Jorge Jesus vê pressão como sinônimo do sucesso do Flamengo

esportes
16.12.2019, 14:16:07
Atualizado: 16.12.2019, 14:58:18
(Foto: Alexandre Vidal/Flamengo)

Jorge Jesus vê pressão como sinônimo do sucesso do Flamengo

Já Rafinha diz que título mundial seria presente para coroar ano do time

Campeão da Libertadores, o Flamengo chega sob grande expectativa para o Mundial de Clubes, especialmente para uma eventual decisão com o Liverpool. Esse cenário pressiona o time a confirmar o seu favoritismo no duelo com o Al-Hilal, nesta terça-feira (17), às 14h30 (horário de Brasília), pelas semifinais, em Doha.

O técnico Jorge Jesus destacou nesta segunda, porém, que o clima de expectativa e necessidade de lidar com a pressão se dá pelo êxito esportivo do time, que também venceu o Campeonato Brasileiro nesta temporada. E isso lhe traz satisfação.

"É um ano de pressão, mas muito mais de satisfação. E é isso que vamos tentar passar no nosso jogo. É um prazer, uma alegria, vamos tentar ganhar. Essa pressão é sinônimo do sucesso. Quem não quer? Quero viver toda minha vida com essa pressão", disse.

Jesus, porém, evitou por diversas vezes realizar comentários sobre o Liverpool, que na quarta-feira fará a outra semifinal do Mundial contra o mexicano Monterrey. O treinador fez elogios ao Al-Hilal, prevendo um duelo complicado para o Flamengo nesta terça. "No Brasil, fala-se muito do Liverpool e esquecem que temos um jogo antes. Esquecem por ser um time saudita, não ser da Europa, não sendo muito valorizado", afirmou.

A edição de 2019 do Mundial é a penúltima a ser disputada por sete clubes, pois a Fifa vai alterar o formato de disputa da competição a partir de 2021, com a participação de 24 times, além da periodicidade, sendo realizado de quatro em quatro anos. Até por isso, Jesus avaliou que a competição será cada vez mais valorizada.

"Esse Mundial de Clubes cada vez terá mais importância na história de quem ganhar. Cada vez será mais difícil. Antigamente, era um jogo, agora não é assim, e em dois anos será com 24 clubes. Será cada vez mais difícil", comentou.

Jesus também comentou sobre o reencontro com o Al-Hilal, último clube dirigido por ele antes de assumir o Flamengo. E embora esteja focado em seu trabalho no time carioca, o treinador português admitiu que será especial reencontrar seus ex-jogadores.

"Ajudei o Al-Hilal a formar essa equipe. Hoje, não tenho nada a ver com o Al-Hilal, a não ser o carinho dos jogadores. Um deles é o Gomis. E como é o destino. Falamos que iríamos nos encontrar no futebol e nos encontramos", comentou.

Presente para o rubro-negro
Vencer o Mundial de Clubes como a coroação de uma temporada praticamente perfeita para o Flamengo. Esse é o pensamento do lateral-direito Rafinha na véspera da estreia da equipe na competição, nesta terça-feira (17), diante do Al-Hilal, em Doha, pelas semifinais.

Embora irregular em alguns momentos do primeiro semestre, o Flamengo conquistou o título do Campeonato Carioca. Depois, na segunda metade do ano venceu com folga o Campeonato Brasileiro e ainda faturou a Copa Libertadores em uma emocionante decisão contra o River Plate.

"O Flamengo foi campeão em 1981 e seria um presente muito grande coroar essa temporada com esse título", disse Rafinha, em entrevista coletiva, nesta segunda-feira (16).

O lateral-direito, aliás, já ostenta uma conquista do torneio, em 2013, quando defendia o Bayern de Munique. E valorizou a importância da competição. "É um título muito grande. Sabemos que é o máximo para clubes e representa muito também na América do Sul. Venci em 2013 pelo Bayern de Munique. Esperamos fazer um grande jogo para disputar a final. É um título com um valor muito grande", disse,

Apesar de toda a expectativa para um confronto com o Liverpool na decisão do Mundial, Rafinha ressaltou que ninguém no elenco do Flamengo pensa na final. O foco está no Al-Hilal, até para evitar uma eliminação precoce, como ocorreu com outros clubes brasileiros em edições recentes do torneio.

"Estamos vacinados sobre esse assunto. Nosso pensamento está no Al-Hilal. Muitos brasileiros ficaram pelo caminho e não podemos repetir o erro. Se passarmos, pensamos na final", afirmou o lateral.

***

Em tempos de coronavírus e desinformação, o CORREIO continua produzindo diariamente informação responsável e apurada pela nossa redação que escreve, edita e entrega notícias nas quais você pode confiar. Assim como o de tantos outros profissionais ligados a atividades essenciais, nosso trabalho tem sido maior do que nunca. Colabore para que nossa equipe de jornalistas seja mantida para entregar a você e todos os baianos conteúdo profissional. Assine o jornal.


Relacionadas