-artista Eidi apresenta instalações, desenhos, esculturas e também intervenções com fotografia, traz como principal temática a água e seus movimentos, principalmente o de queda. 

“A fotografia sempre foi uma base do meu trabalho. E a água é um tema clássico para as artes, as religiões… existem rituais de purificação, bênçãos. Água como transporte, diáspora, como um tudo. Dá a possibilidade de um lugar novo”, reflete Eidi. Anteriormente, a artista expôs em instituições como o Museu de Arte Contemporânea da USP e a Ottawa School of Art Gallery, no Canadá. 

Também relacionando o assunto do seu trabalho com a água, Andrea exibe em Paris um conjunto de fotografias Procelària, que se debruçam sobre uma temática mais particular. Morando na Bahia desde os quatro anos, ela explora a força das águas da Bahia, especificamente do Oceano Atlântico e da Baía de Todos os Santos.  

“É uma forma de ressignificar o olhar sobre o mar da Bahia, que é exuberante, calmo, mas também forte, visceral, incontrolável. Essa diferenciação me encanta”, diz a artista. Entre mostras individuais e coletivas, destaca-se o trabalho de Andrea como Salve, Babá; Salve, Odoyá, Festa de Santo na Bahia, e o livro fotográfico batizado de Paredes Planas.

As artistas se conheceram durante a exposição Olhares Revelados, na capital paulista, em 2018, quando expuseram juntas, na mostra com curadoria de Silvio Pinhatti. E  estabeleceram uma identificação em seus trabalhos artísticos em relação aos vários significados em relação às águas.  


 

***

Em tempos de coronavírus e desinformação, o CORREIO continua produzindo diariamente informação responsável e apurada pela nossa redação que escreve, edita e entrega notícias nas quais você pode confiar. Assim como o de tantos outros profissionais ligados a atividades essenciais, nosso trabalho tem sido maior do que nunca. Colabore para que nossa equipe de jornalistas seja mantida para entregar a você e todos os baianos conteúdo profissional. Assine o jornal.


Relacionadas