Cego, baiano vive emoção de praticar stand up pela primeira vez em praia da Barra

salvador
12.11.2021, 06:00:00

Cego, baiano vive emoção de praticar stand up pela primeira vez em praia da Barra

Projeto da Família Schurmann em parceria com Instituto dos Cegos da Bahia teve objetivo de recolher lixo da praia

Sentir o vento no rosto, a textura da areia, a temperatura da água do mar. Além disso, ainda poder ajudar a retirar o lixo da praia. Foi essa experiência que cinco alunos do Instituto de Cegos da Bahia (ICB) tiveram na manhã desta quinta-feira (11). A ação foi realizada no Porto da Barra, em Salvador, em parceria com a Família Schurmann e o grupo de mergulhadores Fundo da Folia. Teve coleta de lixo na areia, mergulho, banho de mar, stand up paddle e, com certeza, muita emoção. 

Os mergulhadores do Fundo da Folia, parceiro do ICB, levaram os alunos em um mergulho para limpar a água do mar, feito inédito entre os integrantes da instituição. Enquanto mergulhavam, os alunos foram acompanhados por um professor de educação física do ICB e por um mergulhador. Na superfície, outros alunos subiram em uma prancha de stand up paddle para acompanhar o grupo que estava submerso.

O triatleta do ICB Ricardo Muniz, de 35 anos, estava acostumado com a água, mas, pela primeira vez, teve contato com o stand up. Sem visão alguma, a sensação de liberdade e equilíbrio foi o que mais o emocionou. “Estar no mar me faz esquecer da deficiência. O esporte tem me ensinado o respeito pelo mar e que precisamos uns dos outros”, disse.

Ricardo Muniz se emocionou e arrancou lágrimas do instrutor ao andar pela primeira vez de stand up (Foto: Divulgação/ICB)

Ricardo comoveu o surfista e mergulhador do Fundo da Folia José Augusto Sampaio, de 60 anos. Conhecido como Zeca do Farol, ele participa do projeto que, desde 2010, retira lixo do fundo do mar. Zeca não conseguiu conter as lágrimas ao ver o aluno do ICB remando sozinho no mar. “Ele teve total confiança de abraçar essa experiência em um ambiente até então desconhecido. E eu não guiei a prancha dele, só dei comandos, orientei ele pela voz, e fomos do Farol até a frente do Hospital Espanhol”, contou.

O momento vai ficar marcado na memória de Zeca que, ao relembrar, se emocionou mais uma vez. “Foi uma das experiências mais emocionantes da minha vida. A minha emoção não foi por eu ter feito algo, mas por ter presenciado a conquista e a experiência dele e por ter sido presenteado com aquele momento. Quem aprendeu com ele fui eu. Aquele jovem é um mestre da vida. Eu tenho 60 anos e ele me deu uma aula de vida”, completou. 

José Leandro Alves, de 11 anos, também participou da ação e ajudou a recolher o lixo que estava na areia da praia. “Eu adoro ir à praia, mas foi a primeira vez que participei de uma ação assim e foi maravilhoso, depois ainda ficamos lá e tomamos banho de mar”. Ele ainda deixa o recado para quem gosta de colocar o pé na areia e aproveitar o sol. “No final, a gente viu o tanto de lixo que tinha. Levem um saquinho e depois joguem o lixo no lugar certo. Se jogar em qualquer lugar, vai poluir. 

José Leandro adora praia e é consciente de que o mar não combina com lixo (Foto: Divulgação/ICB)

Vilfredo Schurmann, líder da família Schurmann, famosa por velejar ao redor do mundo, também contou como foi a experiência de acompanhar os alunos na ação. “Os mais novos estavam recolhendo o lixo comigo na areia. Aí eu colocava o material nas mãos deles, eles iam sentindo para identificar o que era. Um deles falou: 'Isso aqui é isopor, não deveria estar no mar, era para estar no lixo’. Foi muito legal vivenciar isso!”, disse. 

A diretora do ICB, Heliana Diniz, ressaltou a importância desse tipo de ação para os alunos. “São dois benefícios principais. O primeiro é que eles podem experimentar uma situação que nunca tinham vivido, fazendo uma atividade totalmente nova e ainda se sentindo parte da sociedade. O outro é a ação de manutenção da natureza, com a limpeza do mar e da areia; com isso, as crianças se sentem úteis em ajudar e ainda vão passar esses aprendizados para a família”, destacou.

“A ação foi maravilhosa. As crianças estavam com um pouco de medo de encarar o mar, mas ficaram animadas e se jogaram na ideia. Foi bom para elas e para os instrutores, professores, a equipe toda. Todo mundo ficou muito emocionado”, contou. Todo o lixo foi recolhido pela equipe da Empresa de Limpeza Urbana de Salvador (Limpurb). 

(Divulgação/ICB)
(Divulgação/ICB)
(Divulgação/Voz dos Oceanos)

A limpeza de praias vem sendo realizada pela Família Schurmann e tripulação da expedição Voz dos Oceanos, a quarta volta ao mundo da família a bordo de um veleiro, o Kat. O projeto Voz dos Oceanos é um movimento mundial de combate à poluição plástica. A família chegou a Salvador na última semana e permanece até o próximo dia 28.

Na próxima sexta-feira (19), os alunos do ICB vão poder visitar a embarcação da família Schurmann. “Vamos mostrar como é a embarcação, o que tem dentro, como a gente vive aqui. Vai ser outra experiência super legal e eles vão poder também conhecer um pouco mais sobre o projeto Vozes do Oceano”, anunciou Vilfredo. 

Depois da costa brasileira, o veleiro Kat segue por dois anos para os  Estados Unidos, Caribe e Oceano Pacífico até chegar a Auckland, na Nova Zelândia, porto final da viagem, em 2023. Durante o trajeto, a tripulação coletará dados para mensurar os danos nos oceanos decorrentes da atividade humana, sobretudo pelo plástico, que, além da terra, também polui em demasia os mares do planeta.

*Com orientação da chefe de reportagem Perla Ribeiro

***

Em tempos de coronavírus e desinformação, o CORREIO continua produzindo diariamente informação responsável e apurada pela nossa redação que escreve, edita e entrega notícias nas quais você pode confiar. Assim como o de tantos outros profissionais ligados a atividades essenciais, nosso trabalho tem sido maior do que nunca. Colabore para que nossa equipe de jornalistas seja mantida para entregar a você e todos os baianos conteúdo profissional. Assine o jornal.


Relacionadas