Dia histórico: NBA tem boicote em protesto a novo caso de racismo

esportes
26.08.2020, 18:40:00
Atualizado: 26.08.2020, 18:59:48
Jogadores de Milwaukee Bucks se recusaram a entrar em quadra (Foto: Kevin C. Cox/AFP)

Dia histórico: NBA tem boicote em protesto a novo caso de racismo

Equipes decidem não entrar em quadra; partidas, pelos playoffs, foram adiadas e serão reagendadas

Em momentos como o que vivemos, o jornalismo sério ganha ainda mais relevância. Precisamos um do outro para atravessar essa tempestade. Se puder, apoie nosso trabalho e assine o Jornal Correio por apenas R$ 5,94/mês.

A NBA viveu um dia histórico nesta quarta-feira (26). Jogadores de seis equipes fizeram um grande protesto contra mais um caso de racismo da polícia americana e se recusaram a entrar em quadra. Assim, todas as três partidas que estavam previstas para acontecerem foram boicotadas. A NBA confirmou o adiamento e afirmou que os duelos serão reagendados.

O caso que levou os jogadores a não entrar em quadra envolve Jacon Blake, um homem negro. No último domingo (23), a polícia de Kenosha, no estado de Wisconsin, atirou sete vezes pelas costas de Blake, que tentava apartar uma briga entre duas mulheres. Ele foi conduzido pelos policiais até a porta de seu carro, onde foi baleado sete vezes, na frente de seus três filhos, que estavam no veículo. Toda a cena foi filmada. Blake está internado e, segundo familiares, perdeu o movimento das pernas.

O boicote na NBA começou a dar sinais quando Toronto Raptors e Boston Celtics, que fariam nesta quinta (27) o Jogo 1 da semifinal da Conferência Leste, começaram a estudar a ideia de não entrar em quadra.

Foi então que, nesta quarta, os jogadores de Milwaukee Bucks decidiram antecipar o protesto e sequer deixaram o vestiário para o Jogo 5 contra o Orlando Magic. A franquia fica no estado do Wisconsin, onde Blake foi baleado. Ao verem o boicote dos Bucks, os jogadores do Magic - que perdem de 3 a 1 a série - retiraram-se de quadra após o aquecimento. Na sequência, os árbitros fizeram o mesmo.

Pouco depois, Houston Rockets e Oklahoma City Thunder também decidiram participar do movimento e se recusaram a fazer o Jogo 5 da série, que estava empatada em 2 a 2. Então, foi a vez de Los Angeles Lakers e Portland Trail Blazers confirmarem que não disputariam a partida. A equipe da Califórnia está ganhando por 3 a 1.

O boicote foi mais um protesto realizado pelos jogadores da NBA contra o racismo e a violência policial nos Estados Unidos contra negros. Antes, eles já tinham manifestado apoio ao movimento Black Lives Matter (Vidas Negras Importam), que tomou conta dos país após a morte de George Floyd, em maio. A frase está escrita nas quadras de Orlando e os atletas já vinham se ajoelhando durante o hino nacional, usando camisas com a expressão e estampando em seus uniformes mensagens de justiça social.

A NBA se pronunciou e afirmou que todos os três jogos previstos para esta quarta-feira (26) foram adiados e serão reagendados.

Vários jogadores se manifestaram em apoio a decisão do Milwaukee Bucks em realizar o boicote. "Orgulhoso dos meus irmãos", escreveu Pau Gasol. "F***-se isso, cara! Queremos mudanças. Cansados disso", postou LeBron James, do Lakers. "Queremos justiça!!!", publicou Jamal Murray, armador do Denver Nuggets. "Nós queremos mudança! Salve, Bucks", disse Donovan Mitchell. 

***

Em tempos de coronavírus e desinformação, o CORREIO continua produzindo diariamente informação responsável e apurada pela nossa redação que escreve, edita e entrega notícias nas quais você pode confiar. Assim como o de tantos outros profissionais ligados a atividades essenciais, nosso trabalho tem sido maior do que nunca. Colabore para que nossa equipe de jornalistas seja mantida para entregar a você e todos os baianos conteúdo profissional. Assine o jornal.


Relacionadas