Marco Antônio salva o Bahia nos acréscimos e garante empate com Palmeiras

e.c. bahia
29.08.2020, 21:05:00
Atualizado: 30.08.2020, 22:52:59
Marco Antônio, ao centro, festeja com Saldanha e Gregore após marcar o gol de empate (Arisson Marinho/CORREIO)

Marco Antônio salva o Bahia nos acréscimos e garante empate com Palmeiras

Jogador saiu do banco e marcou aos 49 do 2º tempo em Pituaçu

Em momentos como o que vivemos, o jornalismo sério ganha ainda mais relevância. Precisamos um do outro para atravessar essa tempestade. Se puder, apoie nosso trabalho e assine o Jornal Correio por apenas R$ 5,94/mês.

O Bahia empatou com o Palmeiras por 1x1, na noite deste sábado (29), em Pituaçu, e chegou à terceira partida consecutiva sem vencer no Brasileirão. Foi um jogo com gols marcados por reservas no segundo tempo. Zé Rafael abriu o placar aos 31 minutos e reforçou a lei do ex; Marco Antônio empatou nos acréscimos, já aos 49.

Com o resultado, o tricolor vai a oito pontos, em 7º lugar, e o Palmeiras está uma casa acima, com nove pontos. Restam quatro partidas na sequência da 6ª rodada no domingo – outras duas foram adiadas. 

O JOGO

O Bahia apresentou três novidades no time: o meia Daniel foi escolhido por Roger Machado para iniciar como titular no lugar do volante Ronaldo, o que aumentou a capacidade de articulação no meio-campo; Lucas Fonseca retomou a vaga de Ernando na zaga; e a outra mudança foi uma ausência no banco, já que Fernandão negocia com o Konyaspor, da Turquia, e não foi relacionado.

Daniel marca Patrick de Paula; meia ganhou a titularidade no Bahia
(Foto: Arisson Marinho/CORREIO)

Em campo, a tônica do primeiro tempo foi de dois times que tiveram espaço para jogar e, no entanto, não deram trabalho para os goleiros Anderson e Weverton. Não por falta de tentativa.

No caso do Esquadrão, por exemplo, a equipe achou o caminho através de jogadas pelas pontas. Foi assim que, aos 5 minutos, a dobradinha entre Nino e Rossi na direita resultou no cruzamento do atacante para a área e na finalização de Rodriguinho pra fora.

Quatro minutos depois, a jogada se repetiu, só que pela esquerda: Élber acionou Juninho Capixaba, que cruzou rasteiro e Gilberto ia se antecipar e chutar de cara do gol, mas o zagueiro Gustavo Gómez foi rápido e travou.

Passado o susto inicial, o Palmeiras equilibrou o jogo no meio-campo e, diferentemente do tricolor, tentava chegar ao gol pela zona central. Não conseguiu criar nada efetivo. Um chute de Rony, de longe e aos 22 minutos, foi nas mãos de Anderson. Depois, Gabriel Menino ganhou a disputa no alto e Willian isolou ao bater de primeira.

No final do primeiro tempo, o Bahia articulou jogadas dentro da área palmeirense e criou duas oportunidades perigosas. A primeira com Rossi, que fez a jogada toda certa até a hora em que precisava dar o passe final e cruzou nas mãos de Weverton. Depois com Rodriguinho, cujo chute desviou na defesa e foi para escanteio, no último lance da etapa inicial.

ZÉ RAFAEL, A LEI DO EX

O segundo tempo começou promissor. Logo aos 2 minutos, Rossi recebeu de Rodriguinho e cruzou para Gilberto escorar e fazer o gol. Mas não valeu. O VAR revelou impedimento de Rossi na jogada.

Depois disso o Esquadrão teve dificuldade de chegar ao gol adversário. Verdade que também não era ameaçado. Resultado: um jogo morno que não interessava a nenhum dos dois treinadores.

Foi então que chegou o momento das substituições. E a diferença entre os dois times, que não havia em campo, se revelou no banco de reservas.

Vanderlei Luxemburgo havia trocado Willian por Luiz Adriano, Bruno Henrique por Ramires e Rony por Wesley aos 22 minutos. Aos 28, saíram Lucas Lima e Gabriel Menino, entraram Zé Rafael e Gustavo Scarpa. 

No outro lado, o desnível entre titulares e reservas do elenco tricolor fez o time piorar depois que Roger mexeu, também aos 28. Saíram Gilberto e Rossi, entraram Saldanha e Ronaldo – liberando Daniel para avançar.

O gol do Palmeiras não teve relação imediata com a piora coletiva do Bahia, e sim com um erro de Nino Paraíba na saída de bola. Ele tocou errado e, na sequência, Luiz Adriano acionou Scarpa na direita e este rolou para Zé Rafael fazer 1x0, aos 31 minutos.

Zé Rafael, ex-Bahia, fez o gol do Palmeiras
(Foto: Arisson Marinho/CORREIO)

MARCO ANTÔNIO SALVA

Após o gol, o Esquadrão não conseguiu criar jogadas trabalhadas. As dobradinhas entre laterais e pontas, que funcionaram no primeiro tempo, não existiam mais. Roger então tentou ganhar velocidade com a entrada de Marco Antônio no lugar de Daniel, aos 38 minutos. Faria toda a diferença.

Zé Rafael ainda teve chance de fazer o segundo gol palmeirense, já aos 45 minutos, e Anderson salvou com o pé. Àquela altura, com o time desconexo em campo, o Bahia tentava mais na vontade do que na organização. 

E teve duas chances. Uma em cobrança de falta que Marco Antônio cobrou e a bola desviou na barreira. Na outra, aos 49 minutos, Juninho Capixaba levantou na área, quase do meio de campo, e Weverton saiu atabalhoado do gol, dando um soco que deixou a bola no pé de Marco Antônio. Com o gol vazio, ele chutou e empatou. 

PRÓXIMO ADVERSÁRIO

O próximo compromisso do Bahia é contra o Flamengo, quarta-feira (2), às 20h30, novamente em Pituaçu. No mesmo dia, o Palmeiras receberá o líder Internacional no Allianz Parque, às 21h30.


FICHA TÉCNICA

Bahia x Palmeiras - 6ª rodada do Campeonato Brasileiro

Bahia: Anderson, Nino Paraíba, Lucas Fonseca, Juninho e Juninho Capixaba; Gregore, Daniel (Marco Antônio) e Rodriguinho (Clayson); Rossi (Ronaldo), Gilberto (Saldanha) e Élber. Técnico: Roger Machado

Palmeiras: Weverton, Mayke, Luan, Gustavo Gómez e Diogo Barbosa; Bruno Henrique (Ramires), Gabriel Menino (Gustavo Scarpa), Patrick de Paula e Lucas Lima (Zé Rafael); Rony (Wesley) e Willian (Luiz Adriano). Técnico: Vanderlei Luxemburgo

Estádio: Pituaçu, em Salvador
Gols: Zé Rafael, aos 31, e Marco Antônio, aos 49 minutos, ambos do 2º tempo
Cartão amarelo: Gregore; Luan e Wesley
Arbitragem: Bruno Arleu de Araújo, auxiliado por Rodrigo Figueiredo Henrique Correa e Michael Correia (trio do Rio de Janeiro).

***

Em tempos de coronavírus e desinformação, o CORREIO continua produzindo diariamente informação responsável e apurada pela nossa redação que escreve, edita e entrega notícias nas quais você pode confiar. Assim como o de tantos outros profissionais ligados a atividades essenciais, nosso trabalho tem sido maior do que nunca. Colabore para que nossa equipe de jornalistas seja mantida para entregar a você e todos os baianos conteúdo profissional. Assine o jornal.


Relacionadas