Carnaval sem lei: 8 festas privadas movimentam o bairro do Santo Antônio 

salvador
25.02.2022, 17:01:00

Carnaval sem lei: 8 festas privadas movimentam o bairro do Santo Antônio 

Maioria acontece no pátio da Igreja, que recebe 50% do lucro, de acordo com produtor de eventos que realizou festa no local

O decreto é claro: está proibido, em toda a Bahia, evento de rua durante o Carnaval. Seja marchinha, bloco, fanfarra, desfile e afins. Porém, nem lei afasta os órfãos da folia do Santo Antônio - bairro outrora bucólico, mas que ameaça, hoje, tirar o posto do Rio Vermelho de mais boêmio de Salvador. Por volta das 19h da última quinta-feira (23), um bloquinho com banda desfilou na Rua Direita e no Largo Santo Antônio, dando a trilha sonora para a festa que define a virada de ano dos baianos.  

“Todos querem dar uma desfilada pelas lindas ruas do bairro. Por essas e outras que as pessoas acabam pensando que no bairro pode tudo...o bloco vem da Barra descumprir o decreto no Santo Antônio”. Era a mensagem que circulava em grupos de Whatsapp de moradores. Antes fosse essa a única previsão de incômodo dos que moram por ali: pelo menos, oito festas privadas estão previstas de acontecer nesse período carnavalesco, com ingressos de R$ 25 a R$ 50 . 

Eventos como o Baile Gravata Doida estão previstos de acontecer no pátio da Igreja do Santo Antônio Além do Carmo, durante o Carnaval (Foto: Reprodução/Redes Sociais)

Elas estão autorizadas pelo governo do estado, desde que a capacidade máxima não exceda 1.500 pessoas. A maioria acontece no pátio da igreja, a Paróquia Santo Antônio Além do Carmo, e vai render bons dízimos: 50% do lucro. Esse valor deve ainda contribuir para reduzir a dívida do templo, de R$ 100 mil com o Ministério Público, a ser usada para reformar o telhado. A informação é de uma pessoa que aluga espaço para eventos, mas o padre nega.

Receio 
“Com essa história de carnaval, o povo está sem noção. Tem uma programação grande aqui e acredito que os promotores [de eventos] não estejam preocupados com o entorno. Não tem como não aglomerar, não existe essa possibilidade”, opina Mário Edson, morador do bairro, que tem um ateliê. “O receio da gente aqui era período de Carnaval. As pessoas esqueceram que não tem, por mais que tenham festas privadas. É uma falta de empatia muito grande”, acrescenta. 

O problema, segundo ele, é a aglomeração causada pelas festas, ao redor dos estabelecimentos. “Onde tem festas, enche de ambulante e gera um fluxo muito grande de pessoas. Fica de cheio de isopor, uma bagunça generalizada. Ou seja, não adianta os bares fecharam no horário”, conta.   

Leia mais: Moradores do Carmo denunciam barulho infernal 

Da casa da psicopedagoga Márcia Santana, que mora no primeiro andar, dá para se sentir dentro da festa. “Na minha sala, parece que você está na festa. No dia 2 de fevereiro, era cheiro de cerveja e cigarro impregnado”, afirma. Ela reclama da falta de fiscalização municipal. “Todo mundo da prefeitura jpa está sabendo da situação, porque a gente fala diretamente com os administradores do Centro Histórico. Mas alguma coisa está acontecendo para eles fecharam os olhos”, critica. 

Card que circula nas redes sociais mostra programação de festas no Santo Antônio durante Carnaval (Foto: Reprodução/Redes Sociais)

Ganha pão 
O empresário Jorge Lopes, dono do Bar do Ulisses, pontua que os ambulantes, indicados por alguns moradores como os incentivadores das aglomerações, também estão ali para colocar comida em casa. “Existe o incômodo de moradores, mas eles estão na necessidade. A pandemia trouxe muita dificuldade para todo mundo e eles estão tentando vender o deles”, avalia. Ele ainda reforça que os que aglomeram não são moradores, mas pessoas de fora do bairro.  

O padre Ronaldo Marques Magalhães, pároco da Paróquia Santo Antônio Além do Carmo, diz que só duas das cinco festas anunciadas no local estão confirmadas. “Eles vão me confirmar se vão fazer ou não até amanhã [sexta]”. Segundo ele, o horário de término é 0h e todas têm alvará da prefeitura. Existem dois espaços que podem ser alugados, um para 600 e outro para 1.500 pessoas. Ele não quis informar os valores para locação, por ser “falta de ética” e por “não interessar ao público”.  

Prefeitura faz operação especial  
A prefeitura montou uma força-tarefa para conter aglomerações relacionadas ao Carnaval. A operação é formada pela Guarda Civil Municipal, pelas Secretarias Municipais de Desenvolvimento Urbano (Sedur), Ordem Pública (Semop) e Transalvador.  

“Estamos concentrando 200 agentes em três trechos, Barra-Ondina, Pelourinho e Campo Grande. Vamos começar a fiscalização hoje, às 16 horas, no Farol da Barra. Depois, subdividiremos em três equipes, para ocupar os postos da Guarda Civil no Barra Center, Farol e Porto da Barra”, detalha o diretor de segurança urbana e Prevenção à Violência da Guarda Civil Municipal, Maurício Lima.  

A atuação no trecho do circuito Dodô dura até terça-feira, diariamente, de 16h às 1h da manhã. No domingo (27), acrescenta-se ao roteiro o Centro, de 12h às 00h. O objetivo é proibir “qualquer manifestação carnavalesca”. “Se for uma manifestação individual ou um grupo pequeno, não tem problema. O que não pode é ter pessoas reunidas, com banda ou com objeto sonoro, em uma espécie de bloquinho. Vamos considerar o que passar da razoabilidade”, explica o diretor.  

Segundo Lima, a responsabilidade de fiscalização do Santo Antônio será da Polícia Militar da Bahia (PM-BA). A Guarda Civil não acompanhou a situação no bairro, na última quarta. A Sedur informou que uma equipe esteve no local e não constatou atividade sonora em área pública: “Durante a vistoria, moradores informaram que uma banda de um evento particular iniciou as atividades na porta do local da festa e logo depois entrou no estabelecimento”. Denúncias podem ser feitas através do 156.  

A PM foi procurada, através da assessoria própria e Secretaria de Comunicação, mas não quis se pronunciar, pois fará uma coletiva sobre a operação carnavalesca na sexta-feira (25).  

O Correio Folia tem patrocínio da Goob e apoio da AJL, Jotagê Engenharia e Comdados.

Programação no Santo Antônio
23/02 - Baile da Gravata Doida
Onde: Espaço Marques
Quem: Filhos de Jorge e Alexandre Peixe

26/02 - Baile do Butiquim
Onde: Espaço Marques
Quem: Grupo Butiquim

26/02 - Bailinho das Artes
Onde: Bistrô das Artes
Quem: DJ Tolledo 

27/02 - Baile do Urso da Meia Noite
Onde: Espaço Marques
Quem: Skanibais e convidados

27/02 - Bailinho das Artes
Onde: Bistrô das Artes
Quem: Dj Tolledo

04/03 - Ressaca do Bloquinho de Jau
Onde: Espaço Marques
Quem: Jau e convidados

04/03 - Café, Sol e Som
Onde: Ateliê Dani Cunha
Quem: Banco do Composições

06/03 - Ressaca Além do Carmo
Onde: Espaço Marques
Quem: É o Tchan e Escandurras

***

Em tempos de coronavírus e desinformação, o CORREIO continua produzindo diariamente informação responsável e apurada pela nossa redação que escreve, edita e entrega notícias nas quais você pode confiar. Assim como o de tantos outros profissionais ligados a atividades essenciais, nosso trabalho tem sido maior do que nunca. Colabore para que nossa equipe de jornalistas seja mantida para entregar a você e todos os baianos conteúdo profissional. Assine o jornal.


Relacionadas