Fotógrafa faz ensaios para negros a preço acessível no Recôncavo

entre
08.12.2019, 07:00:00
Atualizado: 09.12.2019, 11:47:49
(Foto: Gabriela Palha/Acervo Pessoal)

Fotógrafa faz ensaios para negros a preço acessível no Recôncavo

Ellen Katarine também é trancista, dreadmaker e estudante de História na UFRB

Em momentos como o que vivemos, o jornalismo sério ganha ainda mais relevância. Precisamos um do outro para atravessar essa tempestade. Se puder, apoie nosso trabalho e assine o Jornal Correio por apenas R$ 5,94/mês.

As câmeras de filme, daquelas simples e presentes em diversas casas até meados dos anos 2000, sempre fascinaram Ellen Katarine. A baiana de Valente, no Sertão do estado, cresceu curiosa sobre tudo o que aquela caixinha podia enxergar. Desde que se entende por gente, Ellen não faz a menor cerimônia antes de gastar horas e mais horas do seu dia ‘folheando’ álbuns de fotografias.

O fascínio apontava para um caminho claro. Não foi por acaso que, quando cresceu, ela se especializou e começou a fotografar. A pequena câmera de filme foi substituída por uma mais potente, digital e profissional. Ellen, então, deixou a cidade de Valente e subiu em direção a Cachoeira, no Recôncavo, para estudar História na Universidade Federal do Recôncavo da Bahia (UFRB) e, hoje, é justamente da fotografia que ela tira parte de seu sustento em sua nova casa.

No último mês de novembro, ela lançou, em seu perfil profissional no Instagram (@_ekfotografia), uma ação voltada para o Novembro Negro e, desde então, faz ensaios fotográficos de negras e negros por R$100. A ideia, segundo Ellen, é fazer com que a “gente preta se valorize”, se ache bela.

“Elevar a autoestima de pessoas pretas é ganhar demais. A todo tempo, somos colocados como fora do padrão. [Dizem que] nosso cabelo não é bonito, nosso sorriso não é bonito, nossa cor... [quero] usar do meu trabalho para quebrar todos esses padrões”, avalia.

A ação vale para moradores das cidades de Cachoeira, São Félix e Valente. Mas, ela avisa que para Salvador e Feira de Santana também tem conversa. A fotógrafa diz que encontrou nesta promoção uma oportunidade, também, de agradecer pelo acolhimento que recebeu de Cachoeira e de seus moradores quando deixou sua cidade natal, há três anos, para estudar. 

A fotógrafa trabalha em uma produtora audiovisual e de eventos nascida em Cachoeira e que atua na promoção de jovens artistas. A empresa foi criada no ano passado e Ellen conta que teve uma recepção muito calorosa na cidade. Os serviços de marketing, produção de eventos, vídeo e conteúdo para redes sociais são solicitados com uma boa frequência por lá.

Videoclipe
O seu trabalho de maior orgulho é o clipe da música Velejo, da cantora Sued Nunes, que foi lançado no último dia 12 de outubro. Ela conta que fotografar o material de divulgação do clipe com várias mulheres negras foi uma experiência gratificante e o resultado, que Ellen enche o peito para dizer que ficou muito bonito, foi exatamente como ela imaginou.

“Como eu não sou daqui, não conheço tantas pessoas. Mas, com a ajuda da produtora, estão se abrindo vários espaços. Festa da cidade, os moradores nos convidam para tirar as fotos, contratam nosso trabalho. Isso é massa! Eu me sinto muito acolhida. O pessoal do Recôncavo é muito unido. São muito acolhedores, estão sempre abrindo espaço e eu procuro dar um retorno”, explica a fotógrafa.

'Dar retorno'
‘Dar retorno’ é uma expressão que Ellen Katarine fala exaustivamente. Ela explica que seu trabalho não pode render frutos para si, exclusivamente. É preciso pensar também nos outros. Nas pessoas negras. Falando em retorno, a fotografia ainda não é suficiente para a valentense se manter financeiramente.

Por conta disso, ela também trabalha como trancista - ocupação que exerce desde 2015, fazendo dreads e tranças removíveis. Apesar de ter começado a trabalhar com cabelos antes mesmo da fotografia, ela espera um dia conseguir se manter apenas com as imagens. 

“Conciliar é que é o difícil, principalmente quando chega final de semestre. Mas, como preciso do dinheiro, eu não deixo de fazer, passo a noite estudando se for o caso, mas dá tempo pra tudo”, explica.

Enquanto não vêm os dias de glória, ela segue dando seus cliques e buscando referência em mulheres negras que também trabalham com fotografia. Suas grandes inspirações são as soteropolitanas Helen Salomão (@helesalomao) e Juh Almeida (@juh_fotografia), além da cachoeirense Gabriela Palha (@gspalha) - com a última, Ellen Katarine já ‘dividiu palco’ em alguns eventos na cidade em que vive hoje.

Fotógrafa faz retratos de pessoas negras a preços acessíveis
Fotógrafa faz retratos de pessoas negras a preços acessíveis (Foto: Ellen Katarine/EK Fotografias)
(Foto: Ellen Katarine/EK Fotografias)
(Foto: Ellen Katarine/EK Fotografias)

A primeira foto desta reportagem, que mostra Ellen fotografando, foi feita justamente por Gabriela. As outras duas são fruto do trabalho de Ellen, clicando mulheres negras.

Segundo ela, o projeto dos ensaios a preço acessível para negras e negros deve continuar até o final deste mês de dezembro. Mas, ela garante que sempre conversa com seus clientes para saber se o preço cabe no orçamento e busca fazer uma cotação que fique boa para todas as partes. Do dia 20 de novembro até aqui, ela conta que recebeu algumas solicitações de orçamento e tem dois ensaios já fechados.

Por conta do final do semestre, marcou os dois para o próximo mês. Se ajeitando da melhor forma que pode, Ellen caminha, sonha e realiza.

*Com supervisão da subeditora Clarissa Pacheco

***

Em tempos de coronavírus e desinformação, o CORREIO continua produzindo diariamente informação responsável e apurada pela nossa redação que escreve, edita e entrega notícias nas quais você pode confiar. Assim como o de tantos outros profissionais ligados a atividades essenciais, nosso trabalho tem sido maior do que nunca. Colabore para que nossa equipe de jornalistas seja mantida para entregar a você e todos os baianos conteúdo profissional. Assine o jornal.


Relacionadas