Lacen tem só 1 caso confirmado de reinfecção por covid, mas situação requer cuidados

coronavírus
13.03.2021, 14:00:00
Atualizado: 13.03.2021, 14:28:02
(Foto: Paula Fróes/CORREIO)

Lacen tem só 1 caso confirmado de reinfecção por covid, mas situação requer cuidados

Especialista cita caso de paciente infectado com duas variantes do coronavírus

Em momentos como o que vivemos, o jornalismo sério ganha ainda mais relevância. Precisamos um do outro para atravessar essa tempestade. Se puder, apoie nosso trabalho e assine o Jornal Correio por apenas R$ 5,94/mês.

Uma das hipóteses sugeridas por autoridades como algo que pode ter contribuído para o aumento do número de casos de covid-19 nas últimas semanas, na Bahia, seria a reinfecção - ou seja, as pessoas que voltaram a ter a doença, depois de curadas. No entanto, até o momento, o Laboratório Central de Saúde Pública Profº Gonçalo Moniz (Lacen-BA) só confirmou uma reinfecção no estado, após o sequenciamento genético.

Leia a reportagem principal: A ameaça das variantes: entenda o perigo das mutações que circulam na Bahia

Além disso, segundo a professora Carina Carvalho, da Faculdade de Farmácia da Universidade Federal da Bahia (Ufba), simplesmente adoecer duas vezes não significa necessariamente uma reinfecção. 

"A covid-19 ainda é uma doença nova. Existem estudos que mostram que a persistência da imunidade adquirida, como a produção de anticorpos contra o Sars-CoV-2, pode ser de curto prazo. No entanto, muitos estudos ainda estão em andamento para investigar melhor a resposta imune", diz.

Sem contar que, como alguns sintomas da covid-19 podem ser parecidos com os de outras doenças endêmicas, não é impossível que haja alguma confusão no diagnóstico clínico. Assim, a reinfecção só acontece quando a pessoa tem dois resultados positivos em testes RT-PCR, com pelo menos 90 dias de intervalos. 

Por aqui, também não houve nenhuma co-infecção. No Rio Grande do Sul, pesquisadores identificaram pacientes infectados com duas variantes do coronavírus ao mesmo tempo.

"É difícil dizermos, no momento, que isso pode levar a quadros mais graves da doença (aspectos clínicos), pois ainda estamos na etapa de observação desse fenômeno e de suas consequências. Precisamos avaliar mais casos suspeitos para tirar conclusões sobre a gravidade", conclui Carina. 

***

Em tempos de coronavírus e desinformação, o CORREIO continua produzindo diariamente informação responsável e apurada pela nossa redação que escreve, edita e entrega notícias nas quais você pode confiar. Assim como o de tantos outros profissionais ligados a atividades essenciais, nosso trabalho tem sido maior do que nunca. Colabore para que nossa equipe de jornalistas seja mantida para entregar a você e todos os baianos conteúdo profissional. Assine o jornal.


Relacionadas