Modelo que vendia bolo em Cajazeiras assina com uma das maiores agências do Brasil

correio afro
12.10.2021, 06:00:00
Atualizado: 12.10.2021, 09:29:28
Adilson Silva foi batizado com o nome artístico de Santti ao chegar a São Paulo (Foto: Florian Boccia)

Modelo que vendia bolo em Cajazeiras assina com uma das maiores agências do Brasil

Conheça Adilson Silva, que agora usará o nome Santti

Desde que se tornou modelo, muita coisa aconteceu na vida de Adilson Silva, baiano de 19 anos. Nascido e criado em Cajazeiras, o garoto dividia o sonho de ser modelo com o trabalho como ajudante da mãe, vendedora de bolos de pote nas ruas do bairro. No último mês, após reportagem do CORREIO, ganhou uma bolsa do Shopping Barra e conseguiu viajar a São Paulo para exibir o seu book a agências de lá. Uma semana após seu desembarque e, de novo, várias reviravoltas na vida do garoto: assinou contrato com a Way Model, uma das maiores do país, e mudou até de nome. Agora, Adilson é Santti.

Acesse o CORREIO AFRO aqui

Ele já até mudou o nome nas redes sociais. Segundo o modelo, foi uma dica dada pelos bookers da Way, alegando uma estratégia para apresentá-lo como uma cara nova, um nome diferente, simples e forte. Apesar da simplicidade, Santti ainda não se acostumou com a nova alcunha e reluta um pouco antes de atender aos chamados.

"Ainda estou me acostumando [risos]. Mas foi um nome que gostei muito, acho que combinou comigo, sabe? Foi uma ideia da agência, que sugeriu a proposta e eu estou muito empolgado, ansioso para fazer o material que será divulgado, exposto como a nova cara aqui em São Paulo. Acho que será incrível", disse Santti.

Ele chegou à terra da Garoa no dia 2 de outubro acompanhado do seu agente, Pepê Santos, da One Models, aqui de Salvador. Passou por cerca de 5 agências antes de decidir fechar com a Way. O tratamento que recebeu dos bookers foi fundamental para a escolha. Por lá, fará companhia a outros baianos e baianas como Gabriel Pitta, Marcelo Lima, Noah Alef, Melissa Moreno e Rebeca Farias.

"Fui aprovado em outras três agências, mas escolhi ser representado pela Way. É a minha primeira vez agenciado em SP. Em Salvador, sou agenciado pela One Models. Minha expectativa é de trabalhar. É muito importante ser representado pela maior agência do Brasil. Quero fazer várias campanhas, sonho com Renner, C&A, Riachuelo, Água de Coco, pegar desfiles da SPFW. Tenho dois desfiles já encaminhados para a Semana de Moda daqui", disse.

Santti faz a foto clássica de quem passeia pela Avenida Paulista, em São Paulo (Foto: Acervo Pessoal)

Inclusive, Santti está morando na mesma república que Gabriel Pitta, no centro de São Paulo. Pretende ficar por lá até o fechamento do mercado, que normalmente acontece do meio para o final de dezembro.

O agente Pepê Santos conta que o jovem é muito focado. Para além do talento: esforço e dedicação. Fez cursos, colocou as caras, se inscreveu em concursos e é pau para toda obra desde o início de sua carreira, que tem apenas dois anos.

Diretor da Way Model, Anderson Baumgartner não escondeu o encantamento com rapaz e disse que a personalidade dele foi o ponto fundamental para a agência querer o seu trabalho.

“Santti é lindo, tem a beleza pra ser um grande modelo, mas o que mais me chamou atenção foi a vontade dele em conquistar essa carreira. Hoje, procuramos isso, personalidades como a dele", disse.

Apesar de curta, a carreira já é bem-sucedida. Ele reúne conquistas como a vitória no Beleza Black, maior concurso de beleza negra do Norte e Nordeste do país e a participação no Fashion Film do Afro Fashion Day (projeto do CORREIO).

Santti também acumula trabalhos para marcas baianas de destaque nacional, como Meninos Rei, Dendezeiro, Ateliê mão de Mãe, MB Conceito e, mais recentemente, Gefferson Vila Nova, com o qual fez sua estreia na Casa de Criadores, uma das principais semanas de moda do país.

Tem uma pessoa para quem ele sempre continuará sendo a Adilson. O Adilson dela: a mamãe Joelma. É para ela que Santti envia a primeira e a última mensagem do dia e com quem compartilha pequenas vitórias de sua rotina, como conseguir se locomover no transporte público da gigantesca São Paulo sozinho com sucesso. 

"A minha mãe todos os dias me liga, manda mensagem. Ela ficou muito feliz. Todo dia falo com ela, vejo a preocupação de ter tomado café, almoçar, estar bem, se estou em casa. Cada lugar que vou eu aviso a ela. Estou aprendendo a andar de metrô e sempre falo que consegui chegar aos lugares. Ela vibra com minhas conquistas, minha independência. Ela ainda está cuidando de mim, mesmo de longe. Essa troca com minha mãe, essa intimidade, alegria que a gente transmite um para o outro me fortalece aqui", contou.


Adilson beija a testa da mamãe, Joelma, com quem ele trabalhava vendendo bolo (Foto: Nara Gentil/CORREIO)

Santti mudou o nome, mas não perdeu sua identidade, nem quer perder suas raízes. Ele está ciente de que sua história é inspiração para que outros tantos meninos, pretos, da periferia, possam sonhar e conseguir dar uma vida melhor para a família. Sendo como é, indo como pode.

***

Em tempos de coronavírus e desinformação, o CORREIO continua produzindo diariamente informação responsável e apurada pela nossa redação que escreve, edita e entrega notícias nas quais você pode confiar. Assim como o de tantos outros profissionais ligados a atividades essenciais, nosso trabalho tem sido maior do que nunca. Colabore para que nossa equipe de jornalistas seja mantida para entregar a você e todos os baianos conteúdo profissional. Assine o jornal.


Relacionadas