Conheça o 'filme de cabeceira' de Putin, adaptação americana de livro de Jorge Amado

entre
13.03.2022, 06:57:00
Filme foi gravado na Bahia em 1969 e estreou na Rússia em 1973 (Reprodução)

Conheça o 'filme de cabeceira' de Putin, adaptação americana de livro de Jorge Amado

A versão gringa de Capitães da Areia estreou na Rússia em 1973

“Cinquenta anos atrás as ruas de Leningrado me ensinaram uma lição: se uma luta é inevitável, ataque primeiro”. Essa declaração, dada pelo presidente russo Vladimir Putin ao jornalista Oleg Blotsky, pode parecer até um pretexto para a atual invasão da Ucrânia, mas foi dada por ele em 2015.

O próprio Putin comparava sua infância ao filme “The Sandpit Generals”, versão do livro “Capitães da Areia”, obra de Jorge Amado lançada em 1939. Em uma de suas autobiografias, Putin foi mais direto: “Afinal, criei-me no pátio, onde a autoafirmação de uma criança se manifesta de maneira totalmente diversa. Viver no pátio e criar-se nele é equivalente a viver numa selva. É muito parecido. No pátio, a vida é livre. A vida na rua é, em si mesma, muito livre. Exatamente como no filme Capitães da Areia. Para a gente era o mesmo. A diferença estava talvez apenas nas condições climáticas. Em Capitães era mais quente. E lá a garotada se reunia na praia. Mas, de resto, o que acontecia com eles e a gente era absolutamente a mesma coisa”.

O sucesso do filme, uma produção dos Estados Unidos filmada em Salvador em 1969, limitou-se praticamente à antiga União Soviética, desde sua estreia por lá, em 1973. Mas o sucesso foi tão estrondoso que catapultou a fama do escritor Jorge Amado e transformou em hit a trilha sonora do filme, a música “Canção da Partida”, de Dorival Caymmi, que também fez o papel do estivador João de Adão.

“Cara, tem em todas as livrarias aqui”, destaca a grapiúna Silvia Leticia, que mora na Rússia desde o ano passado. “Como é que um escritor da minha cidade é venerado do outro lado do mundo?”, questiona.

O marido de Silvia é russo, e quando os dois ainda moravam aqui, ele dizia a ela sobre o sucesso de Jorge Amado e do filme “The Sandpit Generals” na Rússia. Mas ela só foi ter a real dimensão quando se mudou para lá.

“Todo natal passa na tevê. No ano passado foi exibido em horário nobre”, diz sobre o filme. “Na semana entre o último natal e o ano novo vi umas três vezes na tevê”, conta Silvia Leticia.

Cartaz em russo de The Sandpit Generals

(Foto: Reprodução)

Conexão EUA-Rússia-Bahia

“Você tá de brincadeira que ele falou isso”, diz o escritor baiano Ian Fraser sobre a importância do filme “The Sandpit Generals” para a formação de Vladimir Putin. Afinal, foi sua avó, a americana Marian Fraser, a responsável por achar a locação das filmagens para a produção. “Por ela ter esse background do inglês, do teatro, do cinema, ela foi chamada para fazer parte do elenco”, conta Ian. No filme, Marian Fraser acabou fazendo o papel de uma freira. Seus filhos Elizabeth (mãe de Ian) e James também participaram das filmagens.

“Quando Pedro Bala começa a revolução, no final do filme, uma das pessoas ali era minha mãe”, conta Ian. Só na última década é que Marian soube do sucesso do filme na União Soviética, através de uma doutoranda russa que veio a Salvador entrevistá-la.

Veja o trailer de The Sandpit Generals

“Ela sempre foi apaixonada por cinema, e participar desse filme foi uma coisa que marcou a vida dela”, diz Ian sobre a avó, que veio morar em Salvador nos anos 50 e depois ajudou a achar o terreno para a construção da Escola Pan-Americana, voltada para os filhos dos americanos que moravam na cidade. Marian faleceu em 2018.

“Minha avó ajudou muito nas filmagens na ilha, perto da casa que a gente tinha lá. Pelo que eu me lembro falando foi uma época de festa mesmo”, resume Ian. Em homenagem a Marian, o elenco do filme a presenteou com uma placa de metal autografada por todos. A peça é hoje guardada por Ian.

***

Em tempos de desinformação, o CORREIO continua produzindo diariamente informações nas quais você pode confiar. E para isso precisamos de uma equipe de colaboradores e jornalistas apurando os fatos e se dedicando a entregar conteúdo de qualidade e feito na Bahia. Já pensou que você além de se manter informado com conteúdo confiável, ainda pode apoiar o que é produzido pelo jornalismo profissional baiano? E melhor, custa muito pouco. Assine o jornal.


Relacionadas