Crime não afeta movimento em bares do Rio Vermelho: 'É como se nada tivesse acontecido'

salvador
05.05.2022, 05:10:00
Policiamento no bairro é reforçado (Paula Fróes/ CORREIO)

Crime não afeta movimento em bares do Rio Vermelho: 'É como se nada tivesse acontecido'

Segurança, que não teve a identidade revelada, foi baleado em um bar no Largo de Santana, e estado de saúde é grave

A violência em um bairro que é cartão-postal da cidade chamou a atenção no noticiário nessa quarta-feira (4), quando um segurança foi baleado por um homem, que tomou a arma da vítima após uma discussão. No entanto, não afetou a movimentação nos bares e barracas do entorno.

“Está tudo normal, é como se nada tivesse acontecido. O pessoal está chegando devagarinho, porque hoje [quarta à noite] é mais tranquilo mesmo”, disse Rafael de Souza, funcionário do bar Bohemia.

A vítima, que não teve a identidade revelada, foi baleada em um bar no Largo de Santana depois que outro homem, com quem bebia, tomou seu revólver e o atacou. O homem, que trabalha como segurança na região, mas estava de folga, foi baleado três vezes. O estado de saúde dele é considerado grave.

O aposentado Gilson Santiago, 64 anos, se encontrou com os amigos tranquilamente, em um bar, no Largo de Santana. “Não estou apreensivo, porque a violência é normal no país todo, em qualquer lugar. Se for ficar pensando nisso, a gente não sai de casa”, contou. 

Ele, que acompanhou o caso pela televisão, completou dizendo que o que mais o deixa em estado de alerta é a possibilidade de assaltos. “O que deixa a gente apreensivo de estar na rua são os arrastões que estão acontecendo. O problema é Salvador”, concluiu.

As amigas Natali Araujo e Thais Paixão souberam do caso ao chegar em outro bar, no mesmo local. “Estou digerindo a informação, mas não me sinto insegura não. Eu entendo que essas coisas ocorrem em Salvador. Infelizmente, a gente vive em uma cidade bem violenta, mas eu ainda me sinto, de certa forma, bem aqui no Rio Vermelho”, disse Natali.

Apesar de o caso chamar sua atenção, Thais acredita que a banalização da violência chegou a um ponto em que não é capaz de chocar tanto. “Recebi uma informação adicional, que me deu uma camada a mais de atenção, mas não me pôs em estado de alerta ainda. A violência está tão normalizada que a gente não se choca mais”, contou Thais. 

Clima tranquilo para donos de barracas
As pessoas que trabalham nas barracas de comida que são montadas durante a tarde, no Largo, compartilhavam da mesma sensação. Funcionárias de uma barraca de acarajé acreditam que o crime não afetará o movimento no local, por não ter ocorrido à noite, quando o fluxo de pessoas é mais intenso.   

“Acredito que não vai ter diferença. Primeiro que não foi uma coisa à noite para repercutir tanto. E segundo que o pessoal está tão acostumado à violência... Se não fosse isso, o bar não estaria cheio de pessoas”, justifica a funcionária, que preferiu não se identificar.

Ali próximo, duas mulheres que trabalham em uma barraca vendendo beiju comen sobre o caso. “O clima está tranquilo. Até percebi que tinha uma viatura ali parada, mas a sensação de vulnerabilidade acompanha a gente em todos os lugares da cidade”, contou a proprietária da barraca.  

Policiamento reforçado

Uma viatura da Polícia Militar (PM-BA) foi encaminhada para reforçar a segurança no local. Por meio de nota, a PM informou que integrantes da 12ª CIPM foram acionados logo depois de receberem informações sobre uma confusão. Até o momento, o autor dos disparos não foi preso. 

Entenda o caso

De acordo com testemunhas, os tiros foram efetuados por volta das 06h30. Tudo aconteceu após um desentendimento entre três homens que bebiam juntos na praça ao lado do Acarajé da Dinha, que, apesar do horário, estava cheia de gente. 

"Num determinado momento, a briga que estava lá fora veio para a região dos bares, que estava vazia. Um deles, que é segurança e por isso estava armado, puxou o revólver, mas não atirou. Só ameaçou. Aí outro tomou a arma e começou a disparar", conta uma pessoa que passava no momento do ocorrido. "Foi uma correria danada", completa.

Os dois primeiros disparos foram efetuados já dentro da área de um bar, onde normalmente é ocupado por cadeiras. "O homem ferido correu para as mesas do outro bar e acabou caindo. Aí o cara armado se aproximou e deu um outro tiro na direção do rosto", relata outra testemunha. 

Na fuga, o autor dos disparos tentou tomar um carro, mas acabou rendendo um motoqueiro. "Ele foi para o meio da pista e começou a apontar para os motoristas, só que na hora passava um homem numa moto, que foi obrigado a descer. O cara montou na moto e sumiu, largando o revólver no chão", acrescenta. 

O funcionário de um bar, que funciona 24 horas no local, disse que viveu momentos de terror. "Estava limpando as mesas quando escutei os pipocos bem perto de mim. Corri na hora. Esses caras estavam bebendo na praça já há um tempo e começaram a confusão entre eles lá. Nunca os vi por aqui". 

O homem ferido, que não teve identidade revelada, foi socorrido para o Hospital Geral do Estado (HGE). Ele deve passar por cirurgia. De acordo com a Polícia Civil, a 7ª Delegacia Territorial do Rio Vermelho investiga a tentativa de homicídio. 
 

*Com orientação da subchefe de reportagem Monique Lôbo

***

Em tempos de coronavírus e desinformação, o CORREIO continua produzindo diariamente informação responsável e apurada pela nossa redação que escreve, edita e entrega notícias nas quais você pode confiar. Assim como o de tantos outros profissionais ligados a atividades essenciais, nosso trabalho tem sido maior do que nunca. Colabore para que nossa equipe de jornalistas seja mantida para entregar a você e todos os baianos conteúdo profissional. Assine o jornal.


Relacionadas