Censo do IBGE em 2022 vira oportunidade de renda para baianos desempregados

bahia
16.12.2021, 05:30:00
(Tânia Rêgo/Agência Brasil)

Censo do IBGE em 2022 vira oportunidade de renda para baianos desempregados

Ao todo, 14.902 vagas temporárias serão oferecidas na Bahia; Veja como se preparar

Desempregado desde outubro, o estudante universitário Erisson Santana, 25 anos, vê o Censo Demográfico 2022 do IBGE como uma das principais oportunidades de obter renda em 2022. Isso porque, só na Bahia, o Censo vai gerar 14.290 vagas de emprego temporário, sendo 12.485 para recenseadores e 1.805 para agentes censitários.

Apenas na capital baiana, 2.936 postos de trabalho serão ocupados para a pesquisa, que vai selecionar os profissionais através de uma prova que teve o edital publicado nesta quarta-feira (15), no Diário Oficial da União, e tem inscrições abertas até às 16h de 29 de dezembro deste ano no site da FGV Conhecimento.

Antes deste edital, o IBGE já tinha aberto dois processos seletivos, que foram cancelados, devido a adiamentos do censo. O primeiro cancelamento foi em março de 2020 e o segundo, em outubro deste ano.

Censo já foi cancelado duas vezes pelo IBGE

(Foto: Divulgação)

Oportunidade de renda

Erisson se inscreveu nos dois e se decepcionou quando soube do cancelamento. No entanto, não desistiu e fará a inscrição novamente para ter a chance de obter um emprego, mesmo que temporário.

"O desemprego está grande e é uma boa oportunidade de renda, mesmo que não seja algo duradouro. Tô sem trabalho desde que pararam de aferir a temperatura nos shoppings. Por isso, vou fazer duas provas: pra recenseador e pra agente censitário", conta ele, que quer maximizar suas chances.

O empenho em garantir mais possibilidades de conseguir a aprovação se dá pelo fato de que, com o salário pago pelo Censo, ele poderia se manter em Salvador. "Estou esperando há um tempo com atenção porque o dinheiro que posso receber trabalhando para o IBGE vai ajudar a me manter aqui na cidade estudando, seria essencial pra mim", fala.

Assim como para Erisson, uma vaga entre as pessoas que farão o censo acontecer seria importante financeiramente para Walysson Nazaré, 21, estudante de artes cênicas, como ele mesmo conta. "Como eu tô sem emprego, se eu conseguisse ser aprovado, ia ser muito bom pra mim. Representaria um avanço imenso e acho que seria fantástico", diz o estudante.

No entanto, para ele, a principal razão para se inscrever está na possibilidade de trabalhar diretamente com pessoas e aprender com isto. 

"A minha meta é fazer muitos concursos, adquirir experiências e aprender com isso. Além disso, quando se fala em IBGE, me remete a trabalho com pessoas em pesquisa, o que me agrada muito. São esses os principais motivos para fazer a inscrição’, explica Walysson.

Provas serão aplicadas em março de 2022

(Foto: Tânia Rêgo/Agência Brasil)



Como se preparar

Para quem quiser ser agente censitário no Censo, é preciso fazer a prova que é objetiva, tem caráter classificatório e eliminatório e não tem redação. Ao todo, dez perguntas de língua portuguesa, dez de raciocínio lógico, 15 de noções de administração e situações gerenciais, 20 de conhecimentos técnicos e cinco questões de ética no serviço público

Professor de língua portuguesa, Luís Alberto afirma que é preciso estar atento a como a Fundação Getúlio Vargas, responsável pela prova, costuma aplicar provas, Ainda segundo ele, é necessário refazer questões antigas comentadas para fixar os assuntos mais prováveis.

“É uma tática interessante para estar em dia com temas da gramática padrão como a pontuação, tempos e modos verbais, morfossintaxe, regência nominal e verbal, emprego da crase, colocação pronominal e outros assuntos dentro da gramática”, afirma ele, dizendo que a parte gramatical é o que mais cai, com menos questões interpretação de texto. 

Já para os candidatos que vão atrás de uma vaga como recenseador, farão a prova no mesmo formato, só que com dez questões de língua portuguesa, dez de matemática, 25 de conhecimentos técnicos e cinco sobre ética no serviço público.

De acordo com Joangelo Souza, o conhecimento matemático cobrado neste tipo de prova remete ao que foi estudado no fim do Ensino Fundamental II e no início do Ensino Médio das escolas brasileiras. 

"É um conteúdo mais genérico como lógica, estatística, probabilidade, porcentagem e regra de 3. Geralmente, são esses os principais assuntos que necessitam de uma rotina de estudos frequente para serem dominados", orienta ele, que já foi recenseador em 2011 e conhece a prova.

Carga horária e salários

Os recenseadores, que são os responsáveis pela aplicação do questionário do Censo nos domicílios, terão salário variável de acordo com a produção. A carga horária semanal recomendável é de 25 horas. A taxa de inscrição para a prova custa R$ 57,50. Os agentes censitários supervisionam o trabalho dos recenseadores. Eles têm a carga horária semanal de 40 horas e salário de R$ 1.700.

Já os agentes censitários municipais têm, entre suas atribuições, garantir a cobertura de sua área territorial, o cumprimento dos prazos e a qualidade das informações coletadas. A carga horária é de 40 horas e o salário, de R$ 2.100. O valor da taxa de inscrição para ambos os cargos é de R$ 60,50.

*Com a o orientação da chefe de reportagem Perla Ribeiro

***

Em tempos de coronavírus e desinformação, o CORREIO continua produzindo diariamente informação responsável e apurada pela nossa redação que escreve, edita e entrega notícias nas quais você pode confiar. Assim como o de tantos outros profissionais ligados a atividades essenciais, nosso trabalho tem sido maior do que nunca. Colabore para que nossa equipe de jornalistas seja mantida para entregar a você e todos os baianos conteúdo profissional. Assine o jornal.


Relacionadas