Experiência no Parque São Bartolomeu: começam as gravações do Afro Fashion Day

entretenimento
27.10.2020, 06:00:00
Nesta edição, modelos serão gravados e fotografados em pontos de Salvador que fogem do clichê (Foto: Arisson Marinho/CORREIO)

Experiência no Parque São Bartolomeu: começam as gravações do Afro Fashion Day

Para evitar aglomerações, os mais de 30 modelos foram divididos em grupos menores

Em momentos como o que vivemos, o jornalismo sério ganha ainda mais relevância. Precisamos um do outro para atravessar essa tempestade. Se puder, apoie nosso trabalho e assine o Jornal Correio por apenas R$ 5,94/mês.

O primeiro dia de gravações do Afro Fashion Day teve a voz da experiência. Apenas um de seis modelos do grupo que posou ontem no estacionamento da Rede Bahia para a sessão de fotos com Edgar Azevedo e desfilou no Parque São Bartolomeu nunca tinha passado pela passarela mais negra do Brasil.

O calouro tem nome de peso: Marcelo Lima, modelo baiano que foi recordista de desfiles nas edições de 2018 e 2019 do São Paulo Fashion Week. Ele conta que sempre quis participar do AFD, mas a agenda lotada era um empecilho. Desta vez, tudo conspirou a favor e ele conseguiu um espacinho para colar na corda do evento, que acontece no dia 20 de novembro, em forma de um fashion film, nas redes sociais do CORREIO.

“Desde o início da pandemia eu estou aqui em Salvador com minha família. Aí quando recebi o convite, aceitei rapidinho. É uma honra estar no Afro Fashion Day”, disse o modelo que já voa para São Paulo nesta quarta (28) para gravar uma campanha da Natura.

Uma das veteranas desta edição é Leideane Oliveira, modelo que foi vencedora da seletiva de bairros em 2018 e desfila no Afro pelo terceiro ano consecutivo. Tempo suficiente para já estar ciente das emoções às vésperas do evento. Ela manda um recado para a garotada que vai fazer sua estreia nós próximos dias: a ansiedade é natural e ninguém precisa se envergonhar disso. Na hora do vamos ver, é só deixar fluir o trabalho, seguir as orientações da direção artística e voilá. 

Desfilando pelo segundo ano seguido, Willy Montenegro diz que o frio na barriga sempre acontece porque todo ano o Afro Fashion Day tem mudanças e por isso sempre rola uma ansiedade que é gostosa e não apavorante. Para controlar os ânimos, a modelo Amanda Nascimento, outra a posar ontem, aconselha respirar fundo e deixar fluir coisas boas na mente. “É importante deixar fluir, ser você mesmo. A equipe é maravilhosa e faz com que tudo dê certo”, conta Amanda.


"É importante deixar fluir, ser você mesmo. A equipe é maravilhosa e faz com que tudo dê certo", conta Amanda.

Nascida em Mundo Novo, Leide conta que não conhecia o Parque São Bartolomeu, que fica em Plataforma, no Subúrbio Ferroviário. “A gente nem imagina que tem um espaço desses em Salvador, né?”, questionou a modelo enquanto olhava a cachoeira de Oxum e o visual de natureza rica ao seu redor. O Parque São Bartolomeu tem três cachoeiras com origem numa mesma queda d'água: Nanã, Oxum e Oxumaré.

Willy desfila no Parque São Bartolomeu
Willy desfila no Parque São Bartolomeu (Foto: Arisson Marinho/CORREIO)
Marcelo Lima recebe orientações para a gravação do Fashion Film
Marcelo Lima recebe orientações para a gravação do Fashion Film (Foto: Arisson Marinho/CORREIO)
Durante a manhã, modelos foram fotografados por Edgar Azevedo na sede da Rede Bahia
Durante a manhã, modelos foram fotografados por Edgar Azevedo na sede da Rede Bahia (Foto: Gabriela Cruz/CORREIO)

Produtor do fashion film, Renan Benedito é cria da Suburbana e aponta que é importante reforçar que existe uma Salvador para além do circuito tradicional, ou clichê, como são pontos turísticos, a exemplo do Farol da Barra, Pelourinho e lugares do tipo. Segundo Renan, dentro de cada cantinho de Salvador há histórias, contextos e potenciais que podem ser explorados. Ter essa Salvador fora do clichê faz parte do conceito desenhado pelo curador e produtor de moda do Afro Fashion Day, Fagner Bispo.


"A gente vive em uma cidade muito bonita, com várias possibilidades de locais pouco explorados pela grande mídia e grandes publicações. A ideia é mostrar essa Salvador que pouca gente conhece", explica.

Entre uma gravação e outra, o modelo Nicolas Ribeiro parou para falar com nossa reportagem e afirmou que propor valorizar a beleza negra passa, também, por mostrar os lugares de onde essas pessoas vêm.

Para ele, mudar cenários e locações para ambientes onde pessoas negras vivem é uma ideia que dialoga com o momento atual, assim como tratar o dendê como o conceito geral da edição.

Idealizadora do Afro Fashion Day, a jornalista Gabriela Cruz reforça que todos os protocolos de segurança estão sendo seguidos. Os 31 modelos foram divididos em grupos para evitar aglomerações e o Afro Fashion Day opera com equipe reduzida.

A própria ausência do desfile é uma dessas medidas. Neste ano, o ponto alto do Afro será o chamado Fashion Film - uma produção em vídeo com os modelos posando com acessórios e roupas das 37 marcas que integram o Afro Fashion Day nesta temporada. 

Além de gravações no Parque São Bartolomeu, os grupos de modelos desfilam no Candeal, Gamboa, Rio Vermelho e Paripe. 

O Afro Fashion Day é um projeto do Jornal CORREIO com o patrocínio do Hapvida e a parceria do Sebrae.

***

Em tempos de coronavírus e desinformação, o CORREIO continua produzindo diariamente informação responsável e apurada pela nossa redação que escreve, edita e entrega notícias nas quais você pode confiar. Assim como o de tantos outros profissionais ligados a atividades essenciais, nosso trabalho tem sido maior do que nunca. Colabore para que nossa equipe de jornalistas seja mantida para entregar a você e todos os baianos conteúdo profissional. Assine o jornal.


Relacionadas